Menu
2018-10-12T12:15:50-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Caneladas e munição para o inimigo

Declarações de Bolsonaro e aliados sobre Previdência e privatizações repercutem mal

10 de outubro de 2018
10:57 - atualizado às 12:15
Jair Bolsonaro
Presidenciável Jair Bolsonaro - Imagem: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Jair Bolsonaro tem por hábito chamar de “caneladas” as declarações controversas de aliados. Mas nos últimos dias é ele mesmo que tem perpetrado os golpes, fornecendo munição ao inimigo e levantando dúvida entre apoiadores.

Dois pontos abordados por Bolsonaro no “Jornal da Band” não soaram bem entre agentes de mercado. A questão de ir mais vagarosamente com a reforma da Previdência parece contrastar com ênfase que vinha sendo dada por seu assessor econômico, Paulo Guedes.

Outro tema foi a privatização da Eletrobras, com o candidato temendo os chineses, e falando em não vender à iniciativa privada os ativos de geração. Ainda no tema energia, Bolsonaro não falou o “petróleo é nosso”, mas que o “miolo” da Petrobras é nosso sim, e que a política de preços livres nos combustíveis tem que ser revisada, já não se pode salvar a empresa e quebrar e economia.

Dando o benefício da dúvida, um gestor avalia que pode ser só um discurso político, com o candidato tentando angariar mais votos para garantir a vitória agora no segundo turno.

“Mas começo a ficar com um pouco de receio. Vai fazer um discurso para ganhar eleição e perder o voto convicto? Os ativos vão começar a olhar isso”, pondera.

Para meu amigo gringo a entrevista deixa transparecer a característica autoritária de Bolsonaro, principalmente quando ele fala que Guedes e seus ministros notáveis terão liberdade, mas que é ele é quem define metas e diretrizes.

“Ele é autoritário e age por impulso. Não me parece que o Guedes vai atura-lo por muito tempo. Isso fica claro no seu comportamento. Ele realmente não se importa com as consequências, age apenas por impulso sobre o que percebe como certo. Isso é uma boa característica para um soldado, mas não para um chefe de Estado”, disse.

Argumento com ele que pode ser apenas política no que ele me responde: “meu caro, se você que é brasileiro não tem certeza, imagine eu”. Fiquei sem resposta.

Está claro que o mercado tem preferido dar o benefício da dúvida ao capitão, acreditando na conversão do nacional desenvolvimentista em um liberal. E certamente vai continuar preferindo já que o asco ao PT é maior.

Mas as lições de liberalismo de Paulo Guedes ainda parecem restritas à página um. Quando se olha a página dois, muita gente começa a desconfiar.

Olhando mais friamente, as declarações de Bolsonaro não são grande novidade, mas tem momentos em que isso pouco importa. Essa percepção de descompasso e falta de alinhamento é “munição para o inimigo”, como diz o próprio Bolsonaro. E vai ser utilizada contra ele nos debates. Por sorte o arsenal contra PT e Haddad também é vasto.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mais uma opção

Empresa protocola na Anvisa pedido para uso emergencial da Sputnik V

Neste domingo, Anvisa se reunirá para tratar de pedidos para uso de vacinas CoronaVac e a da AstraZeneca/Oxford

Seguro obrigatório

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela Caixa

Banco agora é o responsável pela gestão dos recursos do seguro e pelo pagamento das indenizações. A medida começa a valer a partir desta segunda-feira

Sinal verde

Bolsonaro não deve mais barrar a Huawei no leilão do 5G no Brasil

Segundo fontes do Palácio do Planalto e do setor de telecomunicações, o banimento da empresa chinesa provocaria um custo bilionário com a troca dos equipamentos

Impasse

Guedes monta operação ‘apara arestas’ para manter Brandão à frente do Banco do Brasil

Por enquanto, o presidente do BB está no “limbo” na avaliação de funcionários do próprio banco, sem uma manifestação pública do presidente e de Guedes

IPO

Espaçolaser pode arrecadar até R$ 3 bilhões em estreia na B3

Maior rede de clínicas de depilação do País lançou ontem sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies