Menu
2019-04-04T09:11:13-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Market Place

Magazine Luiza adquire empresas de tecnologia e abre caminho para expansão online

Para presidente da companhia, Frederico Trajano, medida representa um marco de integração dos canais digitais com os das lojas físicas

14 de dezembro de 2018
10:22 - atualizado às 9:11
Site do Magazine Luiza
Imagem: Shutterstock

O Magazine Luiza informou que adquiriu as empresas de tecnologia Softbox Sistemas de Informação, Certa Administração e Kelex Tecnologia, que oferecem soluções para companhias de varejo e indústria de bens de consumo que desejam vender digitalmente ao consumidor final.

De acordo com fato relevante, o objetivo do Magazine Luíza é ajudar na transformação de companhias analógicas de varejo em empresas digitais. A aquisição, segundo o comunicado, permitirá ao Magazine Luiza ser parceiro de varejistas e indústrias em todos os passos para a venda online - desde a chegada ao mundo do varejo digital, passando pela venda em seu marketplace, até a entrega para o cliente final, utilizando o Magalu Entregas.

De acordo com a companhia, este ciclo, conhecido como Full Commerce, marca um novo ciclo de transformação da empresa, a de "varejista multicanal para uma plataforma digital".

Evolução digital

O presidente da companhia, Frederico Trajano, disse que a empresa encerrou um ciclo de integração dos canais de loja física e e-commerce e passa a "crescer com o ativo dos outros". Com sede em Uberlândia, Minas Gerais, a Softbox ajuda varejistas a desenvolver estratégias de comércio digital.

Trajano afirmou que a empresa "tem capacidade grande de desenvolvimento de tecnologia para empresas que hoje nem podem vender no marketplace".

"Existem milhões de empresas que poderiam vender na internet e não têm condições. A Softbox vai entrar nesse 'blue ocean'. O jogo do marketplace não está ganho, é um negócio que está apenas começando", disse.

O grupo já atua no modelo de marketplace, no qual varejistas ou fabricantes negociam produtos na plataforma de e-commerce da companhia pagando uma comissão pelas vendas. Trajano considerou que hoje há uma série de empresas que poderiam ser clientes mas que precisam de apoio antes de começar a vender online.

"Deixamos de ser uma empresa digital multicanal para ser uma plataforma digital multicanal. O mundo inteiro caminha para ter plataformas, ecossistemas completos", comentou o presidente do Magazine Luiza.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tamanho menor

Zara fecha sete lojas no Brasil em plano de reorganização

O plano da empresa foi traçado em 2020 e, no Brasil, começou ainda no ano passado, com o fechamento de lojas nas cidades de Joinville (SC) e São José dos Campos (SP)

Seu Dinheiro no sábado

A única coisa que Bill Gates não pode comprar

Troca de presidente nos Estados Unidos, início da vacinação para covid no Brasil e comunicado do Banco Central com vocabulário novo. A semana que se encerra trouxe novidades importantes. É bem verdade que também teve notícia velha, daquelas que encontramos todos os dias: disputas políticas entre Jair Bolsonaro e João Dória, caos nos hospitais públicos […]

Sem dieta

McDonald’s tem planos de abrir 50 novos restaurantes na América Latina, 80% deles no Brasil

Rede pretende investir até US$ 130 milhões (R$ 690 milhões) na região e também quer reforçar o drive-thru, delivery e o aplicativo

Bilionário imunizado

Adivinha quem já foi vacinado? Bill Gates compartilha foto e diz como se sente após tomar 1ª dose

Fundador da Microsoft compartilhou foto do momento em que era vacinado e enalteceu o trabalho dos cientistas, voluntários e profissionais da saúde que trabalham no combate à pandemia

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies