Menu
2018-12-27T16:46:48-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Ação em queda

Varejista J.C. Penney, ex-dona da Lojas Renner, vira “penny stock” nos EUA

Empresa viu suas ações serem negociadas abaixo de US$ 1 pela primeira vez desde que começaram a ser negociadas na Bolsa de Nova York, em 1929

27 de dezembro de 2018
14:41 - atualizado às 16:46
Loja da JC Penney, varejista americana
Imagem: Internet

Camisa não ganha jogo, já diz a velha máxima do futebol – e que se aplica com perfeição ao mercado financeiro. Que o diga a varejista americana J.C. Penney, que nesta semana entrou na nada honrosa categoria de "penny stock" – sem trocadilho.

A empresa que até 2005 era dona da brasileira Lojas Renner viu suas ações ficarem abaixo de US$ 1 pela primeira vez desde que começaram a ser negociadas na Bolsa de Nova York (Nyse), em 1929.

Com prejuízos sucessivos e várias trocas de presidentes, a J.C. Penney segue à risca o roteiro rito das empresas problemáticas. Só neste ano, a varejista perdeu quase 70% do valor de mercado. Mas as dificuldades da companhia vêm de muito mais tempo.

A empresa ainda é um gigante do varejo tradicional, com uma rede de 860 lojas. Mas acumula US$ 4 bilhões em dívidas e não é lucrativa desde 2010, de acordo com a CNN Business. Só no terceiro trimestre deste ano, o prejuízo da companhia foi de US$ 151 milhões.

Venda na bolsa

Na longa lista de decisões erradas tomadas pela J.C. Penney, uma delas certamente foi a venda da Lojas Renner, pelo menos quando se olha para os números. A empresa adquiriu o controle da rede de varejo de moda brasileira em 1998, mas decidiu se desfazer do negócio sete anos depois para se concentrar no mercado americano.

O modelo de saída foi inusitado para os padrões brasileiros da época. Em vez de arrumar um comprador, a J.C. Penney vendeu as ações em uma oferta na bolsa, por R$ 775 milhões. Com a operação, a Renner se tornou a primeira empresa com capital pulverizado na B3 (antiga Bovespa).

Depois de 13 anos, a situação das empresas não poderia ser mais distinta. Enquanto a Lojas Renner vale R$ 29,5 bilhões na bolsa, a ex-controladora é avaliada por aproximadamente US$ 320 milhões na Nyse (aproximadamente R$ 1,250 bilhão, nas cotações atuais do dólar).

A alternativa de venda na bolsa pode ser a solução do Pão de Açúcar para a venda de sua participação na Via Varejo, dona das Casas Bahia e Ponto Frio. O primeiro lote de venda de ações da companhia aconteceu hoje na B3 e movimentou R$ 225 milhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

PANDEMIA NO PAÍS

Covid-19: Brasil registra 863 óbitos e 32.058 novos casos em 24h

Segundo Ministério da Saúde, 86,6% dos paciente estão recuperados

privatização na berlinda

Justiça de Alagoas suspende leilão para concessão de saneamento na B3

No último dia 24, a 1ª Vara da Comarca de Marechal Deodoro negou liminar ao Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Marechal Deodoro (SAAE), que pedia a suspensão do processo licitatório

fatia relevante

Gestora Atmos passa a deter 6,68% das ações preferenciais do Inter

Fundo passou a deter cerca de 25,3 milhões de papéis PN do Inter

seu dinheiro na sua noite

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements