Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T13:50:10-03:00
Estadão Conteúdo
Inflação do aluguel

A FGV trouxe boas notícias para quem investe em imóveis para alugar

IGP-M ganhou força em setembro e ficou acima das expectativas dos analistas de mercado

27 de setembro de 2018
14:17 - atualizado às 13:50
Imóveis em São Paulo
Acumulado da inflação do aluguel nos últimos 12 meses até setembro ficou em 10,04% - Imagem: Shutterstock

A inflação do aluguel, medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), ganhou força em setembro e subiu 1,52%. O resultado divulgado nesta quinta-feira, 27, pela Fundação Getulio Vargas (FGV) fez com que o acumulado dos últimos 12 meses saltasse para 10,04%.

Os números vieram acima da projeção média de analistas consultados pelo Broadcast. Eles esperavam alta de 1,45%. Nos nove meses deste ano, o indicador acumulado registra elevação de 8,29%.

O IGP-M possui três subíndices que, juntos, compõem o indicador geral: o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M). Nesses grupos, o IPA-M acelerou de 1,00% para 2,19% entre agosto e setembro, o IPC-M acelerou de 0,05% para 0,28% e o INCC-M desacelerou de 0,30% para 0,17% no período.

Agropecuária puxa inflação pro alto

A aceleração no ritmo de alta do IGP-M em setembro foi influenciada, principalmente, pela taxa de variação do Índice de Preços ao Produtor Amplo Agropecuário (IPA Agrícola), que atingiu 2,09% em setembro após 1,60% em agosto.

Ao mesmo tempo, o IPA Industrial ganhou força, marcando 2,22% no nono mês do ano, após ter apresentado expansão de 0,80% em agosto. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 13,26% em setembro, acima do patamar de 11,66% do IGP-M verificado no mês anterior.

Os Bens Finais interromperam uma série de oito meses em retração e avançaram 1,00%. O item de maior contribuição para o movimento foi combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de 0,02% em agosto para 8,21% em setembro.

O índice relativo a Bens Finais (ex), que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou alta de 0,45%, após 0,24% no mês anterior.

Os Bens Intermediários também aceleraram, passando de 0,80% em agosto para 2,24% em setembro, com influência de subgrupo materiais e componentes para manufatura, que saiu de alta 0,35% para 1,57% em setembro.

Já as Matérias-Primas Brutas tiveram expansão de 3,53% em setembro após 2,11% no oitavo mês do ano. Os itens que mais pressionaram os preços foram: minério de ferro (3,35% para 10,49%), soja em grão (2,80% para 5,01%) e milho em grão (3,68% para 5,74%). Por outro lado, ajudaram a conter o movimento as variações em leite in natura (10,63% para -0,28%), cana-de-açúcar (0,33% para -1,39%) e mandioca/aipim (2,98% para 1,06%).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Comandante do navio

Em meio à crise econômica, Bolsonaro se isenta de culpa pela situação do país: ‘se é assim, ache um cara melhor’

Como de costume, o presidente voltou a jogar a culpa da crise nas medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos para conter o novo coronavírus

Quem não tem teto de vidro...

Governo cancela lançamento do Auxílio Brasil; veja por que o programa social fez a bolsa despencar e o dólar disparar hoje

Ainda não há uma nova data para o lançamento do programa, que levou o Ibovespa as mínimas antes do sinal vermelho para o anúncio

Juntando forças

Saiba mais sobre a Novi, carteira de criptomoedas criada pela parceria entre Facebook e Coinbase

Essa wallet ainda está em uma versão piloto, mas já está disponível para download e algumas pessoas estranharam a ausência da criptomoeda Diem

Desanimou

Prévias operacionais fracas derrubam ações da MRV; veja 3 motivos para a decepção dos investidores

Inflação dos custos de construção se refletiram em aumentos nos preços dos imóveis, impactando negativamente as operações da companhia no terceiro trimestre

GUERRA DAS MAQUININHAS NA BOLSA

Por que a Cielo (CIEL3) cai forte enquanto a Getnet (GETT11) engata mais um dia de alta expressiva no Ibovespa?

Enquanto o principal índice da bolsa cai mais de 2%, as units da Getnet avançam 23,45%, aos R$ 9,53, mesmo após terem subido mais de 65% na sessão de ontem.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies