Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-03T09:28:32-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Futuro incerto

Gafisa volta a atrasar pagamento a fornecedores e cancela lançamentos

Desde que assumiu o controle da empresa em setembro, o GWI Group, do investidor Mu Hak You, vem implementando uma reestruturação baseada em cortes de custos

13 de dezembro de 2018
7:18 - atualizado às 9:28
Gafisa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A situação da Gafisa anda de mal a pior nos últimos meses. Recentemente, a incorporadora voltou a atrasar pagamentos a fornecedores, suspendendo lançamentos e demitindo centenas de funcionários. A informação é do "Broadcast", do Estadão, desta quinta-feira, 13.

A empresa desistiu de transferir a sede de São Paulo para São Caetano do Sul, no ABC Paulista, conforme havia planejado, e continua à procura de um endereço que permita uma redução de despesas ainda mais profunda.

Desde que assumiu o comando da Gafisa, em 28 de setembro, a gestora de recursos GWI Group, do investidor Mu Hak You, que já teve passagens recheadas de polêmica pela Marfrig e pela Saraiva, vem implementando uma reestruturação baseada em cortes de custos. Para isso, destituiu o conselho de administração e a diretoria executiva, colocando seus funcionários nos postos. No entanto, algumas medidas práticas têm sido questionadas pelo mercado.

Fontes do setor questionam a experiência da GWI em construção civil. Ao frear os lançamentos, a companhia vai na contramão do mercado, que se prepara para uma retomada a partir de 2019. Concorrentes como Eztec, Even e Cyrela, por exemplo, estão se movimentando para crescer, e não para retroceder, nos próximos meses.

Imprudente recompra

Logo após assumir o comando da Gafisa, a GWI anunciou uma recompra de ações, julgando que a empresa, que vem do momento difícil do setor de construção no país, podia dispor de recursos de seu caixa não para tocar seus negócios, mas para retirar ações do mercado.

A GWI tinha 37,32% das ações da Gafisa em 21 de setembro. Dia 25 aconteceu a assembleia em que a gestora conseguiu a maioria no conselho e passou a ditar as regras na incorporadora. Conforme informações sobre seu quadro acionário atualizadas em 1 de novembro no site da B3, a GWI possuía, naquele dia, 32,07% da companhia. A fatia caiu 5,25 pontos percentuais. Não haveria problema nenhum se a empresa, em outubro, não tivesse concluído 90% de seu programa de recompra de ações.

Conforme relatório sobre a negociação de ações da empresa e que obedece a Instrução CVM 358, a quantidade de ações em tesouraria da Gafisa subiu de 1,94% para 8,98% ou 7 pontos percentuais. Em número de ações, o incremento foi de 3,150 milhões. Quando anunciou a recompra, a Gafisa informou que ela atingiria até 3,5 milhões de papéis - da comparação desses dois números, saem os 90% de conclusão da recompra. A Gafisa gastou mais de R$ 40 milhões com o programa até aqui. Dois acionistas que possuíam mais de 5% da Gafisa até antes da entrada da GWI no comando também reduziram posições em outubro.

Projetos novos

A reestruturação da GWI também cortou parte dos novos projetos imobiliários. A incorporadora tinha cinco lançamentos residenciais planejados para a cidade de São Paulo neste semestre, mas apenas dois foram realizados. Os outros três que ficaram de fora somam cerca de R$ 400 milhões em vendas. Segundo fontes, a companhia não está comprando terrenos, o que indica um enxugamento das operações para os próximos anos. O escritório do Rio também foi encerrado.

Uma das principais medidas de economia defendidas pela GWI foi cancelada. A gestora de queria transferir a sede da Gafisa de um prédio corporativo em São Paulo para um imóvel próprio em São Caetano.

Enquanto isso, o mercado olha desconfiado para a situação da incorporadora, que fechou o terceiro trimestre com R$ 194 milhões em caixa e R$ 201 milhões de dívidas com vencimento em 12 meses. Para reequilibrar as contas, a empresa precisa agilizar a entrada de recebíveis das vendas de imóveis, que totalizam R$ 1,4 bilhão.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De olho na estatal

Após novas falas de Bolsonaro sobre privatização, CVM vai investigar a Petrobras (PETR4)

A autarquia abre processo administrativos quando entende que precisa acompanhar os desdobramentos de algum assunto

ENRIQUEÇA ATÉ 2024

‘Investir muito em Bitcoin é coisa de imbecil’: estes 14 investimentos já dispararam até 1300% e têm potencial para te deixar rico

Apesar do hype das criptomoedas, existem outras ‘pechinchas exponenciais’ que estão fora do radar de muitos investidores; conheça

Um brinde

A Ambev (ABEV3) nunca vendeu tanta cerveja como no 3º trimestre. E as ações disparam na bolsa

A gigante de bebidas registrou lucro líquido de R$ 3,6 bilhões no terceiro trimestre, alta de 50% e acima do esperado pelo mercado. Hora de comprar a ação?

MERCADOS HOJE

Entre balanços positivos e nova elevação da Selic, Ibovespa opera em queda; dólar avança

Após a decisão do Copom de elevar em 1,5 ponto percentual a Selic, o mercado já espera mais para a próxima reunião. O impasse em Brasília pressiona ainda mais a curva de juros e já precifica uma alta de 1,75 p.p no próximo encontro.

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda após aumento de juros e IGP-M acima do esperado e dólar avança hoje

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies