Menu
2018-10-28T22:29:33-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Nova governabilidade é desafio para Bolsonaro

Prometendo não entregar cargos em troca de apoio, eleito terá de inaugurar nova forma de relação com o Congresso

28 de outubro de 2018
22:29
Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Jair Bolsonaro está legitimado pelas urnas, mas sua governabilidade se mostra complexa. Para o diretor de Relações Governamentais da Barral M Jorge Consultoria, Juliano Griebeler, a grande fragmentação do Congresso, que conta com 35 partidos, cria dificuldades para conseguir votos suficientes para aprovar reformas.

Além disso, explica Griebeler, um novo meio de governabilidade terá de ser formatado, já que o candidato afirma que sua gestão não vai funcionar como os outros governos que tivemos até aqui, quando cargos no Executivo e em estatais eram moeda de troca para apoio das bancadas em votações.

“O que Bolsonaro vai dar em troca que não seja cargo para trazer esses partidos de centro, que serão importantes nas votações?”, questiona.

Em seu discurso de vitória, Bolsonaro disse que pretende fazer um governo com indicações técnicas e isentas das indicações políticas de praxe.

Ainda sobre a questão da governabilidade, o coordenador do curso de Relações Internacionais do IBMEC e professor de Ciência Política, Adriano Gianturco, chama atenção paras promessas de Bolsonaro de reduzir o número de ministérios.

“Essa é uma promessa comum no mundo interno, mas empiricamente falando quase ninguém consegue respeitar isso”, avalia.

Segundo Gianturco, a experiência nacional e internacional mostra que o governante até consegue começar o governo reduzindo a estrutura do Executivo, mas que no decorrer do mandato, o número de Ministério volta a aumentar.

Ao longo da campanha, Bolsonaro falava em reduzir para 15 o número de ministérios. Atualmente são 29 estruturas ministeriais.

Para Griebeler, Bolsonaro tem de mostrar, agora, um plano de governo suficientemente detalhado que agrade ao mercado e a população. No caso da reforma da Previdência é preciso saber qual o modelo de reforma que ele defende e, depois, iniciar um tralhado de educação e comunicação com o Congresso e com a sociedade.

Para Griebeler, Bolsonaro não terá uma oposição grande, mas ela é consolidada. Para Gianturco, o PT não deve fazer uma oposição moderada e deve seguir radicalizando o discurso, como foi visto ao longo do segundo turno.

“Bolsonaro já sinalizou que quer fazer uma limpeza no aparelhamento do Estado. O PT vai reagir. O partido não tem a mesma força de antes, pois o dinheiro acabou, mas tem nichos importantes em universidades e sindicatos”, avalia Gianturco.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies