IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-04-04T15:56:11-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Acordo após aumento do STF

Tem juiz e procurador querendo reverter a decisão de Fux que colocou fim ao auxílio-moradia do Judiciário

Categoria não ficou satisfeita com a medida tomada pelo ministro do Supremo Luiz Fux na noite desta segunda-feira

27 de novembro de 2018
14:02 - atualizado às 15:56
Luiz Fux
Fux derrubou o auxílio-moradia como parte do acordo com o governo para aprovar o aumento dos ministros do STFImagem: Nelson Júnior/Fotos Públicas

Mal foi derrubado e o auxílio-moradia do Judiciário já voltou a assombrar as contas públicas federais. Isso porque a Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas), que reúne entidades que representam juízes e procuradores da República, estuda maneiras de reverter a decisão que revogou o pagamento desse benefício.

O coordenador da frente, o juiz Guilherme Feliciano, disse que a entidade vai verificar quais "instrumentos de impugnação" podem ser usados contra a medida.

A Frentas se reuniu na manhã desta terça-feira, 27, para discutir opções jurídicas para bloquear a decisão do ministro Luiz Fux do Supremo Tribunal Federal (STF). A frente reúne entidades como a Associação dos Juízes Federais do Brasileiro (Ajufe), a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) e a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), entre outras.

"Temos de fazer o devido estudo até para verificar se há instrumentos de impugnação, quais seriam, e em que caminho", disse o coordenador do grupo. Para ele, a ajuda de custo moradia não poderia ter sido revogado pela decisão de Fux pois está previsto na Lei da Magistratura.

"Revisão de subsídios nada tem a ver com ajuda de custo para moradia, no entanto a lógica consequencialista adotada levou a isso", disse Feliciano.

O fim do auxílio ocorreu em meio a esforços para conter gastos públicos. Ao mesmo tempo em que o pagamento foi revogado, o presidente Michel Temer sancionou reajuste salarial de 16,38% para os ministros do STF.

Com o aumento, o salário no STF passará de R$ 33 mil para R$ 39,2 mil. Como o valor é considerado o teto do funcionalismo público, haverá efeito cascata que pode ter impacto de R$ 4,1 bilhões nas contas da União e de Estados, segundo cálculos de técnicos da Câmara e do Senado.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Cortou demais?

Após demitir mais da metade dos funcionários do Twitter, Elon Musk avisa: “Estamos contratando”

27 de novembro de 2022 - 15:40

Em postagem na rede social, Musk também revelou alguns pontos-chave de como funcionará o chamado Twitter 2.0

Varejo online

Black Friday teve vendas mais fracas no e-commerce neste ano, apontam consultorias

27 de novembro de 2022 - 13:01

Especialista diz que é preciso considerar que, neste ano, o cenário pandêmico possibilitou abertura de lojas físicas, o que pode ter afetado as vendas online

Alívio para o bolso

Preço da gasolina para de subir após 6 semanas de alta

27 de novembro de 2022 - 10:22

De acordo com a ANP, preço médio do litro de gasolina nas bombas foi de R$ 5,04 na semana entre os dias 20 e 26 de novembro

Acumulou!

Ninguém acerta apostas e Mega-Sena, Lotofácil e Quina acumulam; confira como aumentar suas chances de ganhar

27 de novembro de 2022 - 8:22

Embora ninguém tenha acertado as apostas principais, alguns sortudos quase chegaram lá — confira os números sorteados

IVAN SANT'ANNA

Lula x Mercado: quem vence essa batalha?

27 de novembro de 2022 - 8:11

Recém eleito para um terceiro mandato como presidente, Lula tem dado declarações que desagradaram o mercado. É possível um consenso?

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies