🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-03-19T14:55:14-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
JUROS EM ALTA

Selic acima dos 14% ainda este ano? Mercado já avalia riscos dos juros voltarem para os patamares da crise do governo Dilma — guerra na Ucrânia está na lista de culpados

Com a invasão na Ucrânia, inflação tende a continuar vindo com força, o que pode pressionar para cima a taxa Selic

19 de março de 2022
10:49 - atualizado às 14:55
dilma rousseff
Imagem: Reprodução - Imagem: Reprodução

A marcha das expectativas de inflação para níveis cada vez mais distantes das metas perseguidas pelo Banco Central (BC) acendeu um alerta para o risco de a taxa Selic renovar o seu último pico nominal, de 14,25% ao ano, ainda este ano. Essa perspectiva, considerada impensável até antes da disparada de commodities (matérias-primas em dólar) deflagrada pela invasão da Ucrânia pela Rússia, já é um risco acompanhado pelo mercado.

Ao Estadão, economistas afirmam que um novo pico de juros exigiria piora adicional do quadro de inflação. Para acomodar um novo choque, a política monetária poderia ter de avançar novamente em direção ao último pico, considerando que a mediana do mercado para o fim do ciclo já se encontra em 13,25%, a apenas 1 ponto porcentual da marca.

Nas contas do ex-diretor de Assuntos Internacionais do BC Alexandre Schwartsman, seria necessária uma Selic terminal entre 13,5% e 14,0% - praticamente encostada no último pico - para levar a inflação ao centro da meta no ano que vem. O economista ressalva que há dúvidas sobre se a autarquia estaria disposta a sancionar juros neste nível, considerando a sinalização do último comunicado de que 12,75% seria um nível suficiente para promover a convergência.

"Fica minha dúvida sobre se o BC vai estar disposto a dar mais juros do que isso. Se não der, não vamos convergir no ano que vem", resume Schwartsman. Com juros de 12,75%, o economista estima que o IPCA de 2023 deveria ficar em torno de 3,70%, em linha com o mais recente relatório Focus, mesmo que o Comitê de Política Monetária (Copom) tenha estimado, neste cenário, uma inflação de 3,10% em 2023, se houver desaceleração do petróleo.

Na mesma linha, o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, calcula que a taxa Selic precisaria ficar acima de 13,5% no fim do ciclo para promover a convergência da inflação para o centro da meta no ano que vem e ancorar as expectativas em horizontes mais longos. Mas o analista observa que o BC parece estar disposto a promover um ciclo de aperto mais suave e tolerar um IPCA pouco acima do alvo no ano que vem.

Contra uma disparada da Selic acima de 14,0%, pesa o nível já elevado dos juros reais, acima do observado quando a taxa atingiu o último pico. Para o economista-chefe do Banco Alfa, Luis Otávio de Souza Leal, essa dinâmica torna improvável uma volta dos juros aos níveis de 2015 e 2016, durante a crise do governo Dilma.

Para João Savignon, economista da Kínitro, uma retomada do último pico histórico é um risco cada vez mais improvável dado o avanço do horizonte relevante da política monetária, que já deve começar a mirar também o ano de 2024 a partir do segundo semestre. Como o BC só tem mais duas reuniões até junho, elevar a Selic de 11,75% para um nível acima de 14,0% exigiria acelerar o ritmo de aperto monetário.

"Teria de ter algo a mais, uma nova rodada de pressão, ou a escalada de preços de commodities se mantendo por mais tempo", avalia. "Eu tenderia a acreditar que, se em março, no olho do furacão, o BC optou por desacelerar o ciclo para 1,0 ponto, é muito difícil voltar a acelerar."

Veja também - Brasil é o paraíso dos rentistas: com Selic em alta, é hora de abandonar a bolsa e buscar riqueza na renda fixa?

Com a Selic de volta aos dois dígitos e os juros reais (acima da inflação) próximos dos 6% ao ano, enriquecer investindo em renda fixa voltou a ser possível. E não se trata de um eufemismo. Nessa classe de ativos, já é possível obter retornos capazes de dobrar o capital do investidor em apenas sete anos. Dê o play no podcast Touros e Ursos para descobrir se está na hora de abandonar a bolsa e buscar bons ganhos na renda fixa:

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

FRUTOS DO CASAMENTO

Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) apresentam relação de troca final de ações; veja quanto os acionistas receberão

Mais cedo, a Superintendência-Geral do Cade aprovou, sem restrições, a venda de parte da frota da Unidas para o Grupo Brookfield, dono da locadora Ouro Verde

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) faz malabarismo para enfrentar volatilidade e seguir acima de US$ 20 mil; confira cotações

O cenário macroeconômico pesou no universo cripto e se juntou à falta de liquidez, exercendo importante fonte de pressão

AGRO EM ALTA

Governo oferecerá mais de R$ 340 bilhões para produtores rurais no novo Plano Safra; valores entram em vigor em julho

O programa do governo federal prevê o direcionamento de recursos públicos para financiar e apoiar a agropecuária nacional

O SOL HÁ DE BRILHAR MAIS UMA VEZ

Cemig (CMIG4) amplia presença em energia solar em negócio milionário; confira os detalhes do negócio

A transação envolve três usinas fotovoltaicas e reforça a estratégia da companhia de crescimento sustentável no mercado de geração distribuída

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa abaixo dos 100 mil novamente, presidente da Caixa pede demissão e o salvador do mundo cripto; confira os destaques do dia

As últimas semanas parecem ter inaugurado um novo modus operandi no mercado financeiro: não há boa notícia ao amanhecer que perdure até o anoitecer.  Alta de commodities, alívio no cenário fiscal, retomada econômica chinesa. Pode escolher a sua arma, nada parece forte o suficiente para enfrentar o temor de uma recessão global e de um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies