Menu
Luciana Seabra
Advogada do Investidor
Luciana Seabra
É CFP®, especialista em fundos de investimento e sócia da Empiricus
2019-04-20T16:27:38-03:00

Verde: excesso de pessimismo desapareceu e avanço nos preços agora depende de agenda do novo presidente

Em carta aos cotistas, equipe escreve que desenvolvimentos otimistas nos preços precisam de cenário externo mais positivo e resolução da eleição de fato, com sinalizações positivas em termos de equipe e execução de uma boa agenda fiscal e de reformas

5 de outubro de 2018
11:42 - atualizado às 16:27

O cenário que a equipe da Verde, de Luis Stuhlberger, esperava ver se desenrolar ao longo de outubro foi antecipado para a semana pré-eleição. "A grande surpresa foi que esse processo de rejeição à esquerda ocorreu de maneira muito acelerada, especialmente nos últimos dia", constatou na carta a cotistas que acaba de ser divulgada.

A Verde, que administra 26 bilhões de reais, aumentou a exposição a bolsa e reduziu as proteções do fundo ao longo de setembro ao considerar que havia um foco excessivo unidimensional na rejeição ao candidato Bolsonaro. A alta dos últimos dias, entretanto, fez a equipe voltar a olhar para o mercado de forma contida. "A eleição ainda é extremamente apertada, não podemos esquecer", escreveu. "Com os mercados nos preços atuais, parte da assimetria existente – o que considerávamos excesso de pessimismo – desapareceu", somou.

Daqui por diante, segundo a opinião expressa na carta, desenvolvimentos otimistas nos preços de ativos precisam de uma confluência de (i) cenário externo mais positivo e (ii) resolução da eleição de fato, com sinalizações positivas em termos de equipe e execução de uma boa agenda fiscal e de reformas.

Houve também vento contrário do lado global, considerou a equipe da Verde, que vinha se desenvolvendo em uma direção mais construtiva, com sinais de pico do dólar – o que é historicamente bom para emergentes. No entanto, as taxas de juros dos mercados desenvolvidos voltaram a subir de maneira importante, injetando boa dose de risco no curto prazo.

Além de ter aumentado a posição em Bolsa, aproveitando a volatilidade de setembro, a Verde manteve posições em juro real na parte intermediária da curva, as famosas NTN-Bs, com proteção em posições que ganham com o ajuste para cima nos juros americanos.

Em setembro, o Verde teve ganhos no portfólio de ações no Brasil e nas posições tomadas em juros globais. As perdas vieram das posições em juro real e cupom cambial. O saldo foi negativo: queda de 0,3%. No ano, o fundo entrega 3,55%, atrás dos 4,81% do CDI.

Desde a criação do fundo Verde, em 1997, ele rende 15.134%. Nada mal contra os 2.001% do CDI no período.

Em conversa com o Seu Dinheiro, há duas semanas, Stuhlberger revelou sua tese de investimentos com mais detalhes. Você pode ver aqui.

Para ler a carta da Verde na íntegra, siga por este caminho.

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

DIA DE DECISÃO

Mais um ‘manteu’! Federal Reserve mantém juros inalterados, mas bolsas reagem negativamente à leitura de cenário

Iniciando oficialmente a “Super Quarta”, que ainda contará com a decisão do Copom após o fechamento do mercado, o Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve (Fomc, na sigla em inglês) manteve inalterada a sua taxa básica de juros, entre 0% e 0,25% ao ano, em mais uma decisão unânime nesta quarta-feira (16). Repetindo […]

Pressão para todo lado

Comissão inicia discussões sobre a Reforma Administrativa; relator afirma que Bolsonaro precisa manifestar seu apoio

A comissão especial formada na Câmara dá hoje o pontapé inicial na discussão da reforma administrativa. A primeira reunião é cercada de forte pressão para definir a lista das categorias de Estado a serem incluídas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O crescimento desse movimento é uma das preocupações do relator do projeto, deputado […]

Matéria-prima salgada

Commodities vão inflacionar o mercado de carros, diz presidente de consórcio que reúne Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën

Além da pandemia e da falta de chips, o executivo vê com preocupação o movimento inflacionário das commodities usadas pelo setor

MERCADOS HOJE

Dólar fica abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano; confira as razões para a queda da moeda

Entrada de fluxo estrangeiro no país é acompanhada de alguns critérios técnicos e uma melhora na percepção de risco.

Ampliando investimentos

GM amplia em 75% investimentos em carros elétricos e automáticos até 2025

A projeção da empresa é de que seu Ebit fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões na primeira metade do ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies