Menu
2018-10-12T12:15:50-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Caneladas e munição para o inimigo

Declarações de Bolsonaro e aliados sobre Previdência e privatizações repercutem mal

10 de outubro de 2018
10:57 - atualizado às 12:15
Jair Bolsonaro
Presidenciável Jair Bolsonaro - Imagem: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Jair Bolsonaro tem por hábito chamar de “caneladas” as declarações controversas de aliados. Mas nos últimos dias é ele mesmo que tem perpetrado os golpes, fornecendo munição ao inimigo e levantando dúvida entre apoiadores.

Dois pontos abordados por Bolsonaro no “Jornal da Band” não soaram bem entre agentes de mercado. A questão de ir mais vagarosamente com a reforma da Previdência parece contrastar com ênfase que vinha sendo dada por seu assessor econômico, Paulo Guedes.

Outro tema foi a privatização da Eletrobras, com o candidato temendo os chineses, e falando em não vender à iniciativa privada os ativos de geração. Ainda no tema energia, Bolsonaro não falou o “petróleo é nosso”, mas que o “miolo” da Petrobras é nosso sim, e que a política de preços livres nos combustíveis tem que ser revisada, já não se pode salvar a empresa e quebrar e economia.

Dando o benefício da dúvida, um gestor avalia que pode ser só um discurso político, com o candidato tentando angariar mais votos para garantir a vitória agora no segundo turno.

“Mas começo a ficar com um pouco de receio. Vai fazer um discurso para ganhar eleição e perder o voto convicto? Os ativos vão começar a olhar isso”, pondera.

Para meu amigo gringo a entrevista deixa transparecer a característica autoritária de Bolsonaro, principalmente quando ele fala que Guedes e seus ministros notáveis terão liberdade, mas que é ele é quem define metas e diretrizes.

“Ele é autoritário e age por impulso. Não me parece que o Guedes vai atura-lo por muito tempo. Isso fica claro no seu comportamento. Ele realmente não se importa com as consequências, age apenas por impulso sobre o que percebe como certo. Isso é uma boa característica para um soldado, mas não para um chefe de Estado”, disse.

Argumento com ele que pode ser apenas política no que ele me responde: “meu caro, se você que é brasileiro não tem certeza, imagine eu”. Fiquei sem resposta.

Está claro que o mercado tem preferido dar o benefício da dúvida ao capitão, acreditando na conversão do nacional desenvolvimentista em um liberal. E certamente vai continuar preferindo já que o asco ao PT é maior.

Mas as lições de liberalismo de Paulo Guedes ainda parecem restritas à página um. Quando se olha a página dois, muita gente começa a desconfiar.

Olhando mais friamente, as declarações de Bolsonaro não são grande novidade, mas tem momentos em que isso pouco importa. Essa percepção de descompasso e falta de alinhamento é “munição para o inimigo”, como diz o próprio Bolsonaro. E vai ser utilizada contra ele nos debates. Por sorte o arsenal contra PT e Haddad também é vasto.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

medida anticrise

Caixa lança site e aplicativo para auxílio emergencial; veja quem tem direito

Anúncio é uma das medidas do governo para fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do novo coronavírus

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

15 notícias para você começar o dia bem informado

O mês de março foi um banho de sangue nos mercados. Todo mundo que investe além da renda fixa perdeu dinheiro… só que não. Um levantamento feito a pedido do Seu Dinheiro mostra que 83 fundos multimercados ficaram no azul em março, enquanto o segmento teve uma queda média de 6,24%. O destaque de hoje […]

de olho no indicador

Vendas no varejo crescem 1,2% em fevereiro, diz IBGE

Houve aumento de 4,7% na comparação com fevereiro de 2019, puxado por atividades como hipermercados, móveis e eletrodomésticos e artigos de uso pessoal

cenário de crise

Embraer deve cortar salários e jornadas

Proposta apresentada pela empresa aos funcionários, na segunda-feira, 6, segundo o sindicato da categoria

Crise diplomática

Líderes do agronegócio pedem cautela no tratamento com a China

Ex-ministro da Agricultura Alysson Paolinelli se disse preocupado. “Não devemos insultar ninguém. E não podemos misturar comércio com política, precisamos de uma posição mais sadia, mais madura.”

balanço

Reservas internacionais da China atingem em março menor nível em 17 meses

Órgão regulador de câmbio da China atribuiu o recuo à forte valorização do dólar em março e a ajustes nos preços de outros ativo

Esquenta dos mercados

Desaceleração do coronavírus nos EUA e Europa traz bom humor aos negócios

Enquanto o número de casos desacelera no exterior, no Brasil os investidores ficam atentos aos números do Varejo de fevereiro e na manutenção do ministro da Saúde no cargo

alívio da ásia

Pela 1ª vez desde janeiro, China não registra mortes por covid-19

Foram notificados nesta terça-feira 32 novos casos, todos importados; número total de infectados baixou para 1.242, ontem eram 1.299

acima das estimativas de analistas

Samsung projeta alta de 2,7% no lucro do 1º trimestre

Segundo os especialistas, a mudança global para o trabalho remoto elevou a demanda por chips de memória fabricados pela Samsung que alimentam datacenters e computação em nuvem

fica no cargo

Mandetta diz que fica no cargo e pede ‘paz’ para continuar trabalho

Segundo o ministro, uma reunião desta segunda-feira com o presidente Jair Bolsonaro e outros ministros trouxe mais “união” ao governo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu