Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2018-10-08T13:03:49-03:00
Exile on Wall Street

Bem-vindo ao segundo mandato Temer

Precisamos parar de perseguir o que é certo, qual a essência da verdade e da realidade nos mercados. A nós, basta ganhar dinheiro

8 de outubro de 2018
13:01 - atualizado às 13:03
Michel Temer
Presidente Michel Temer - Imagem: Marcos Corrêa/PR

A gente assistiu à final da Copa de 2002 virado. Estávamos em Porto Seguro, viagem de formatura do Ensino Médio. Acho que na época ainda era Colegial, sei lá. Um clássico.

O quarto estava uma zona. Tinha umas 25 pessoas ali. Mal conseguia identificar quem era quem. Lembro do Reboco me passando uns negócios, uma mulherada berrando no fundo, o André tomando uma bebida estranha. Eu pergunto em voz baixa, pra mim mesmo ou sei lá pra quem: “Quanto tá o jogo, hein?”.

Voltei ao planeta Terra com a galera gritando “pentacampeão”. Uns cinco minutos depois, alguém me passou o celular: “Ó, tá tocando faz tempo”. “Ah, brigado.”

“Alô.”
“E agora, hein?”
“Quem é?”
“Porra, filho, como quem é?”
(Hhhraam, aquela limpada na garganta)
“Fala pai, tudo bem?”
“Este Lula é um rabudo do caralho, hein?”
“Oooorra, muito rabudo...”

Respondi de susto. Confesso que, na época e naquela altura, não entendi nada. Não tinha como entender. Depois, fui perceber o quanto o velho tinha razão.

Liberal revertido?

Aos recém-chegados em Bolsa, vale o lembrete: o governo Lula 1 representou um dos maiores bull markets da história do mercado de capitais brasileiro. Cara, era o Lula, entendeu? Esse mesmo que está aí preso. Você acha que o Lula era reformista? Liberal convertido?

Lula foi encontrado – assim mesmo, na voz passiva – pela herança das reformas estruturantes e liberais do governo FHC, tanto em nível micro como macro, por um cenário internacional de grande calmaria, canonicamente chamado na literatura de Grande Moderação (baixa volatilidade de juros, PIB e inflação) e pela entrada da China como grande comprador de matérias-primas, que se traduziu em grande valorização das matérias-primas e ganhos de 40 por cento nos termos de troca brasileiros. Foi isso que permitiu um crescimento econômico mais vigoroso, expansão do salário mínimo acima da média e melhora do índice de Gini.

Resultado acachapante

No dia depois da eleição, somos encontrados por Jair Bolsonaro. Pra mim, o resultado foi acachapante, inclusive convergiu para aquele traçado aqui mesmo neste espaço na sexta-feira: Bolsonaro terá mais votos nas urnas do que as pesquisas sugerem e deve ficar bem próximo de ganhar no primeiro turno.

Se querem minha visão sobre o comportamento de curto prazo dos mercados como desdobramento do resultado das eleições, aqui as antecipo: alta vigorosa dos ativos de risco brasileiros – impacto brutal sobre juro longo e estatais, incluindo aqui as estaduais (Copel, Copasa, Cemig e Sanepar). A questão está praticamente decidida – a não ser que haja um daqueles cisnes bem negros, Bolsonaro está eleito. Câmbio pode buscar algo como 3,60 reais por dólar, o que pode indicar underperformance de exportadoras.

Reformas

Valorizações podem ser muito maiores do que o consenso supõe neste momento. Senado veio bem alinhado a Bolsonaro e provavelmente vamos retomar a discussão sobre a reforma da Previdência ainda neste ano – curiosamente, Bolsonaro herdará as reformas estruturantes feitas no governo Temer, da mesma forma que Lula herdou de FHC. Isso, combinado a preços de commodities interessantes, faz toda a diferença.

Agora, há um papo inteligentinho querendo dizer que os mercados exageram no otimismo com Bolsonaro, que não há a menor chance de negociação das reformas com ele e que Paulo Guedes vai logo abandonar o barco. Essa conversa pseudodescolada é, na verdade, bastante clichê. Além de Paulo Guedes, há no entorno de Bolsonaro 40 economistas, alguns com formação sólida em Chicago, realmente comprometidos e engajados com o processo.

A aprovação de reformas depende de vários fatores, incluindo questões exógenas, como o ambiente externo, a sorte, o weltanschauung, o zeitgeist do momento. O que há de concreto agora é que eliminamos por completo o risco de um cenário de cauda muito negativo, os preços dos ativos estão atrativos e vamos voltar a discutir reformas no curtíssimo prazo.

Ibovespa nos 100 mil pontos?

O que vai acontecer depois que o Ibovespa bater 100 mil pontos? Não sabemos. Neste momento, há um dinheiro na mesa para pegar. Você pode pegá-lo ou continuar se perguntando se aquele dinheiro deveria estar mesmo ali ou se vai continuar ali num segundo momento.

Enquanto o mundo se debruça para entender se Bolsonaro é ou não liberal, os mercados vão subindo. O capital não tem ideologia. Aliás, você acha mesmo que o próprio Bolsonaro está preocupado com isso? Precisamos parar de perseguir o que é certo, qual a essência da verdade e da realidade nos mercados. A nós, basta ganhar dinheiro. Não é um concurso de educação moral e cívica. Elegemos um presidente e queremos saber como isso afeta o preço dos ativos. Pela enésima vez, X não é F(X). Entender a realidade é muito mais difícil do que compreender como ela afeta o seu portfólio.

Se você ainda não entendeu a essência da coisa: hoje começou formalmente o Segundo Mandato Temer, aquela tese que dizia sobre a imposição inexorável da agenda liberal e reformista, cuja materialização tinha entre seus pilares a migração do pêndulo da esquerda para a direita – se houve um erro na antevisão, foi de ter achado que o pêndulo pararia na centro-direita; a força motriz era tão forte que o negócio passou atropelando tudo e foi mais ainda à direita. A ideia do bull market estrutural está aí. Touché!

Mercados iniciam a segunda-feira eufóricos, empurrados pelo resultado das eleições de ontem. Não há nada além disso. O resto é conversa fiada.

Ibovespa Futuro abre em alta de 5,5 por cento, dólar e juros futuros derretem.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

agora vai?

Caixa Seguridade retoma análise de oferta de ações

Empresa também pretende aderir ao Novo Mercado, segmento de mais alto padrão de governança corporativa da B3; processo havia sido interrompido no ano passado

balanço do ano

Tesouro Direto encerra 2020 com quase 1,5 milhão de investidores ativos

No último mês de dezembro, a STN registrou 67.839 novos investidores ativos. Ao todo, o Tesouro Direto possui 9,2 milhões de investidores cadastrados

balanço

Apple tem lucro de US$ 28,76 bilhões e recorde de receita no 1º trimestre fiscal

Segundo o gerente financeiro da Apple, o desempenho foi puxado por um crescimento de dois dígitos em todas as categorias de produtos da empresa

seu dinheiro na sua noite

Quando as sardinhas engolem os tubarões

Como bem disse o economista John Maynard Keynes, “os mercados podem se manter irracionais por mais tempo do que você é capaz de se manter solvente”. Isso é especialmente verdade para quem resolve apostar na queda de um ativo e o vende a descoberto. E, nos últimos dias, alguns fundos de hedge americanos sentiram isso […]

MERCADOS HOJE

Ibovespa até tenta, mas discurso de Powell deixa a bolsa no vermelho; dólar vai a R$ 5,40

Cautela com recuperação econômica em escala global levou o Ibovespa a fechar em baixa e dólar acumular uma alta de 1,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies