Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-11-22T19:14:17-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política

Maia: Previdência certamente ficará para próxima legislatura

Para presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, se Previdência não for bem organizada, lobby de governadores, prefeitos e do próprio presidente poder transformar reforma em um “monstrengo” para a sociedade

22 de novembro de 2018
19:14
RodrigoMaiaPlenario
Imagem: J.Batista/Câmara dos Deputados

Na avaliação do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o atual governo não tem mais força política para fazer uma votação como a da reforma da Previdência e o governo eleito, naturalmente, gasta suas energias na formação do novo governo.

Em evento do BTG Pactual, Maia explicou que a votação da Previdência seria um “corpo” que precisa de uma “cabeça” para orientar o seu caminho. A cabeça seria Jair Bolsonaro, que “ainda não terminou a sua transição e não trata desse tema”. Assim, disse ele, a reforma certamente ficará para a próxima legislatura.

Enquanto isso, disse Maia, a Câmara pretende avançar nas medidas microeconômicas, como distrato imobiliário, securitização de dívida dos Estados e o projeto das agências reguladoras.

Ainda sofre o tema, Maia disse que se o projeto não for bem organizado, o lobby de governadores, prefeitos e do próprio presidente, com relação a categorias como professores, policiais e militares, a reforma pode ser “um monstrengo para a sociedade brasileira”.

Maia disse, ainda, que há um melhor entendimento da população sobre a necessidade da reforma. Citando pesquisas que diz conduzir junto a população, o presidente da Câmara falou que a sociedade já compreendeu que quem paga a conta é o pobre. Segundo ele 70%, da população acha que os regimes têm de ser iguais para todos e que 40% entende o que é a reforma.

Maia também chamou atenção para a capacidade de comunicação do presidente eleito e que isso pode ser utilizado para mostra que a reforma é para beneficiar os mais pobres. Esse fator deixa Maia otimista com relação ao tema.

"Tem muitas condições de aprovar a reforma da Previdência", afirmou.

Segundo Maia, a reforma dá maior segurança jurídica para o setor privado, mostrando que o país não quebra nos próximos 20 anos.

Governabilidade

Maia foi questionado sobre o modelo de composição de governo de Bolsonaro, que não está negociando com partidos e sim nomeando os ministros que ele acha que deve nomear.

Para o presidente da Câmara, Bolsonaro está no caminho certo, montando o Executivo com os quadros que ele acha melhor.

“Se os ministros irem bem, os políticos tendem a aderir a governos bem avaliados. Não vejo nenhum problema não ter relação direta com os partidos”, disse.

Mas Maia lembrou que o governo também é composto pelo Legislativo e pelo Judiciário e que chegando no Congresso ele terá de dialogar. “Não precisa dar ministério, mas precisa dizer: ‘faço essas reformas e mudo o Brasil e vocês mudam o Brasil comigo”, exemplificou Maia, afirmando que o governo atual será mais respeitado ao fim de quatro anos do que agora.

Ele disse que o futuro ministro da Casa Civil, o também deputado Onyz Lorenzoni (DEM-RS), já começou um trabalho de diálogo com o Legislativo.

Segundo Maia, são pouquíssimos os deputados que se elegeram defendendo as reformas. O deputado foi eleito por sua base e é legítimo que ele trabalhe por seus eleitores. Assim, é importante que o governo compreenda a importância de cada deputado e quando os investimentos acontecerem, saber que o deputado que ajudou "está junto".

Maia disse que seu pai fez um governo assim na prefeitura do Rio de Janeiro em 1992 e que os vereadores aderiram ao ver seus distritos sendo beneficiados pelo programa de governo que espalhou obras por toda a cidade.

Estamos ao vivo ne?

Questionado se a estratégia de dialogar com bancadas temáticas, como agronegócio e outras funciona, Maia deu a seguinte resposta: “me disseram que está ao vivo, ne?”, arrancando risadas da plateia.

Na sequência explicou que as bancadas temáticas têm duas agendas. Uma de construção do futuro do setor e outra de viés corporativo.

“Tem que tomar cuidado para que não prevaleça as bancadas corporativas”, disse, complementando que é melhor deixar essas agendas corporativas para quando o Brasil tiver em condição melhor de atendê-las.

O papel do DEM

Segundo Maia, o seu partido, o DEM, não tem ministério no governo e não faz parte da base de governo de Jair Bolsonaro. O partido já tem três ministros, mas segundo Maia, foram escolhas pessoais do presidente eleito.

“O DEM tem dialogo até porque temos muita convergência com a pauta econômica de Paulo Guedes. O DEM não é um partido que faça parte da base do governo Jair Bolsonaro”, disse.

Sobre a presidência da Câmara, Maia disse que gostaria de continuar, mas que essa é uma construção difícil e, agora, ainda mais complexa em função da nova formação partidária da Câmara. São precisos de 10 a 12 partidos e isso não se constrói da noite para o dia.

“Tenho bastante espaço para isso, mas acredito que todos estão conversando e dialogando. Se construir esse grande bloco, me colocarei como candidato na hora certa”, disse.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Leão faminto

Carga pesada: Impostômetro atinge a marca de R$ 1,5 trilhão

Monitoramento da Associação Comercial de São Paulo mostra que, no ano passado, marca foi atingida somente no dia 28 de setembro

Muita calma nessa hora

Tem Vale Gás? Petrobras diz que não há definição sobre participação em programas sociais

Manifestação vem depois que o presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que a estatal tem R$ 3 bilhões em reservas para custear ajuda

Clube do Livro

Batalhas sem arma: Em “Cripto Wars”, Jim Rickards explica guerras cambiais e agora, com criptomoedas

Autor, conhecido também por suas previsões certeiras sobre o bitcoin, fala de como a tecnologia mudou as estratégias financeiras dos países

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies