Menu
2018-10-29T21:02:56-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro vai tentar aprovar reforma da Previdência de Temer

Em entrevistas, presidente eleito disse que virá a Brasília e tentará aprovar reforma proposta pelo atual governo ao todo ou em partes

29 de outubro de 2018
21:02
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PSL) - Imagem: Igo Estrela/Ag. Estado

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, virá a Brasília na próxima semana para tratar da aprovação da reforma da Previdência ainda em 2018. Se não o texto completo já desenhado pelo governo Michel Temer, ao menos parte dele.

“Semana que vem estaremos em Brasília e buscaremos junto ao atual governo, Michel Temer, aprovar alguma coisa do que está em andamento, como a reforma da Previdência. Se não em um todo, em parte do que está sendo proposto porque evitaria problemas para o futuro governo”, disse Bolsonaro em entrevista à “TV Record”.

A mesma afirmação foi repetida à “Rede TV”. “Estaremos em Brasília buscando aprovar alguma coisa da reforma da Previdência”.

A fala de Bolsonaro contrasta com declarações anteriores dadas por Onyx Lorenzoni, indicado para a Casa Civil, de que a reforma de Temer era um “remendo” e seria descartada. Mas estão alinhadas ao que disse Paulo Guedes, indicado para o Ministério da Fazenda, que o primeiro grande item do corte de gastos é a reforma da Previdência.

Bolsonaro também afirmou que vai buscar evitar novas “pautas bombas”, pois o país já apresenta um déficit “monstruoso” e não podemos aumentar ainda mais o déficit público no ano que vem, “sob o risco de o Brasil entrar em colapso”.

Questionado pela “TV Record” sobre a medida do teto de gastos, Bolsonaro afirmou que a questão nem se coloca, pois já estamos com a economia deficitária e sem capacidade de investir.

“O teto de gastos, no meu entender, é importante e se puder ser aperfeiçoado será bem-vindo”, disse.

Para Bolsonaro, o que se precisa fazer é “destravar a economia”, promovendo uma desregulamentação e uma desburocratização, buscando maneiras para que os investidores e empreendedores tenham meios de gerar empregos.

Sobre a forma de negociação com o Congresso, Bolsonaro afirmou que já tem conversado com os parlamentares e grande parte deles é honesta e não quer continuar agindo na base do “toma lá, dá cá”, e que os líderes partidários agem, muitas vezes, como líderes sindicais.

“Tem pressão forte do Parlamento de só apoiar o governo agindo dessa maneira. Sabemos onde isso vai acabar. Na ineficiência do Estado e na corrupção”, disse.

De acordo com Bolsonaro, se for possível seu governo conversará sim com líderes partidários, “caso contrário vamos conversar e pedir apoio individualmente”.

Nas entrevistas, Bolsonaro também falou que estuda convidar o juiz Federal, Sergio Moro, para ocupar ou o Ministério da Justiça ou uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF).

Jornal Nacional

Em entrevista ao vivo ao “Jornal Nacional”, a agenda econômica não foi pauta. Bolsonaro voltou a dizer que vai governar para todos e que tem a Constituição como “bíblia aqui na terra”.

Bolsonaro defendeu a liberdade de imprensa, mas teceu dura críticas à “Folha de S.Paulo” a quem atribuiu mentiras descaradas, citando o caso da denúncia de contratação de empresas para envio de mensagens contrárias ao PT via “WhatsApp”.

Para os que não votaram nele, Bolsonaro disse que “estamos todos no mesmo barco” e que são sairmos da crise ética, moral e econômica que nos encontramos, “todos sentiremos as consequências”.

"Temos tudo para ser uma grande nação. Vamos evitar divisões que apareceram nos governos anteriores. Vamos tratar todos de forma igual", disse.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies