Menu
Felipe Miranda
Exile on Wall Street
Felipe Miranda
É sócio-fundador e CIO da Empiricus
2018-10-08T13:03:49-03:00
Exile on Wall Street

Bem-vindo ao segundo mandato Temer

Precisamos parar de perseguir o que é certo, qual a essência da verdade e da realidade nos mercados. A nós, basta ganhar dinheiro

8 de outubro de 2018
13:01 - atualizado às 13:03
Michel Temer
Presidente Michel Temer - Imagem: Marcos Corrêa/PR

A gente assistiu à final da Copa de 2002 virado. Estávamos em Porto Seguro, viagem de formatura do Ensino Médio. Acho que na época ainda era Colegial, sei lá. Um clássico.

O quarto estava uma zona. Tinha umas 25 pessoas ali. Mal conseguia identificar quem era quem. Lembro do Reboco me passando uns negócios, uma mulherada berrando no fundo, o André tomando uma bebida estranha. Eu pergunto em voz baixa, pra mim mesmo ou sei lá pra quem: “Quanto tá o jogo, hein?”.

Voltei ao planeta Terra com a galera gritando “pentacampeão”. Uns cinco minutos depois, alguém me passou o celular: “Ó, tá tocando faz tempo”. “Ah, brigado.”

“Alô.”
“E agora, hein?”
“Quem é?”
“Porra, filho, como quem é?”
(Hhhraam, aquela limpada na garganta)
“Fala pai, tudo bem?”
“Este Lula é um rabudo do caralho, hein?”
“Oooorra, muito rabudo...”

Respondi de susto. Confesso que, na época e naquela altura, não entendi nada. Não tinha como entender. Depois, fui perceber o quanto o velho tinha razão.

Liberal revertido?

Aos recém-chegados em Bolsa, vale o lembrete: o governo Lula 1 representou um dos maiores bull markets da história do mercado de capitais brasileiro. Cara, era o Lula, entendeu? Esse mesmo que está aí preso. Você acha que o Lula era reformista? Liberal convertido?

Lula foi encontrado – assim mesmo, na voz passiva – pela herança das reformas estruturantes e liberais do governo FHC, tanto em nível micro como macro, por um cenário internacional de grande calmaria, canonicamente chamado na literatura de Grande Moderação (baixa volatilidade de juros, PIB e inflação) e pela entrada da China como grande comprador de matérias-primas, que se traduziu em grande valorização das matérias-primas e ganhos de 40 por cento nos termos de troca brasileiros. Foi isso que permitiu um crescimento econômico mais vigoroso, expansão do salário mínimo acima da média e melhora do índice de Gini.

Resultado acachapante

No dia depois da eleição, somos encontrados por Jair Bolsonaro. Pra mim, o resultado foi acachapante, inclusive convergiu para aquele traçado aqui mesmo neste espaço na sexta-feira: Bolsonaro terá mais votos nas urnas do que as pesquisas sugerem e deve ficar bem próximo de ganhar no primeiro turno.

Se querem minha visão sobre o comportamento de curto prazo dos mercados como desdobramento do resultado das eleições, aqui as antecipo: alta vigorosa dos ativos de risco brasileiros – impacto brutal sobre juro longo e estatais, incluindo aqui as estaduais (Copel, Copasa, Cemig e Sanepar). A questão está praticamente decidida – a não ser que haja um daqueles cisnes bem negros, Bolsonaro está eleito. Câmbio pode buscar algo como 3,60 reais por dólar, o que pode indicar underperformance de exportadoras.

Reformas

Valorizações podem ser muito maiores do que o consenso supõe neste momento. Senado veio bem alinhado a Bolsonaro e provavelmente vamos retomar a discussão sobre a reforma da Previdência ainda neste ano – curiosamente, Bolsonaro herdará as reformas estruturantes feitas no governo Temer, da mesma forma que Lula herdou de FHC. Isso, combinado a preços de commodities interessantes, faz toda a diferença.

Agora, há um papo inteligentinho querendo dizer que os mercados exageram no otimismo com Bolsonaro, que não há a menor chance de negociação das reformas com ele e que Paulo Guedes vai logo abandonar o barco. Essa conversa pseudodescolada é, na verdade, bastante clichê. Além de Paulo Guedes, há no entorno de Bolsonaro 40 economistas, alguns com formação sólida em Chicago, realmente comprometidos e engajados com o processo.

A aprovação de reformas depende de vários fatores, incluindo questões exógenas, como o ambiente externo, a sorte, o weltanschauung, o zeitgeist do momento. O que há de concreto agora é que eliminamos por completo o risco de um cenário de cauda muito negativo, os preços dos ativos estão atrativos e vamos voltar a discutir reformas no curtíssimo prazo.

Ibovespa nos 100 mil pontos?

O que vai acontecer depois que o Ibovespa bater 100 mil pontos? Não sabemos. Neste momento, há um dinheiro na mesa para pegar. Você pode pegá-lo ou continuar se perguntando se aquele dinheiro deveria estar mesmo ali ou se vai continuar ali num segundo momento.

Enquanto o mundo se debruça para entender se Bolsonaro é ou não liberal, os mercados vão subindo. O capital não tem ideologia. Aliás, você acha mesmo que o próprio Bolsonaro está preocupado com isso? Precisamos parar de perseguir o que é certo, qual a essência da verdade e da realidade nos mercados. A nós, basta ganhar dinheiro. Não é um concurso de educação moral e cívica. Elegemos um presidente e queremos saber como isso afeta o preço dos ativos. Pela enésima vez, X não é F(X). Entender a realidade é muito mais difícil do que compreender como ela afeta o seu portfólio.

Se você ainda não entendeu a essência da coisa: hoje começou formalmente o Segundo Mandato Temer, aquela tese que dizia sobre a imposição inexorável da agenda liberal e reformista, cuja materialização tinha entre seus pilares a migração do pêndulo da esquerda para a direita – se houve um erro na antevisão, foi de ter achado que o pêndulo pararia na centro-direita; a força motriz era tão forte que o negócio passou atropelando tudo e foi mais ainda à direita. A ideia do bull market estrutural está aí. Touché!

Mercados iniciam a segunda-feira eufóricos, empurrados pelo resultado das eleições de ontem. Não há nada além disso. O resto é conversa fiada.

Ibovespa Futuro abre em alta de 5,5 por cento, dólar e juros futuros derretem.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ministro fala

Medidas contra coronavírus vão injetar R$ 750 bilhões em 3 meses, diz Paulo Guedes

Guedes afirmou que o rumor sobre uma eventual saída do governo é “conversa fiada total” e que a conta das medidas de estímulo não será paga pelas futuras gerações

fala, governo

É errado comparar medidas do governo Bolsonaro com pacote trilionário de Trump, diz secretário do Tesouro

Segundo Mansueto, diferentemente dos Estados Unidos, o Brasil tem uma rede de assistência social bastante robusta e comparável a países europeus com alto grau de bem-estar social

dados oficiais

Brasil tem 111 mortes e 3.904 casos confirmados de coronavírus, diz ministério

Perspectiva para o próximo mês é de que a epidemia aumente no Brasil, uma vez que o país está no início da curva de crescimento

crise do coronavírus

Vamos lidar com a dor econômica para minimizar a dor da doença e da morte, diz Bill Gates

Fundador da Microsoft diz que não dá para pensar em um meio termo entre isolamento e atividade econômica

efeitos da pandemia

Agronegócio registra perdas e descartes de produtos por conta do coronavírus

Segundo documento, exportadores de frutas relatam uma suspensão drástica das vendas por via aérea, já que as exportações eram feitas basicamente em porões de voos de passageiro

do otimismo ao pessimismo

XP prevê queda de quase 2% do PIB brasileiro em 2020

Análise reconhece que existe “um alto grau de incerteza” nas estimativas citadas no documento, dada a complexidade da crise atual

o melhor do seu dinheiro

MAIS LIDAS: Quem ficou na renda fixa também perdeu dinheiro com o coronavírus

Nesses dias de confinamento, tenho feito muitas chamadas telefônicas e em vídeo com amigos e familiares. As conversas vão de dicas do que fazer trancado em casa, preocupações sanitárias, avaliação política e, claro, a situação da economia e da bolsa de valores.  Um amigo me disse estar aliviado porque não investiu em ações. Antes de o […]

entrevista magazine luiza

‘Tenho feito pedidos para que não demitam’, diz Luiza Trajano

Em entrevista, presidente do conselho de administração do Maganize Luiza diz que vê empresários em pânico, mas que acredita no potencial de reinvenção diante da crise

repercussão

OAB leva campanha de Bolsonaro ao TCU e pede suspensão de contrato publicitário

Entidade pede que, durante a apuração, o TCU suspenda o contrato de R$ 4,8 milhões da Secom com uma agência de publicidade, sem licitação, formalizado esta semana

nos bastidores

Contrato suspenso terá porcentual de seguro-desemprego

Governo decidiu assegurar 100% da parcela do seguro-desemprego para os trabalhadores que forem afetados por essa interrupção

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu