Menu
2018-10-28T20:49:50-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro defende emprego, renda e ajuste fiscal em discurso

Presidente eleito destacou defesa da constituição, da democracia e da liberdade

28 de outubro de 2018
20:49
bolsonaro
Jair Bolsonaro é carregado durante evento de campanha - Imagem: Shutterstock

Em seu discurso da vitória, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, destacou que seu governo será defensor da constituição, da democracia e da liberdade e que essa não é uma promessa de partido, mas um juramento a Deus.

Bolsonaro fez dois discursos em curto espaço de tempo, um em rede social, e outro em rede de televisão, onde agradeceu a Deus, aos médicos que o socorreram após o atentado, ao povo e aos internautas. Foram discursos “olhando para frente”. No lado econômico, Bolsonaro falou, nesta ordem, em compromisso com emprego, renda e equilíbrio fiscal.

O discurso feito na TV mostrou um tom de moderação em comparação com as últimas manifestações. Bolsonaro destacou que a liberdade é um principio fundamental e citou diferentes “liberdades”, com a de ir e vir, de empreender, política, religiosa, de informar, de ter opinião e de ser respeitado pelas suas escolhas.

Falou, ainda, em defender um Brasil de diversas opiniões, cores e orientações, que cumpre seus deveres e leis e que as leis são para todos.

Economia e reformas

No lado econômico, reafirmou o compromisso com as reformas como forma de “criar um novo futuro”. Nessa parte falou em união nacional ao dizer que “não tem brasileiro do Sul e do Norte. Somos um só país e uma só nação democrática”.

Ao falar no Estado Democrático de Direito, reafirmou o direto a propriedade como principio fundamental e fundador de nações.

Bolsonaro falou em sair do ciclo vicioso de aumento da dívida e entrar em um ciclo virtuoso de dívida em queda, déficits cadentes e juros mais baixos. Isso, segundo o presidente eleito, vai estimular o crescimento e o emprego. Também se comprometeu em converter o déficit primário em superávit primário o mais rápido possível.

“Juntos, governo e sociedade, vamos construir um futuro melhor”, disse, emendando que para que o Brasil cresça, o governo federal dará um passo atrás, reduzindo estruturas e privilégios para que as pessoas deem um passo à frente.

“Vamos desamarrar o Brasil”, disse, ao falar de desburocratização e simplificação, buscando maior liberdade para o cidadão construir o seu futuro.

Bolsonaro também fez um aceno aos Estados e municípios ao falar em respeitar a federação, enviando diretamente recurso para os entes federados. “Colocaremos de pé a Federação brasileira. Mais Brasil e menos Brasília”, disse.

Bolsonaro dedicou parte de sua fala aos jovens, grande parte de seu eleitorado, dizendo que essa parcela da população enfrenta incerteza e estagnação e que eles estão sendo testados em sua capacidade de resistir. “Isso vai mudar. Vamos governar com olhos nas futuras gerações e não nas próximas eleições", disse.

Também falou em libertar o Brasil e o Itamaraty das relações com viés ideológico e que vai buscar relações bilaterais para agregar valor aos produtos brasileiros.

Disse que em seu governo cabem todos que “tem o mesmo projeto que o nosso” e que trabalhará para entregar um governo decente que atuará para todos os brasileiros.

“Somos um grande país e, agora, vamos junto transformar esse país em uma grande nação, livre democrática e prospera”, finalizou.

Perguntado sobre as indicações para seu governo, Bolsonaro não anunciou novos nomes, e disse que com tempo e cautela vai anunciar os nomes da equipe que “conduzirá o Brasil para um local de destaque no mundo”.

Rede Social

No discurso feito em rende social, Bolsonaro assumiu um tom mais voltado a seus apoiadores e também falou que tem condições de governabilidade e que os compromissos assumidos serão cumpridos, com cada uma das bancadas e com o povo em cada local que esteve presente

Também nessa fala, Bolsonaro comentou sobre suas condições de sua campanha “com grande parte da grande mídia, o tempo todo, criticando e me colocando em situação próxima a situação vexatória”

Segundo o candidato, o povo entendeu a “verdade” e passou a “acreditar na gente e passou a ser sim integrante de um grande exército que sabia para onde o Brasil estava marchando e clamava por mudanças. Não poderíamos mais continuar flertando com o socialismo, com o comunismo e com o populismo e com o extremismo da esquerda. Todos nós sabíamos para onde o Brasil estava indo”.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Apertem os cintos

Segredos da bolsa: Termina mais um trimestre que valeu por um ano

Semana traz agenda intensa de indicadores tanto no Brasil quanto nos EUA; cautela e volatilidade tendem a seguir em cena

EUA X China

Trump X TikTok: empresa chinesa tenta impedir proibição de downloads

Decisão judicial pode barrar restrição, que passaria a valer a partir de meia-noite deste domingo nos Estados Unidos.

A 38 dias da eleição

Trump anuncia nomeação de Barrett para a Suprema Corte

Nomeação ainda precisa ser confirmada pelo Senado, que hoje tem maioria Republicana.

Últimos ajustes

Guedes se reúne com líder do governo na Câmara para discutir Reforma Tributária

Segundo o deputado Ricardo Barros, na segunda-feira a proposta já estará fechada para uma rodada de discussão com os líderes da base governista no Congresso.

Em 2020

Pandemia tira R$ 12 bilhões em investimentos

Investimentos públicos em infraestrutura deverão ser 10% menores em relação ao estimado antes da pandemia de covid-19.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements