Menu
2018-11-30T14:28:03-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Comprados e vendidos “brigam” pela formação do câmbio Ptax

Taxa a ser fechada nesta sexta-feira serve de parâmetro para liquidação dos contratos futuros e outros instrumentos cambiais e soma volatilidade ao pregão

30 de novembro de 2018
9:26 - atualizado às 14:28
Boxeador acerta adversário
Imagem: Shutterstock

O último pregão do mês no mercado de câmbio é marcado por uma tradicional disputa entre comprados, que ganham com a alta do dólar, e vendidos, que lucram com a queda da moeda americana, para formação da Ptax.

A Ptax poder ser encarada como uma “taxa de câmbio oficial”, apurada pelo Banco Central (BC) via consulta a um grupo de instituições financeiras com maior representatividade (dealers).

No último dia de negociações do mês, são feitas quatro consultas pela manhã, captando os valores praticados. O BC tira os maiores e menores valores e faz a média simples. Às 13 horas é feita a média das consultas e divulgada a Ptax do mês. Esse processo acontece diariamente, mas tem maior relevância nos fechamentos de mês.

Nesta sexta-feira, 30, a Ptax fechou aos R$ 3,863, uma alta de 0,17% em relação ao fechamento de ontem. As quatro coletas feitas no decorrer da manhã foram de R$ 3,8545 (10h12), R$ 3,8510 (11h10), R$ 3,8640 (12h09) e R$ 3,8837 (13h10). O câmbio variou de R$ 3,838 a R$ 3,886.

Com o resultado de hoje, a taxa acumulou em novembro alta de 3,92% e acumula no ano alta de 16,79%.

A Ptax serve de referência para a liquidação dos contratos futuros de dólar e outros instrumentos cambiais. E sua formação sempre enseja algum aumento de volatilidade no mercado de câmbio.

Quem compra e quem vende?

Na B3, no encerramento do pregão de quinta-feira, os estrangeiros seguiram com expressiva posição comprada de US$ 37,9 bilhões, sendo US$ 9,9 bilhões em contratos de dólar futuro, e outros US$ 28 bilhões em cupom cambial (DDI, juro em dólar no mercado local).

Na ponta de venda, os fundos de investimentos tinham posição de US$ 23,5 bilhões, dividida em US$ 10,17 bilhões em cupom cambial e US$ 13,4 bilhões em dólar futuro.

Os bancos também têm posição líquida vendida de US$ 16 bilhões, totalmente formada pelo estoque de US$ 19,3 bilhões em cupom cambial, pois eles carregam posição comprada de US$ 3,37 bilhões em dólar futuro.

Para dar uma base de comparação, no fim de outubro, o estrangeiro estava comprado em US$ 40,5 bilhões, uma das maiores posições já registadas. Enquanto bancos e fundos estavam vendidos em US$ 17,5 bilhões e US$ 25 bilhões, respectivamente.

O dólar comercial caminha para fechar o mês com valorização de 3,3%. Nos primeiros negócios desta sexta-feira, operava em queda de 0,08%, a R$ 3,85.

Atuações do Banco Central

O pregão desta sexta-feira não tem atuação do BC nem no mercado à vista nem no mercado futuro. No entanto, o BC comunicou na noite de ontem que, na segunda-feira, começará a rolagem dos contratos de swap que vencerão em janeiro de 2019. São US$ 10,4 bilhões.

Na terça e quarta-feira, o BC fez atuações no mercado à vista, provendo liquidez ao mercado que todo fim de ano passar por um aumento de demanda por dólares para remessas e fechamento de balanço de empresas. Ontem, foi feita a rolagem de linhas com compromisso de recompra que venceriam em dezembro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

negativas

Bolsonaro nega a ideia de ‘imposto do pecado’

Presidente também descartou a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas

Na bolsa

Itaú reduz participação na Qualicorp para menos de 5%

O banco passou a deter 4,95% do capital da administradora de planos de saúde coletivos após a venda das ações, que acumulam alta de mais de 200% em 12 meses

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

dados do caged

Brasil cria 644 mil empregos formais em 2019; melhor em resultado em seis anos

Resultado de dezembro, negativo em 327 mil vagas, foi dentro do esperado pelo mercado

mercados agora

Ibovespa cede à realização de lucros e opera em baixa, destoando do exterior; dólar sobe a R$ 4,17

Depois de cravar um novo recorde na sessão passada, o Ibovespa opera em queda nesta sexta-feira, com os investidores optando por embolsar parte dos lucros recentes. O dólar à vista exibe um leve viés positivo

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para você começar o dia bem informado

O Ibovespa está embalado em um bull market. O índice segue a toada de 2019 e vem batendo novos recordes este ano. Mas vale lembrar que a bolsa tem mais de 300 empresas e que dá para ganhar bem mais (ou bem menos) que o Ibovespa. A Julia Wiltgen mostra em reportagem de hoje quais os […]

com lideranças do mundo

Juan Guaidó pede ajuda ao Fórum de Davos contra Maduro

Guaidó falou sobre os males econômicos e políticos de seu país e sobre as oportunidades de investimento e prosperidade se a democracia for restaurada

dinheiro no caixa

Minerva Foods levanta R$ 1 bilhão em oferta de ações

Papéis da oferta passam a ser negociados no próximo dia 27; recursão vão para pagamento de dívidas

mudanças à vista

Plano para tributar economia digital pode ser lançado este ano, diz secretário-geral da OCDE

Projeto ainda depende de amplo acordo internacional. Mais um passo para o entendimento foi anunciado nessa quinta-feira

Esquenta dos mercados

Mercado reage à posição da OMS e ensaia dia de ganhos

A Organização Mundial da saúde afastou a possibilidade de uma emergência global causada pelo coronavírus. A notícia animou os mercados, que monitoram de perto a situação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements