Menu
2018-10-29T21:02:56-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro vai tentar aprovar reforma da Previdência de Temer

Em entrevistas, presidente eleito disse que virá a Brasília e tentará aprovar reforma proposta pelo atual governo ao todo ou em partes

29 de outubro de 2018
21:02
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (PSL) - Imagem: Igo Estrela/Ag. Estado

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, virá a Brasília na próxima semana para tratar da aprovação da reforma da Previdência ainda em 2018. Se não o texto completo já desenhado pelo governo Michel Temer, ao menos parte dele.

“Semana que vem estaremos em Brasília e buscaremos junto ao atual governo, Michel Temer, aprovar alguma coisa do que está em andamento, como a reforma da Previdência. Se não em um todo, em parte do que está sendo proposto porque evitaria problemas para o futuro governo”, disse Bolsonaro em entrevista à “TV Record”.

A mesma afirmação foi repetida à “Rede TV”. “Estaremos em Brasília buscando aprovar alguma coisa da reforma da Previdência”.

A fala de Bolsonaro contrasta com declarações anteriores dadas por Onyx Lorenzoni, indicado para a Casa Civil, de que a reforma de Temer era um “remendo” e seria descartada. Mas estão alinhadas ao que disse Paulo Guedes, indicado para o Ministério da Fazenda, que o primeiro grande item do corte de gastos é a reforma da Previdência.

Bolsonaro também afirmou que vai buscar evitar novas “pautas bombas”, pois o país já apresenta um déficit “monstruoso” e não podemos aumentar ainda mais o déficit público no ano que vem, “sob o risco de o Brasil entrar em colapso”.

Questionado pela “TV Record” sobre a medida do teto de gastos, Bolsonaro afirmou que a questão nem se coloca, pois já estamos com a economia deficitária e sem capacidade de investir.

“O teto de gastos, no meu entender, é importante e se puder ser aperfeiçoado será bem-vindo”, disse.

Para Bolsonaro, o que se precisa fazer é “destravar a economia”, promovendo uma desregulamentação e uma desburocratização, buscando maneiras para que os investidores e empreendedores tenham meios de gerar empregos.

Sobre a forma de negociação com o Congresso, Bolsonaro afirmou que já tem conversado com os parlamentares e grande parte deles é honesta e não quer continuar agindo na base do “toma lá, dá cá”, e que os líderes partidários agem, muitas vezes, como líderes sindicais.

“Tem pressão forte do Parlamento de só apoiar o governo agindo dessa maneira. Sabemos onde isso vai acabar. Na ineficiência do Estado e na corrupção”, disse.

De acordo com Bolsonaro, se for possível seu governo conversará sim com líderes partidários, “caso contrário vamos conversar e pedir apoio individualmente”.

Nas entrevistas, Bolsonaro também falou que estuda convidar o juiz Federal, Sergio Moro, para ocupar ou o Ministério da Justiça ou uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF).

Jornal Nacional

Em entrevista ao vivo ao “Jornal Nacional”, a agenda econômica não foi pauta. Bolsonaro voltou a dizer que vai governar para todos e que tem a Constituição como “bíblia aqui na terra”.

Bolsonaro defendeu a liberdade de imprensa, mas teceu dura críticas à “Folha de S.Paulo” a quem atribuiu mentiras descaradas, citando o caso da denúncia de contratação de empresas para envio de mensagens contrárias ao PT via “WhatsApp”.

Para os que não votaram nele, Bolsonaro disse que “estamos todos no mesmo barco” e que são sairmos da crise ética, moral e econômica que nos encontramos, “todos sentiremos as consequências”.

"Temos tudo para ser uma grande nação. Vamos evitar divisões que apareceram nos governos anteriores. Vamos tratar todos de forma igual", disse.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Reflexos da crise

Empresas alegam ‘força maior’ e já pedem revisão de contratos na Justiça

Com a alegação de “força maior” ou “evento fortuito” – por conta do coronavírus -, o meio jurídico teme que os contratos sejam suspensos em um efeito dominó, com distorções em toda economia

covid-19 no radar

‘Esse é o momento de sobreviver à crise’, diz presidente do Itaú Unibanco

Segundo Candido Bracher, o mundo tem dificuldades para lidar com a crise por sua origem em um fator de saúde pública – e não no mercado financeiro, como ocorreu em 2008

diante do coronavírus

Opep+ vislumbra corte de produção de 10 milhões bpd, incluindo EUA e Brasil

Mais cedo, fontes afirmaram que a Opep+ planeja uma teleconferência na segunda-feira (06) para debater um eventual corte

efeitos da crise

PMI composto cai a 37,6 pontos em março, menor nível da série histórica

Quando acima dos cinquenta pontos, o indicador mostra melhora nas perspectivas de empresas na comparação com o mês anterior

novos ataques

‘Miséria, fome e violência’, diz Bolsonaro sobre eventual desemprego na crise

Presidente disse que “a sociedade não aguenta ficar dois, três meses parada” e que “vai quebrar tudo”

atritos entre poderes

Bolsonaro continua insistindo em tese, mas chave da equipe econômica virou, diz Maia

Presidente da Câmara disse que a gestão federal não pensou em como isolar a população idosa nas comunidades de baixa renda

Exile on Wall Street

Os fundos DI que não servem para investir a sua reserva de emergência

Quando se trata da alocação do seu portfólio, esta é a hora em que a reserva de emergência é rainha. Quem negou-se no passado a deixar dinheiro “parado” em um fundo DI, rendendo perto do CDI, talvez esteja passando aperto hoje

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

mercados agora

Ibovespa cai mais de 4% e fica abaixo de 70 mil pontos, acompanhando a cautela externa; dólar vai a R$ 5,30

Dão tom às negociações os dados de desemprego nos EUA, de atividade econômica brasileira – especialmente no setor de serviços – e a contínua instabilidade em Brasília

ACOMPANHE AQUI

HOJE, 16H: André Esteves (BTG) e Felipe Miranda (Empiricus) falam sobre as principais lições da crise

Felipe Miranda e André Esteves estarão juntos discutindo as principais lições da crise causada pela pandemia de covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements