Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-10-07T22:24:00-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Eleições 2018

Bolsa deve subir para refletir “quase vitória” de Bolsonaro, diz Giufrida, da Garde

Em um cenário mais favorável ao candidato do PSL, as ações de empresas estatais e de concessionárias tendem a se beneficiar mais na bolsa, segundo o gestor

7 de outubro de 2018
22:00 - atualizado às 22:24
640px-Jair_Bolsonaro_paz_e_amor
Para gestor, chances de vitória do candidato do PSL são 95% após primeiro turno - Imagem: Wikimedia Commons

Assim como boa parte dos gestores de fundos, Marcelo Giufrida, sócio da Garde Asset Management, estava com um olho na Globo News e outro na tela do celular na noite deste domingo.

Na TV, acompanhava a apuração dos votos que colocou Jair Bolsonaro com um pé no Palácio do Planalto. E no celular checava as cotações dos ativos brasileiros negociados no exterior. Em Chicago, o dólar reagia em queda contra o real conforme os resultados saíam, negociado ao redor de R$ 3,75.

Essa deve ser a tônica dos mercados nesta segunda feira. “Os investidores devem colocar no preço amanhã uma chance maior de vitória do Bolsonaro do que na sexta-feira”, diz Giufrida, responsável pela gestão de de pouco mais de R$ 7 bilhões em fundos. Na prática, isso significa bolsa para cima e dólar em queda.

Conversei com Giufrida pelo telefone quando a apuração ainda marcava pouco mais de 47% para Bolsonaro - ele deve fechar com pouco mais de 46% dos votos. Nessa avaliação preliminar, Giufrida vê Bolsonaro com 95% de possibilidade de sair vitorioso no segundo turno das eleições.

Além de precisar converter praticamente todos os votos dos demais adversários, Haddad tem a missão de melhorar seus índices no Sudeste, onde ele provavelmente não terá palanque.

“A não ser que Bolsonaro cometa um grande erro, ele caminha apenas cumprir tabela no segundo turno”, diz o sócio da Garde.

Em um cenário mais favorável ao candidato do PSL, as ações de empresas estatais e de concessionárias tendem a se beneficiar mais na bolsa, segundo Giufrida. No melhor cenário, o mercado torce por uma privatização das empresas controladas pelo Estado, como defende Paulo Guedes, assessor econômico e provável "superministro" de Bolsonaro.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

fique por dentro

Selic hoje está em 5,25%; entenda a alta dos juros em 5 pontos

Banco Central está subindo a taxa básica de juros a quatro reuniões; a autoridade monetária já contratou mais um ajuste; entenda as razões e como ela afeta sua vida

Privatização dos correios

Câmara dá início à sessão que discute privatização dos Correios; acompanhe

A venda da estatal está prevista no Projeto de Lei 591/21, do Poder Executivo; a proposta permite a transformação dos Correios em empresa de economia mista

Alta (segura) dos papéis

Parceria com o Grupo Caoa faz ações da seguradora Wiz (WIZS3) subirem mais de 5%; confira detalhes do acordo

A empresa celebrou uma parceria comercial contratual com prazo de vigência de 12 meses com a Caoa Corretora de Seguros, por meio de sua controlada Wiz Conseg

Primeiro dia

Ação da Raízen (RAIZ4) estreia na bolsa em alta de mais de 1%

Pouco depois da abertura, porém, papel retornou para a faixa de preço do IPO; maior abertura de capital do ano na B3 movimentou R$ 6,9 bilhões

Depois dos resultados, a bonança

Opções de Petrobras disparam até 540% em 1 dia com lucro e dividendo bilionários

O lucro acima do esperado pelo mercado no segundo trimestre deste ano e a antecipação de R$ 31,6 bilhões em dividendos animaram a bolsa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies