Menu
2019-09-03T14:55:35+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
mais uma queda

Produção industrial cai 0,3% em julho, diz IBGE

Resultado veio bem abaixo da mediana esperada, que era positiva em 0,45%, segundo o Projeções Broadcast

3 de setembro de 2019
9:56 - atualizado às 14:55
Produção industrial
Imagem: José Patricio/Estadão Conteúdo

A produção industrial caiu 0,3% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal, divulgou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado veio bem abaixo da mediana esperada, que era positiva em 0,45%, segundo o Projeções Broadcast. A mediana foi calculada a partir do intervalo de estimativas que iam desde uma queda de 0,90% a um avanço de 1,60%.

Em relação a julho de 2018, a produção caiu 2,5%. Nessa comparação, sem ajuste, as estimativas variavam de uma queda de 5,90% a alta de 0,70%, com mediana negativa de 1,20%. No ano de 2019, a indústria teve queda de 1,7%. No acumulado em 12 meses, a produção da indústria acumulou recuo de 1,3%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Menos demanda

Nem a demanda doméstica nem o setor externo estão favorecendo o desempenho da produção industrial no País, segundo André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

"Observando algumas estatísticas que tentam mensurar o nível de estoques, alguns setores estão com níveis de estoques elevados. Pode ter ocorrido algum tipo de aceleração da produção em meses anteriores, e depois um freio de arrumação. Acaba sendo um dado importante, já que nossa demanda doméstica não tem conseguido absorver essa maior produção", acrescentou.

O pesquisador menciona como entraves ao escoamento da produção industrial o mercado de trabalho ainda em dificuldades, com elevado patamar de desempregados e subutilizados; a renda do trabalho sem crescimento; e o ambiente de incerteza adiando decisões de consumo por parte das famílias.

"(Esses fatores) Nos ajudam a entender porque a produção industrial mostra menos intensidade. Adicionalmente, tem toda uma leitura de cenário externo não favorável", disse Macedo.

11 dos 26 ramos pesquisados registraram queda em julho

Segundo o IBGE, no recuo de 0,3% da atividade industrial na passagem de junho para julho de 2019, 11 dos 26 ramos pesquisados mostraram quedas na produção.

Entre as atividades, as principais influências negativas foram em: outros produtos químicos (-2,6%), bebidas (-4,0%) e produtos alimentícios (-1,0%). Os dois primeiros têm quedas após taxas positivas em junho (0,9% e 1,5%, respectivamente); já o setor de produtos alimentícios apontou o terceiro mês seguido de queda, acumulando perda de 3,3% nesse período.

Outras contribuições negativas relevantes foram: equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-3,3%, eliminando o avanço de 0,8% do mês anterior) e de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-2,6%, acumulando perda de 4,6% em dois meses consecutivos de recuo).

Por outro lado, ainda de acordo com o IBGE, entre os 15 ramos que ampliaram a produção, o desempenho de maior importância foi registrado por indústrias extrativas, que cresceu 6,0%, terceira taxa positiva consecutiva, acumulando, assim, expansão de 18,5% nesse período. Esses resultados positivos interromperam quatro meses seguidos de queda na produção, período em que acumulou redução de 24,5%.

Média móvel trimestral varia -0,4%

O IBGE informa que, ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral mostrou variação de -0,4% no trimestre encerrado em julho de 2019 e manteve a trajetória predominantemente descendente iniciada em agosto de 2018.

Entre as grandes categorias econômicas, bens de consumo duráveis (-0,7%) teve o recuo mais elevado e interrompeu o comportamento positivo presente desde fevereiro de 2019, quando acumulou expansão de 4,8%.

Produção industrial recua 2,5% em relação a julho de 2018

Na comparação com julho de 2018, segundo o IBGE, a indústria caiu 2,5%, com resultados negativos em uma das quatro grandes categorias econômicas, 15 dos 26 ramos, 48 dos 79 grupos e 54,3% dos 805 produtos pesquisados. Julho de 2019 (23 dias) teve um dia útil a mais do que julho de 2018 (22).

Entre as atividades, indústrias extrativas (-8,8%) exerceu a maior influência negativa, seguida pelos ramos de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-5,9%).

Bens intermediários (-5,4%) assinalou a única queda entre as grandes categorias econômicas. Por outro lado, bens de capital (6,6%) apontou o maior crescimento nesse mês, enquanto bens de consumo semi e não-duráveis (1,7%) e de bens de consumo duráveis (1,0%) mostraram avanços mais moderados.

Indústria recua 1,7% no acumulado do ano

O setor industrial teve quedas em uma das quatro grandes categorias econômicas, 14 dos 26 ramos, 43 dos 79 grupos e 53,3% dos 805 produtos pesquisados. Entre as atividades, indústrias extrativas (-12,1%) exerceu a maior influência negativa, pressionada, em grande medida, pelo minério de ferro, diz o IBGE.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Epidemia na Ásia

Coreia do Sul inicia abate de porcos após confirmação de febre suína

Cerca de 4 mil porcos de três fazendas da região afetada serão abatidos ainda nesta terça. Também haverá um esforço de limpeza em outras unidades produtivas das cercanias

não é bem assim...

Oi diz que desconhece interesse da Telefônica, após reportagem

Companhia encaminhou um ofício para a B3; reportagem dizia que tele espanhola estaria interessada nos ativos da companhia brasileira – em especial, nas redes de telefonia e dados móveis, que integram as tecnologias 3G e 4G

A bula do mercado

Ataques na Arábia Saudita impõem incerteza aos mercados

Analistas ainda tentam determinar os efeitos do incidente ocorrido no final de semana sobre o petróleo

Entrevista

Esqueça Brasília, quem dita o rumo do Brasil e do mundo é a China, diz Volpon do UBS

Em livro recém-lançado, economista do UBS e ex-diretor do BC, Tony Volpon, também nos conta que a crise financeira não foi culpa dos homens de olhos azuis nem da tal ganância dos mercados

Entrevista

Bolsonaro: Petrobras não deve mudar o preço dos combustíveis

Presidente falou que tendência é seguir preço internacional, mas que como movimento é atípico, Petrobras manterá preços. CPMF saiu de vez dos planos

Jogando para o mercado

Infraero: venda de fatia em 4 aeroportos deve ocorrer em 2020

Companhia está em fase de contratação da consultoria que fará a avaliação dos ativos para colocá-los no mercado

Seu Dinheiro na sua noite

Um evento pode mudar tudo (ou não)

Se você tivesse a oportunidade de perguntar a qualquer analista de mercado na última sexta-feira o que esperar para os preços do petróleo, ele provavelmente responderia “queda”. Havia de fato todas as razões para acreditar na baixa. A guerra comercial entre Estados Unidos e China, o risco de recessão da economia internacional e o excesso […]

Pagando as contas

Tesouro diz que União honrou R$ 633,71 milhões em dívidas de GO, MG, RJ e RN em agosto

Nos primeiros oito meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,252 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União desses quatro Estados

No Oriente Médio

Ataque pode ser considerado um ’11 de setembro’ no petróleo, diz diretor da ANP

Ao fazer a declaração via redes sociais, Décio Oddone levou em consideração o risco ao mercado de petróleo

Será que vinga?

Papéis da Cielo fecham com alta de 6%, após notícia de conversas com a rival Stone

As ações da Stone, que são negociadas na Nasdaq, também foram impactadas positivamente. Os papéis da companhia terminaram o dia cotados em US$ 33.49, com uma alta de 1,82%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements