Menu
2018-10-28T22:29:33-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Nova governabilidade é desafio para Bolsonaro

Prometendo não entregar cargos em troca de apoio, eleito terá de inaugurar nova forma de relação com o Congresso

28 de outubro de 2018
22:29
Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Jair Bolsonaro está legitimado pelas urnas, mas sua governabilidade se mostra complexa. Para o diretor de Relações Governamentais da Barral M Jorge Consultoria, Juliano Griebeler, a grande fragmentação do Congresso, que conta com 35 partidos, cria dificuldades para conseguir votos suficientes para aprovar reformas.

Além disso, explica Griebeler, um novo meio de governabilidade terá de ser formatado, já que o candidato afirma que sua gestão não vai funcionar como os outros governos que tivemos até aqui, quando cargos no Executivo e em estatais eram moeda de troca para apoio das bancadas em votações.

“O que Bolsonaro vai dar em troca que não seja cargo para trazer esses partidos de centro, que serão importantes nas votações?”, questiona.

Em seu discurso de vitória, Bolsonaro disse que pretende fazer um governo com indicações técnicas e isentas das indicações políticas de praxe.

Ainda sobre a questão da governabilidade, o coordenador do curso de Relações Internacionais do IBMEC e professor de Ciência Política, Adriano Gianturco, chama atenção paras promessas de Bolsonaro de reduzir o número de ministérios.

“Essa é uma promessa comum no mundo interno, mas empiricamente falando quase ninguém consegue respeitar isso”, avalia.

Segundo Gianturco, a experiência nacional e internacional mostra que o governante até consegue começar o governo reduzindo a estrutura do Executivo, mas que no decorrer do mandato, o número de Ministério volta a aumentar.

Ao longo da campanha, Bolsonaro falava em reduzir para 15 o número de ministérios. Atualmente são 29 estruturas ministeriais.

Para Griebeler, Bolsonaro tem de mostrar, agora, um plano de governo suficientemente detalhado que agrade ao mercado e a população. No caso da reforma da Previdência é preciso saber qual o modelo de reforma que ele defende e, depois, iniciar um tralhado de educação e comunicação com o Congresso e com a sociedade.

Para Griebeler, Bolsonaro não terá uma oposição grande, mas ela é consolidada. Para Gianturco, o PT não deve fazer uma oposição moderada e deve seguir radicalizando o discurso, como foi visto ao longo do segundo turno.

“Bolsonaro já sinalizou que quer fazer uma limpeza no aparelhamento do Estado. O PT vai reagir. O partido não tem a mesma força de antes, pois o dinheiro acabou, mas tem nichos importantes em universidades e sindicatos”, avalia Gianturco.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

seu dinheiro na sua noite

A vingança das sardinhas

Podia ser o título de um filme de terror, mas está mais para uma história de superação. No jargão do mercado financeiro, sardinhas são os pequenos investidores — pessoas físicas como eu e você. No mar revolto da bolsa de valores, as sardinhas costumam virar presas fáceis para os grandes investidores — ou tubarões, como […]

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies