Menu
2018-10-28T20:49:50-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro defende emprego, renda e ajuste fiscal em discurso

Presidente eleito destacou defesa da constituição, da democracia e da liberdade

28 de outubro de 2018
20:49
bolsonaro
Jair Bolsonaro é carregado durante evento de campanha - Imagem: Shutterstock

Em seu discurso da vitória, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, destacou que seu governo será defensor da constituição, da democracia e da liberdade e que essa não é uma promessa de partido, mas um juramento a Deus.

Bolsonaro fez dois discursos em curto espaço de tempo, um em rede social, e outro em rede de televisão, onde agradeceu a Deus, aos médicos que o socorreram após o atentado, ao povo e aos internautas. Foram discursos “olhando para frente”. No lado econômico, Bolsonaro falou, nesta ordem, em compromisso com emprego, renda e equilíbrio fiscal.

O discurso feito na TV mostrou um tom de moderação em comparação com as últimas manifestações. Bolsonaro destacou que a liberdade é um principio fundamental e citou diferentes “liberdades”, com a de ir e vir, de empreender, política, religiosa, de informar, de ter opinião e de ser respeitado pelas suas escolhas.

Falou, ainda, em defender um Brasil de diversas opiniões, cores e orientações, que cumpre seus deveres e leis e que as leis são para todos.

Economia e reformas

No lado econômico, reafirmou o compromisso com as reformas como forma de “criar um novo futuro”. Nessa parte falou em união nacional ao dizer que “não tem brasileiro do Sul e do Norte. Somos um só país e uma só nação democrática”.

Ao falar no Estado Democrático de Direito, reafirmou o direto a propriedade como principio fundamental e fundador de nações.

Bolsonaro falou em sair do ciclo vicioso de aumento da dívida e entrar em um ciclo virtuoso de dívida em queda, déficits cadentes e juros mais baixos. Isso, segundo o presidente eleito, vai estimular o crescimento e o emprego. Também se comprometeu em converter o déficit primário em superávit primário o mais rápido possível.

“Juntos, governo e sociedade, vamos construir um futuro melhor”, disse, emendando que para que o Brasil cresça, o governo federal dará um passo atrás, reduzindo estruturas e privilégios para que as pessoas deem um passo à frente.

“Vamos desamarrar o Brasil”, disse, ao falar de desburocratização e simplificação, buscando maior liberdade para o cidadão construir o seu futuro.

Bolsonaro também fez um aceno aos Estados e municípios ao falar em respeitar a federação, enviando diretamente recurso para os entes federados. “Colocaremos de pé a Federação brasileira. Mais Brasil e menos Brasília”, disse.

Bolsonaro dedicou parte de sua fala aos jovens, grande parte de seu eleitorado, dizendo que essa parcela da população enfrenta incerteza e estagnação e que eles estão sendo testados em sua capacidade de resistir. “Isso vai mudar. Vamos governar com olhos nas futuras gerações e não nas próximas eleições", disse.

Também falou em libertar o Brasil e o Itamaraty das relações com viés ideológico e que vai buscar relações bilaterais para agregar valor aos produtos brasileiros.

Disse que em seu governo cabem todos que “tem o mesmo projeto que o nosso” e que trabalhará para entregar um governo decente que atuará para todos os brasileiros.

“Somos um grande país e, agora, vamos junto transformar esse país em uma grande nação, livre democrática e prospera”, finalizou.

Perguntado sobre as indicações para seu governo, Bolsonaro não anunciou novos nomes, e disse que com tempo e cautela vai anunciar os nomes da equipe que “conduzirá o Brasil para um local de destaque no mundo”.

Rede Social

No discurso feito em rende social, Bolsonaro assumiu um tom mais voltado a seus apoiadores e também falou que tem condições de governabilidade e que os compromissos assumidos serão cumpridos, com cada uma das bancadas e com o povo em cada local que esteve presente

Também nessa fala, Bolsonaro comentou sobre suas condições de sua campanha “com grande parte da grande mídia, o tempo todo, criticando e me colocando em situação próxima a situação vexatória”

Segundo o candidato, o povo entendeu a “verdade” e passou a “acreditar na gente e passou a ser sim integrante de um grande exército que sabia para onde o Brasil estava marchando e clamava por mudanças. Não poderíamos mais continuar flertando com o socialismo, com o comunismo e com o populismo e com o extremismo da esquerda. Todos nós sabíamos para onde o Brasil estava indo”.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies