2018-10-07T22:24:00-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Eleições 2018

Bolsa deve subir para refletir “quase vitória” de Bolsonaro, diz Giufrida, da Garde

Em um cenário mais favorável ao candidato do PSL, as ações de empresas estatais e de concessionárias tendem a se beneficiar mais na bolsa, segundo o gestor

7 de outubro de 2018
22:00 - atualizado às 22:24
640px-Jair_Bolsonaro_paz_e_amor
Para gestor, chances de vitória do candidato do PSL são 95% após primeiro turno - Imagem: Wikimedia Commons

Assim como boa parte dos gestores de fundos, Marcelo Giufrida, sócio da Garde Asset Management, estava com um olho na Globo News e outro na tela do celular na noite deste domingo.

Na TV, acompanhava a apuração dos votos que colocou Jair Bolsonaro com um pé no Palácio do Planalto. E no celular checava as cotações dos ativos brasileiros negociados no exterior. Em Chicago, o dólar reagia em queda contra o real conforme os resultados saíam, negociado ao redor de R$ 3,75.

Essa deve ser a tônica dos mercados nesta segunda feira. “Os investidores devem colocar no preço amanhã uma chance maior de vitória do Bolsonaro do que na sexta-feira”, diz Giufrida, responsável pela gestão de de pouco mais de R$ 7 bilhões em fundos. Na prática, isso significa bolsa para cima e dólar em queda.

Conversei com Giufrida pelo telefone quando a apuração ainda marcava pouco mais de 47% para Bolsonaro - ele deve fechar com pouco mais de 46% dos votos. Nessa avaliação preliminar, Giufrida vê Bolsonaro com 95% de possibilidade de sair vitorioso no segundo turno das eleições.

Além de precisar converter praticamente todos os votos dos demais adversários, Haddad tem a missão de melhorar seus índices no Sudeste, onde ele provavelmente não terá palanque.

“A não ser que Bolsonaro cometa um grande erro, ele caminha apenas cumprir tabela no segundo turno”, diz o sócio da Garde.

Em um cenário mais favorável ao candidato do PSL, as ações de empresas estatais e de concessionárias tendem a se beneficiar mais na bolsa, segundo Giufrida. No melhor cenário, o mercado torce por uma privatização das empresas controladas pelo Estado, como defende Paulo Guedes, assessor econômico e provável "superministro" de Bolsonaro.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies