Menu
2018-10-05T16:33:26-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Eleições 2018

Os 5 porquês: as razões da preferência do mercado por Bolsonaro

Como não voto em Bolsonaro e sou cético quanto à conversão dele à doutrina liberal, procurei entender as razões da adesão ao candidato. Afinal, não se trata apenas de uma preferência. Os investidores estão botando dinheiro nisso

5 de outubro de 2018
15:48 - atualizado às 16:33
Jair-Bolsonaro
Bolsonaro tem Paulo Guedes, o "Posto Ipiranga", como grande fiador da candidatura - Imagem: Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados

Se eu aprendi algo nestes longos anos de cobertura do mercado financeiro foi que os preços (quase) nunca mentem. E não pode haver sinal mais claro da preferência dos investidores por Jair Bolsonaro do que o movimento de queda do dólar e de alta da bolsa nas últimas semanas.

Em outras palavras, quando um investidor compra ações e vende dólares depois de uma pesquisa eleitoral favorável ao candidato do PSL, não se trata apenas de uma preferência. Ele está botando dinheiro nisso.

Como não sou eleitor de Bolsonaro e sou cético quanto à conversão dele à doutrina liberal, procurei entender as razões da adesão do tal mercado ao candidato. Nas últimas semanas estive com gestores de fundos que movimentam alguns bilhões e também com profissionais de bancos em busca da(s) resposta(s).

Do ponto de vista puramente ideológico, há quem condene as opiniões do candidato sobre temas como direitos humanos e minorias, e também quem considere exageradas as críticas às posições do capitão. Mas nada disso entra na conta.

Tudo o que o mercado quer saber é como a economia vai se comportar imediatamente depois das eleições. E hoje a avaliação é que ela se sairá melhor com Bolsonaro do que com o petista Fernando Haddad. E isso significa bolsa para cima e dólar em queda, pelo menos enquanto essa lua de mel durar. Os motivos variam conforme o interlocutor, por isso procurei resumi-los em cinco grandes temas:

1. Paulo Guedes

O Posto Ipiranga de Bolsonaro é o grande fiador do candidato do PSL. O anúncio antecipado de Guedes como uma espécie de “superministro” foi um gol de placa da campanha. O economista é reconhecido como um “liberal de verdade”, até mais que do que figuras respeitadas no mercado como Persio Arida, o ministro da Fazenda em um improvável governo Alckmin.

Na prática, isso significa que os investidores veem uma grande chance de que Guedes consiga, pelo menos no início, com os ventos da economia soprando a favor, imprimir uma agenda de redução do Estado. Ou seja, com menos carga tributária e melhora no ambiente de negócios para as empresas, o que tende a beneficiar as ações na bolsa.

2. Medo do PT

O mercado enxerga dois PTs distintos. O do primeiro governo Lula, que conseguiu combinar a agenda social com uma gestão fiscal responsável, e o da tenebrosa Nova Matriz Econômica, que levou a economia para o buraco na gestão de Dilma Rousseff. Os gestores com quem conversei veem Haddad como moderado e, de longe, um dos melhores quadros do partido hoje. Mas as promessas do petista de revogar medidas como o teto de gastos e a reforma trabalhista ajudaram a colocar os investidores no colo de Bolsonaro.

3. Manutenção da política econômica

A adesão a Bolsonaro não significa que o mercado tenha comprado cegamente a conversão do candidato a uma agenda liberal. Como deputado, ele sempre se posicionou contra reformas na economia. Mas os investidores que eu ouvi acreditam que a simples manutenção do curso atual da política econômica, com as medidas de ajuste propostas por Paulo Guedes, já seria melhor do que uma possível aventura com Haddad.

4. Privatizações

Reparou que as ações das empresas estatais são as que mais sobem conforme aumentam as chances de vitória de Bolsonaro? A resposta para esse movimento atende por uma palavra que soa como música para o mercado financeiro: privatizações. Paulo Guedes tem alardeado uma conta (equivocada) de que a venda das empresas estatais renderia R$ 1 trilhão para os cofres do governo. Mesmo que Bolsonaro não embarque no discurso de seu assessor econômico, os investidores acreditam que a eleição do candidato do PSL evita a possibilidade do uso político das empresas que provavelmente ocorreria em uma gestão petista.

5. Efeito manada

Os gestores de fundos com quem eu conversei geralmente respondem com um sorriso no canto do rosto quando pergunto se acreditam em uma gestão liberal de Bolsonaro. Sim, é claro que eles desconfiam. Mas como a maior parte dos investidores comprou esse Bolsonaro liberal na economia, simplesmente não dá para ficar de fora desse movimento.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Lançamento

Marfrig lança hambúrguer vegetal na rede Chicohamburger

Produto será vendido com o nome de Revolution Burger CH; hambúrguer vegetal da Marfrig já tinha sido novidade do cardápio do Burger King em 2019

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Mercados agora

Ibovespa sobe aos 115 mil pontos, atento aos sinais positivos da China; dólar avança a R$ 4,32

O Ibovespa abriu a semana em leve alta, pegando carona no bom humor externo com as medidas de estímulo adotadas pelo governo da China. Carrefour Brasil ON e Magazine Luiza ON estão entre os maiores avanços do índice

Exile on Wall Street

Você quer eliminar as perdas de seu portfólio?

Se você não está cometendo equívocos, é porque não está no seu limite, não está tentando o máximo que pode

maior desvalorização em 45 dias...

Fundos imobiliários perderam este ano R$ 3,28 milhões em valor de mercado

No total, a cesta que congrega os 131 fundos mais negociados do mercado, o Ifix, encolheu 5,15% em 2020 – em fevereiro, apesar da melhora dos últimos dias, a queda é de quase 1%

após IBC-Br

Mercado reduz projeção para alta do PIB em 2020

A atualização do número é apresentada após o próprio BC divulgar que o IBC-Br em 2019 avançou 0,89%, abaixo da previsão de analistas

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

11 notícias para começar o dia bem informado

A semana pré-carnaval promete ser intensa, com uma bateria de balanços corporativos. O dia começa com novidades vindas da Ásia sobre o coronavírus e o PIB do Japão. O Seu Dinheiro também traz um “check-up” das empresas de saúde, um segmento que ganhou relevância na bolsa nos últimos anos e que tem ações “queridinhas” dos […]

de olho no balanço

Lucro do Magazine Luiza cresce 54% e chega a R$ 921 milhões em 2019

Varejista divulgou as cifras do ano com os resultados do quarto trimestre de 2019. Entre os destaques dos últimos três meses, está novamente o e-commerce

Esquenta dos mercados

Atuação do BC chinês e agenda corporativa cheia dão força extra aos negócios

Os novos cortes nos juros pelo Banco Central chinês ajuda o mercado a balancear a notícia da queda do PIB japonês. As bolsas americanas ficam fechadas por conta de feriado

dinheiro na mão

Receita paga nesta segunda restituição do lote residual do Imposto de Renda de 2008 a 2019

Crédito bancário será feito para 116.188 contribuintes, somando mais de R$ 297 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements