O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
2019-04-20T17:17:02-03:00
RETROSPECTIVA

É pavê ou é pra… O que rolou em 2018 e que mexeu com a bolsa

Eleição, Copa, Greve dos caminhoneiros… Ano foi marcado por altos e baixos nos mercados, mas terminou com saldo positivo

30 de dezembro de 2018
6:20 - atualizado às 17:17
2018 RETROSPECTIVA VIRADA
Imagem: Shutterstock

Não tem jeito, vai chegando o fim do ano e você pode ter certeza: vai ter retrospectiva na Globo, o Rei vai fazer show de fim de ano e alguém vai fazer piadinha com pavê. Aconteça o que acontecer, o Palmeiras vai continuar sem mundial e o presidente, seja ele qual for, vai mandar um indulto de Natal.

Tão certo quanto as dietas milagrosas nas primeiras semanas de janeiro, os especialistas financeiros vão te contar como foi o ano e, em algum momento, vão te dizer o que esperam para os mercados no ano seguinte.

Apesar de tentar ser relativamente original e trazer ideias novas, eu sempre fui a favor de manter tradições. Sou metódico: todos os dias calço primeiro o pé esquerdo e depois o direito, penteio o cabelo e ajeito a barba fazendo a mesma careta na frente do espelho e, ao entrar no elevador, dou aquela ajeitada na camisa fazendo precisamente os mesmos movimentos.

Alice e Malu tiram sarro, mas me orgulho de manter o traço que herdei de meu pai – minha mãe carinhosamente o apelidou de “um-dois-três-quatro”. Homens e suas manias.

Assim, não vou deixar a oportunidade passar: o ano está no fim e PRECISO te dizer o que aconteceu nos últimos 12 meses, sob o risco de minha família cair vítima de uma maldição cigana – é esse sentimento que fica toda vez que uma rotina é quebrada.

Por mais que estejamos acostumados com as esquisitices brasileiras, 2018 foi um ano para lá de maluco – teve prisão de ex-presidente e facada em candidato; no meio do caminho, greve de caminhoneiros e uma Copa do Mundo, só para deixar tudo um pouco mais interessante.

No fim, atravessamos o ano e chegamos do lado de cá vivos. Tirando, claro, aqueles que morreram pelo caminho.

O que rolou em 2018?

O ano ainda não acabou oficialmente, mas é pouco provável que alguma coisa mude dramaticamente nesses últimos dois pregões – até o fechamento do dia 28, o Ibovespa subiu 15,03%, o que por si só é um bom desempenho, mas fica ainda melhor quando comparamos com os -7,03% do S&P 500 nos EUA.

Olhando assim, até parece que o ano foi tranquilo, mas, se geralmente as coisas não são lineares no mercado brasileiro, tudo fica ainda mais emocionante num Brasil em ano de eleições – o principal índice da Bolsa chegou a acumular queda de 8,6% em 2018 (uma diferença de 22,3% entre a máxima e a mínima).

Começamos o ano bem: em 24 de janeiro, o TRF-4 não só confirmou a sentença proferida por Sergio Moro, como ampliou a pena do ex-presidente Lula – de um dos maiores líderes políticos do mundo, a nove anos de prisão. What a journey!

Com a condenação em segunda instância, Lula se tornou oficialmente inelegível e o mercado acabou por eleger Geraldo Alckmin antes mesmo do Carnaval – a festa durou bastante tempo: em dia 16 de maio, a Bolsa marcava 86,5 mil pontos, uma alta de mais de 13% contra o fechamento de 2017.

O problema é que os caminhoneiros, vindo de alguns anos difíceis para o setor, não aguentaram a alta do petróleo e pararam o país.

Teme, que depois da crise da JBS tem menos prestígio e poder político do que o cachorro da primeira-dama, se viu refém dos bloqueios nas estradas e cedeu a todas as exigências dos caminhoneiros.

O episódio expôs a fragilidade do país, custou o cargo do presidente da, então, maior empresa brasileira e acabou com qualquer tração na economia. A Bolsa foi buscar os 69,8 mil pontos em meados de junho (20% para baixo da máxima de fevereiro).

Durante a Copa e às vésperas das eleições, não havia santo que convencesse investidores a colocar dinheiro no Brasil, ainda mais enquanto o Santo tucano mantinha o discurso morno em meio a uma das eleições mais quentes da história do país.

Sem esperanças de uma arrancada de Alckmin, o mercado começou a comprar o discurso liberal de Bolsonaro, amparado na (excelente) reputação de Paulo Guedes. O crescimento de “Andrade” nas pesquisas e todo o estardalhaço petista deixaram investidores assustados e, até a definição do primeiro turno (que na prática definiu as eleições), o mercado operou em compasso de espera.

A partir de meados de setembro, o rali do capitão: a Bolsa entrou em modo bullsonaro e só parou de subir quando as coisas azedaram nos EUA e Trump resolveu comprar briga com a China e com o Fed. De meados de setembro até o comecinho de dezembro, foram 20% de alta. Os entusiastas da Bolsa lavaram a alma!

Se tem uma lição para tirar dessa bagunça toda é a soberania dos fundamentos: as luzes verdes e vermelhas piscando nas telas das mesas dos bancos e gestoras são representações (imperfeitas) de empresas.

Por trás dos números estão negócios com dados sobre vendas, margens, planos estratégicos e crescimento. Foram anos sofrendo com as bagunças da Nova Matriz. Redução de custos, racionalização da estrutura, ajuste nos serviços. Quem chegou até aqui, chegou pronto para crescer volumes e margens.

E, a despeito dos caminhoneiros, das eleições, de Lula e do Andrade, os resultados trimestrais se sobrepuseram ao barulho. Os balanços foram maiores do que os boatos.

É o ruído contra o sinal. Spoilers à parte, o sinal sempre vence!

O que teve de fundo tentando acertar o timing e, a cada mudança de “estação”, tendo que correr atrás do rabo para não ficar para trás não foi brincadeira.

Admiro muito a capacidade dos gestores de multimercado para operar câmbio e juros, mas, quando o assunto é Bolsa, eles estão longe de ser smart Money – é um tal de comprar na alta e vender na baixa...

Quem fez a lição de casa, comprou as boas empresas, teve estômago e soube esperar, fechou o ano mais do que bem – Magazine Luiza e Suzano mais do que dobraram em 2018, Cemig e B2W deram mais de 90% e Petrobras, mesmo com a situação do petróleo e a queda de Parente, deu retorno de 45% até agora.

Se você acha que é muito difícil acertar essas grandes vencedoras, vale bater um papo com o Cerize e ver como conseguiu dar mais de 100% para seus cotistas!

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOITE CRIPTO

Assombrado pela falha no protocolo Terra (LUNA), bitcoin (BTC) opera sob pressão e cai 3%; confira a reação de outras criptomoedas

A queda da Terra (LUNA) gerou uma reação em cadeia e um efeito em toda a Terra Network, a rede que engloba essa criptomoeda e a stablecoin TerraUSD (UST); entenda a história

BALANÇO

Magazine Luiza (MGLU3) deixa lucro para trás e registra prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre; confira o que derrubou o Magalu

Última das grandes varejistas da B3 a divulgar os resultados do primeiro trimestre, o Magazine Luiza (MGLU3) reforçou nesta segunda-feira (16) como o cenário macroecônimo atrapalha a vida das gigantes do comércio físico e eletrônico. A companhia registrou prejuízo líquido de R$ 161,3 milhões entre janeiro e março, contra lucro de R$ 258,6 milhões no […]

Reino Unido ameaça revisão em termos do Brexit e alimenta temores de guerra comercial; fique por dentro da visita de Boris Johnson à Irlanda do Norte

Divergências entre diferentes unionistas e nacionalistas na Irlanda do Norte pode acabar afetando relação entre Reino Unido e União Europeia

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na contramão de NY, Gol troca comandante e Tesla em apuros; confira os destaques do dia

Mesmo com o dia ruim em NY, o Ibovespa conseguiu ter um dia de ganhos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies