Menu
2018-09-23T22:44:09-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
16 anos após compra

Garoto já ‘envelheceu’, mas drama da venda para Nestlé pode voltar ao Cade

Imbróglio judicial em torno da compra da Garoto pela Nestlé deve ir a novo julgamento após companhia ter recurso negado

20 de setembro de 2018
10:57 - atualizado às 22:44
homem mais velho mostra desespero
Nestlé não cumpriu acordo com o Cade que determinava a venda de marcas

O imbróglio judicial ao redor da compra da Garoto pela Nestlé, concretizada há 16 anos, pode voltar a ser analisada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

A fusão das empresas foi realizada em 2002, mas já havia sido vetada em 2004. À época, a Nestlé recorreu e conseguiu suspender a decisão em 2005.

Em 2002, a Nestlé tinha 34% do mercado de chocolate do País - ao comprar a Garoto, chegou a 58%, ante 33% da Lacta. Mesmo com a entrada de novas rivais, o mercado continua a ser dominado pelas três empresas.

Não satisfeita, em 2009, a Justiça determinou que o Cade julgasse o negócio novamente. Desde então, a empresa entrou com diversos recursos e o assunto se perdeu no tempo.

Na semana passada, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região negou recurso da Nestlé, o que, na prática, mantém a decisão de 2009, que determina novo julgamento.

Vendem-se algumas marcas

A nova análise deve levar em conta o fato de a marca não ter cumprido o acordo negociado com o Cade em 2017, que previa a venda de um pacote de dez marcas, como Chokito, Serenata de Amor, Lollo e Sensação. O prazo inicial acabou em outubro do ano passado, foi prorrogado até meados deste ano, mas as marcas não foram vendidas.

Com o descumprimento, o Cade poderia até leiloar as marcas ou determinar a revogação da compra da Garoto. Isso significaria que as duas empresas teriam de ser separadas mesmo tanto tempo após o negócio.

Com condições

Uma das dificuldades para a venda das marcas pela Nestlé é que, no acordo, o Cade proibiu que seja feita para um rival de grande porte, tirando, dessa forma, a Mondelez (dona da Lacta) do páreo.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

DEBANDADA NO MINISTÉRIO

‘Agenda de Guedes está enfraquecida’, diz Alexandre Schwartsman

Para o economista, há um descompasso claro entre a visão do presidente e a do ministro e Bolsonaro que desmoraliza a bandeira liberal com a qual se elegeu.

SUBSTITUTO DE SALIM MATTAR

Novo secretário de privatizações pode indicar cargos de até R$ 120 mil mensais

Cerca de 300 cargos em conselhos de administração e direção de estatais.

CONTENÇÃO DE GASTOS

Diante da ‘debandada’, governo quer antecipar medidas de ajuste para 2021

Essas medidas corretivas seriam adotadas pelo governo automaticamente, já no ano que vem, e evitariam o estouro do teto de gastos.

reação do mercado

Ação da Via Varejo tem forte alta após balanço; veja o que dizem analistas

Com avanço do online, recomendação da XP para a ação da empresa é de compra, com preço-alvo de R$ 28 ao final de 2020; Credit Suisse estima R$ 21 em 12 meses

abaixo do esperado

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem 228 mil na semana

número ficou abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam 1,1 milhão de solicitações

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements