Menu
2018-11-05T18:57:32-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Governo eleito

Não teremos nenhum problema com a China, diz Bolsonaro

Em entrevista, presidente eleito fala sobre China, reformas e corta a cabeça de assessor de Paulo Guedes

5 de novembro de 2018
18:46 - atualizado às 18:57
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PSL) - Imagem: Igo Estrela/Ag. Estado

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou em entrevista ao vivo à “TV Bandeirantes” que não teremos nenhum problema nas relações comerciais com a China. “Pelo contrário, nossa conversa será ampliada”, disse.

Bolsonaro respondia a questionamento sobre o tema e sobre a visita que recebeu de uma comitiva da embaixada chinesa. Segundo o presidente eleito, a conversa foi protocolar, com a participação do futuro ministro Paulo Guedes, e que o que foi transmitido é que se pretende agregar valor às exportações brasileiras. “Não podemos apenas exportar commodities”, disse.

Na semana passada, o jornal estatal "China Daily" disse que se Bolsonaro adotar a linha de Donald Trump, a economia brasileira sofrerá as consequências.

O que incomoda Bolsonaro não só com relação à China, mas com outros países, é que “todos podem comprar no Brasil, mas não o Brasil”.  Na sequência falou em possíveis vedações à compra por estrangeiros de terras agricultáveis.

“Vão matar o nosso agronegócio. Se abre para país [estrangeiro] perdemos a garantia alimentar”, disse, depois de citar a Austrália como país que proíbe a compra de terras por não residentes.

Reforma da Previdência

Bolsonaro voltou a afirmar que uma reforma feita de forma gradual pode atingir o mesmo objetivo sem colocar em risco ou levar pânico à sociedade. Ele também voltou a defender que não dá para mudar a Previdência sem levar em conta os contratos e expectativas já formadas na sociedade e que diferenças regionais e entre categorias de trabalhadores têm de ser consideradas. Não há martelo batido e Paulo Guedes concentra o assunto e puxa a orelha de um ou outro assessor quando necessário.

Desta vez, o presidente eleito não falou explicitamente que garantir idade mínima seria um bom começo como em outras ocasiões, mas disse que vai conversar com o presidente Michel Temer para tentar aproveitar “alguma reforma ou outra”. Disse ainda que se o tema da Previdência não avançar neste ano, apresenta alguma proposta no começo de 2019.

Ainda sobre Temer, com quem deve se encontrar na quarta-feira, Bolsonaro disse que o presidente está colaborando com a equipe de transição e que o puder ser feito agora “será pedido”, como evitar pautas bombas.

Empresariado e privatização

Perguntado sobre os sinais de retomada de investimentos, Bolsonaro disse que já viu a Toyota e a Havan, entre outros empresários, dizendo que vão investir. Segundo o presidente eleito, os empresários tinham preocupação com o PT e seu viés estatizante “como não levar adiante a questão da Boeing com a Embraer”.

Sobre privatizações, voltou a falar que o que importa é o modelo a ser adotado e citou o caso da Embraer e das “golden shares” do governo, que dão poder de veto em determinadas questões.

“Se confrontar, corta a cabeça”

Quase no fim da entrevista, Bolsonaro foi questionado sobre notícia do portal “UOL”, falando que o economista Marcos Cintra, que faz parte da equipe de transição, criticou a ideia de imposto único ou IVA (imposto sobre valor agregado) e defendeu um novo tipo de tributação sobre movimentação bancária. Impostos seriam aglutinados, reduzindo o custo de fiscalizar e de se declarar diversos impostos.

Em “tuite” publicado, hoje, Cintra também tocou no assunto.

Ao ser informado da notícia, Bolsonaro falou que “assessor de Guedes não quer dizer nada” e que se “confrontar, corta a cabeça”. O apresentador José Luiz Datena falou o nome de Marcos Cintra e Bolsonaro disse que já tinha falado com ele para falar somente sobre o que está acertado entre ele e Guedes. Mas que tem gente que “não pode ver lâmpada que se comporta como Mariposa, espero que a notícia não seja verdadeira”.

Bolsonaro disse ainda que “quem quer ser oposição tem que estar fora do governo”. Informado posteriormente por alguém de sua equipe sobre do que se tratava, Bolsonaro mudou o tom, disse que a notícia “é coisa do passado” e que Marcos Cintra “merece todo o respeito”.

O assunto já foi motivo de desgaste ao longo da campanha, obrigando o candidato a ter de negar diversas vezes que recriaria a CPMF, o imposto do cheque. O tema fora abordado por Paulo Guedes em palestas que realizou no período eleitoral. De fato, o futuro ministro falou na possibilidade de agregar alíquotas e simplificar a declaração e fiscalização por meio de um tributo sobre movimentação financeira.

Aliás, na entrevista a Datena, Bolsonaro já tinha falado que não tem recriação de CPMF em seu governo e que a alíquota de 0,9% que chegou a ser cogitada é uma "hipótese absurda".

"Não queremos salvar o Estado quebrando o cidadão", disse.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil registra 863 óbitos e 32.058 novos casos em 24h

Segundo Ministério da Saúde, 86,6% dos paciente estão recuperados

privatização na berlinda

Justiça de Alagoas suspende leilão para concessão de saneamento na B3

No último dia 24, a 1ª Vara da Comarca de Marechal Deodoro negou liminar ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Marechal Deodoro (SAAE), que pedia a suspensão do processo licitatório

fatia relevante

Gestora Atmos passa a deter 6,68% das ações preferenciais do Inter

Fundo passou a deter cerca de 25,3 milhões de papéis PN do Inter

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements