Menu
2019-04-04T14:12:56-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Mercados

Tempestade na Eletrobras com fala de Bolsonaro faz ações zerarem ganhos pós 1º turno

Papéis da estatal na bolsa caíam mais de 12% depois que o candidato do PSL descartou privatizar a companhia

10 de outubro de 2018
14:27 - atualizado às 14:12
jair-bolsonaro
Bolsonaro descartou a privatização da Eletrobras - Imagem: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo

O tempo pode até ter fechado para o mercado nesta quarta-feira, 10, após declarações pouco animadoras de Jair Bolsonaro (PSL) sobre a economia, mas foi na Eletrobras que a tempestade caiu. Após o presidenciável ter vetado a possibilidade de privatização da estatal, as ações preferenciais e ordinárias da companhia despencaram mais de 12%.

O candidato à Presidência pelo PSL disse ontem em entrevista à TV Bandeirantes que não pretende propor projetos para privatizar o setor de geração de energia. A fala fez com que os ativos da Eletrobras praticamente zerassem os ganhos acumulados no cenário pós primeiro turno.

"A gente vai vender para qualquer capital do mundo? Você vai deixar a nossa energia na mão da China? A gente pode conversar sobre distribuição, mas sobre geração não", Jair Bolsonaro.

Kit eleição vai ladeira abaixo

Outras empresas que também são mais sensíveis aos resultados das eleições (como estatais e bancos) também tiveram seus papéis penalizados pela fala de Bolsonaro. No chamado kit eleição, a Petrobras recua de 3,84% (PN) e 4,14% (ON). Já Cemig perdia 4,03% (PN) e Copel 2,09% (PNB). Sabesp ON cedia 3,75%. Entre os bancos, Banco do Brasil ON registrava baixa de 4,03%, seguido pelos concorrentes Itaú PN (-2,53%), Bradesco PN (-2,56%) e Santander Unit (-2,97%).

Nas siderúrgicas, Usiminas PNB registrava forte queda de 5,29%, seguida por CSN ON -5,25%, Metalúrgica Gerdau PN -3,44% e Gerdau PN -2,68%.

Segundo Vitor Suzaki, analista da Lerosa Investimentos ouvido pelo Estadão Conteúdo, a maior aversão ao risco tende a atingir com mais força ações consideradas mais arriscadas. Vale ON, por sua vez, recuava 1,73%.

Reforma em passos de cágado

Os investidores também repercutem declarações do capitão sobre a reforma da Previdência. Para ele, a reforma será tratada "vagarosamente, embora depois tenha recuado dizendo que, se eleito, irá procurar a equipe de Michel Temer para fazer proposta sobre o tema "já para o corrente ano". Uma das ideias seria reduzir a idade mínima de 65 para 61.

Com tal disposição de Bolsonaro, o mercado passa por ajustes que impulsionam o dólar para mais de R$ 3,75, após a moeda americana ter acumulado perdas de mais de 8% no mês e caído na terça para R$ 3,7155, refletindo expectativas de investidores de vitória de Bolsonaro no segundo turno da eleição presidencial e de andamento das reformas.

E você leitor, o que achou das declarações do candidato do PSL sobre a economia? Deixe seu comentário aqui embaixo.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies