Menu
2019-04-20T16:54:06-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Oferta hostil

CVM nega pedido para adiar assembleia de acionistas da dona do Frango Assado e Viena

Xerife do mercado de capitais mantém reunião na quinta-feira que vai decidir sobre inclusão de “pílula de veneno” que pode inviabilizar a proposta lançada pela Sapore por 40% da IMC

11 de dezembro de 2018
20:20 - atualizado às 16:54
frango assado imc
Rede de restaurantes Frango Assado, do grupo IMC - Imagem: Divulgação

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) negou hoje o pedido de adiamento da assembleia de acionistas da IMC, dona das redes de restaurantes Frango Assado e Viena, marcada para esta quinta-feira.

A assembleia vai decidir sobre a inclusão de uma cláusula no estatuto da empresa para obrigar qualquer investidor que atingir uma participação de pelo menos 30% a fazer uma oferta a todos os acionistas, pelo mesmo preço por ação.

Esse tipo de condição estabelecida em estatuto é chamada no mercado de "poison pill" (pílula de veneno). O objetivo é dificultar a tomada do controle em companhias com o capital pulverizado na bolsa.

No caso da IMC, o propósito é claro: inviabilizar a "oferta hostil" lançada no mês passado pelo empresário Daniel Mendez, da Sapore. Depois de uma tentativa de fusão fracassada com a dona do Viena e Frango Assado, ele voltou à carga com uma oferta para comprar 40% das ações da companhia na bolsa.

Na semana passada, o conselho da IMC recomendou aos acionistas que não aderissem à oferta pública de aquisição (OPA), marcada para o dia 19 de dezembro.

O dono da Sapore oferece R$ 8,63 por ação na oferta pública de aquisição (OPA), o equivalente a quase R$ 600 milhões. No pregão de hoje, as ações da IMC fecharam em alta de 1,95%, cotadas a R$ 6,80.

Mendez já avisou que desistirá do negócio se os acionistas aprovarem a "pílula de veneno" nesta quinta-feira. Mas para aprovar a cláusula a reunião deverá contar com a presença de pelo menos dois terços dos acionistas.

O que disse a xerife

O pedido de adiamento da assembleia da IMC foi feito por Heloísa Caggiano e outros acionistas na CVM. Eles argumentaram que a eventual implementação da pílula de veneno seria uma operação complexa, e que exigiria um prazo maior para ser analisada.

Mas no entendimento da xerife do mercado de capitais, a proposta de alteração do estatuto não parece apresentar a complexidade que foi apresentada pelos minoritários. A CVM apontou ainda que esse tipo de cláusula em estatutos sociais de companhias abertas de capital pulverizado não é algo novo no mercado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Aura e Aeris: veja o que dizem os CEOs das novatas da bolsa e outras notícias que bombaram na semana no Seu Dinheiro

Novidade na praça sempre causa burburinho. Na bolsa não é diferente. É bem verdade que as opiniões divergem:Lindas!Não são lá tudo isso…Não sei, nunca ouvi falarA bolsa brasileira recebeu 43 novas integrantes em 2020 e 2021. E a fila para entrar continua a aumentar. Para você, amigo leitor, isso é excelente. São mais ações na […]

Expansão

Rede D’Or assina memorando para aquisição de hospital na Paraíba

Documento prevê que Rede detenha 51% do capital social do Hospital Nossa Senhora das Neves

Após investigação

China multa Alibaba em US$ 2,8 bilhões por prática de monopólio

Foco foi prática que força comerciantes a escolherem uma plataforma, em vez de poderem trabalhar com mais.

Efeitos da Covid

Grupo Educação Metodista se prepara para pedir recuperação judicial

Com dívidas de cerca de R$ 500 milhões e em dificuldades desde 2015, o grupo viu sua situação se deteriorar em meio à pandemia

Cessão onerosa

Petrobras: Conselho aprova acordo sobre excedentes em Sépia e Atapu

Para a área de Atapu, a participação da estatal na cessão onerosa fica em 39,5% e em Sépia de 31,3%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies