Menu
2019-04-04T14:01:13-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Regulação pela CVM

O xerife do mercado está buscando recordes em 2018

Até o fim de setembro, foram julgados 58 processos sancionadores pela autarquia, contra 45 no ano passado

27 de novembro de 2018
16:54 - atualizado às 14:01
xerife
Relatório de Atividade Sancionadora do terceiro trimestre foi divulgado pela CVM nesta terça-feira - Imagem: Shutterstock

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) caminha para bater, em 2018, o recorde histórico de processos sancionadores julgados. Pelo menos essa é a expectativa do presidente da autarquia, Marcelo Barbosa, com base nos indicadores do Relatório de Atividade Sancionadora do terceiro trimestre, que foi divulgado nesta terça-feira, 27.

E a promessa tem fundamento: até o fim de setembro, foram julgados 58 processos sancionadores, contra 45 no ano passado e 65 em 2016, ano de maior número de julgamentos desde o início da série, em 2010. Outros 25 processos foram arquivados após firmado Termo de Compromisso (acordo) com os acusados. Há mais de uma dezena de julgamentos já agendados para esse ano.

O presidente da CVM destaca, porém, que o indicador não deve ser usado como uma medida de eficiência do órgão, pois pode variar em função da complexidade dos casos e também de fatores que fogem ao controle da autarquia.

"O objetivo é que não haja acúmulo de julgamentos. Mas há processos mais complexos que demandam mais tempo. Temos feito um trabalho intenso para que os processos sejam encerrados em prazos razoáveis e os números mostram que estamos no caminho certo", Marcelo Barbosa, presidente da CVM.

Mantega e Belchior na mira

Vale lembrar que, na última segunda-feira, 26, a CVM confirmou para 13 de dezembro o julgamento do processo que apura a responsabilidade dos ex-ministros Guido Mantega (Fazenda) e Miriam Belchior (Planejamento) e do ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Luciano Coutinho. Eles são acusados junto com outros cinco ex-conselheiros da Petrobras de agir contra os interesses da companhia.

Na linha de julgamentos, Barbosa afirmou que a CVM precisa ter equilíbrio para avaliar condutas como as observadas pelos ex-ministros no processo. Para ele, antes de atribuir culpa indiscriminadamente, os reguladores precisam avaliar se as companhias possuem controles para coibir as práticas ilícitas, se eles foram usados ou se alguma coisa foi feita depois de identificadas as falhas.

"Conselho e gestores são responsáveis por tudo que acontece para a companhia, mas não é possível imaginar que eles sabem de tudo o que acontece nas companhias em todos os níveis", declarou. O presidente da CVM disse ainda que é preciso garantir transparência para os acionistas, punir os culpados, mas principalmente reduzir os incentivos para atos ilícitos e melhorar os controles.

De acordo com Barbosa, outros casos de visibilidade podem ser pautados para este ano ainda. Ele não quis adiantar quais, mas a CVM acabou de rejeitar uma proposta de acordo (Termo de compromisso) da JBS e há outros casos relevantes da Petrobras já distribuídos para os diretores-relatores. A pauta atualizada, inclusive com a data do julgamento da Petrobras já confirmada pela CVM, ainda não foi publicada.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Commodities e dólar em alta turbinam lucros de exportadoras no 1º trimestre

Expectativa é de efeito positivo sobre o PIB, mas comportamento desigual das empresas de capital aberto preocupa analistas

Indústria em expansão

Brasil vive ‘boom’ de gestoras de recursos

De janeiro a março, Anbima registrou 27 novas gestoras

Pandemia

Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia

Restrição vale também para Reino Unido, Irlanda do Norte e África do Sul

Imposto de renda

Cerca de 12 milhões de pessoas ainda não enviaram declaração

Balanço foi divulgado pela Receita Federal na sexta-feira; prazo termina em 31 de maio

COLUNA DO JOJO

Como Jojo Wachsmann investiria o prêmio de R$ 1,5 milhão de Juliette, campeã do BBB21

CIO da Vitreo conta como alocaria uma carteira diversificada, segura e rentável com o prêmio do maior reality show do Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies