Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-14T14:06:48-03:00
COLUNISTA

Pequenas Ações, Grandes Negócios

Eu sou um entusiasta do mercado acionário. Você pode ser sócio de grandes negócios e de grandes ideias e ainda ganhar muito dinheiro com isso.

16 de outubro de 2018
5:19 - atualizado às 14:06
KC-390
Investir em ações é financiar ideias, como o KC-390, o cargueiro da Embraer - Imagem: shutterstock

A teoria sobre os aparelhos de ressonância magnética existe desde a década de 1950. Durante quase três décadas, acadêmicos tentaram criar o aparelho sem muito sucesso.

Só lá em meados dos anos 80, quando a GE entrou na brincadeira e estruturou um projeto de pesquisa e desenvolvimento interno, a coisa saiu do papel e virou um instrumento de diagnóstico economicamente viável.

Óbvio que Jack Welch, CEO da companhia americana à época, não autorizou o projeto por questões humanitárias – um aparelho de ressonância hoje pode custar mais de US$ 3 milhões e é importante fonte de receitas. Mas a verdade é que uma empresa não existe, ou ao menos não se mantém, se não se propuser a melhorar a vida das pessoas de alguma forma (com exceção das operadoras de TV a cabo).

As empresas precisam prestar bons serviços, entregar produtos e, de alguma forma, impactar a sociedade positivamente.

A Apple revolucionou a forma como ouvimos música com o iPod, a Amazon transformou o varejo nos EUA e os aparelhos de ressonância magnética permitem diagnósticos muito mais precoces e precisos, salvando milhares de vidas anualmente.

Investir na Bolsa te permite participar e financiar esse processo.

Quão legal é saber que você fez parte da criação do computador, ou que ajudou a Embraer a desenvolver um cargueiro militar do nível do KC-390?

Quão gratificante é ganhar com as ações da Natura sabendo que você ainda ajudou a salvar micos e golfinhos?

Investir em Itaú pode não ter ares assim tão “filantrópicos”, mas ao menos é uma forma de dar o troco e lucrar um pouco com os juros pornográficos do cartão de crédito.

Sócio de grandes ideias

Eu sou um entusiasta do mercado acionário justamente por isso – ser sócio de grandes negócios e de grandes ideias e ainda ganhar muito dinheiro com isso e me espanto muito quando amigos próximos se assustam e falam que é tudo muito arriscado.

 “Não tenho estômago pra isso, não”, sempre me diz uma amiga que trabalha há algum tempo no Itaú. Ela não tem coragem de investir em empresas como Weg, Ambev, Klabin e Ultrapar, mas não vê problema nenhum em deixar todo seu futuro financeiro atrelado ao desempenho de um único banco que, por sinal, também tem suas altas e baixas registradas na B3.

Será que não faria muito mais sentido pegar uma parte da renda mensal e dar uma “salpicada” em algumas outras boas empresas aqui e ali?

Peter Lynch, tido por muitos como o maior gestor de fundos de todos os tempos, não só apoia a causa como parte de uma premissa simples.

Seu dia a dia é uma excelente fonte de ideias – quais produtos você consome? Que tipo de serviços você admira?

O shopping que você frequenta é bem administrado, tem boas lojas e está crescendo?

Sua distribuidora de energia presta um bom serviço? Qual foi a última vez que faltou luz na sua casa?

Por que não dar uma olhada se uma dessas empresas tem ações listada em Bolsa? Será que estão baratas ou caras?

Além de um bom produto, a empresa é lucrativa? Quanto ela cresceu nos últimos anos? Será que há espaço para crescer mais no médio prazo?

Quais investimentos estão fazendo, como vão financiar essa nova etapa de crescimento?

Hoje, inclusive, dá até para acessar o mercado internacional sem muito trabalho – que tal comprar ações da Microsoft sem nem sair de casa?

Aliás, resolver problemas sem sair de casa nem precisar falar diretamente com ninguém é uma das maravilhas do mundo moderno – graças aos caras do Alphabet (também conhecida como Google) em pouco tempo todo mundo vai ter um assistente particular, sem custo algum.

Graças às maravilhosas ações, essas pequenas frações de grandes negócios, você pode ajudar a mudar o mundo e ainda ganhar muito dinheiro com isso (quem comprou ações da Google no IPO em 2004, já viu seu investimento crescer mais de 26x).

Será que é mais arriscado comprar ações da Weg, que retornaram R$ 438,5 para cada R$ 1 investido em agosto de 1994 (isso mesmo, mais de 438x o valor original), ou aplicar o seu dinheiro na poupança, que tem sofrido para bater a inflação?

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies