Menu
2018-10-11T11:54:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
EUA

Um Banco Central “fofo” e “ridículo”

Presidente dos EUA, Donald Trump, segue vociferando contra o Federal Reserve por subir juro

11 de outubro de 2018
11:37 - atualizado às 11:54
Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump - Imagem: Shutterstock

Pelo segundo dia consecutivo Donald Trump ataca seu banco central, o Federal Reserve (Fed). Ontem, disse que o Fed “enlouqueceu” e agora, com sua contumaz ironia, disse que o BC “está ficando um pouco fofo demais”, antes dizer que “é ridículo o que eles estão fazendo”.

Desde julho Trump já vem demostrando sua insatisfação com a elevação de juros e tinha feito outros ataques ao BC conduzido por Jerome Powell, mas parece que a forte queda do mercado no pregão de quarta-feira, o deixou ainda mais irritado.

Na entrevista, Trump também levou o assunto para o lado pessoal, falando que ele está pagando juros mais elevados por culpa do Fed e que Powell e companhia estão cometendo um grande erro.

Pode ser que Trump esteja antevendo um arrefecimento no forte ritmo de crescimento da economia americana e já esteja em busca de eventuais culpados. O presidente americano quer juros baixos para estimular uma economia já aquecida e não mostra preocupação com o comportamento da inflação. Outra avaliação possível é que juro baixo ajudaria Trump a lidar com seu problema fiscal, pois seria incoerente subir impostos depois dos cortes que ele mesmo promoveu.

Os ataques, no entanto, não devem abalar a independência do Fed, que tem acenado a continuidade do ajuste gradual das taxas de juros. O próximo encontro do Fed será nos dias 7 e 8 de novembro. Para a reunião de dezembro, dias 18 e 19, se espera mais um aperto de 0,25 ponto percentual, elevando o juro do range atual de 2% a 2,25%.

Em entrevista após subir o juro em 26 de setembro, Powell foi questionado sobre as críticas de Trump, e afirmou que o Fed executa exclusivamente a sua missão e que “não levamos em conta fatores políticos”.

O ritmo de aperto das condições monetárias americanas é assunto relevante para a economia americana e mundial e o próprio Powell reconhece isso, ao dizer que o Fed está sendo claro e gradual no seu processo de ajuste.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CRISE PESADA

Desemprego é recorde e pode piorar

Total de postos extintos supera os 11,5 milhões e taxa de desemprego no trimestre até julho é a pior da série histórica da Pnad

esquenta dos mercados

Otimismo com novo pacote de estímulo nos Estados Unidos anima bolsas globais

No Brasil, os investidores seguem atentos ao noticiário em Brasília e nas novidades envolvendo a forma de financiamento do Renda Cidadã

DINHEIRO NO BOLSO

SulAmérica vai pagar R$ 75 milhões em JCP aos acionistas

Valores estão previstos para serem pagos a partir de 16 de abril de 2021, em uma parcela única

OFERTA NA BOLSA

Natura anuncia oferta global de ações de R$ 6,2 bilhões

Empresa quer levantar recursos para acelerar o crescimento nos próximos três anos e reduzir o endividamento em dólar

Gestão na crise

Com alta das taxas, Armor Capital vê oportunidade para entrar “aos poucos” em prefixados

Anúncio do Renda Cidadã é negativo e aumentou o risco fiscal, mas os juros não devem subir para os patamares que o mercado negocia hoje, diz Alfredo Menezes, CEO da Armor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements