Menu
2019-03-21T15:03:33+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Clima pesou

Presidente da CCJ faz alerta e diz que governo precisa chamar a base e montar estratégia para Previdência

“Tenho ouvido de todos os membros e líderes que eles querem decantar os últimos acontecimentos políticos, a vinda da reforma dos militares. Isso gerou expectativas a mais e, agora, eles querem analisar o texto”, afirmou

21 de março de 2019
15:03
Felipe Francischini, presidente da CCJ
Felipe Francischini - Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O clima pesou na CCJ. Após cancelar o anúncio do relator da Nova Previdência, o presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), Felipe Francischini, afirmou que o início da discussão da proposta na Casa depende do governo se organizar para montar uma estratégia de atuação na Câmara. Francischini disse ainda que a vinda do ministro da Economia, Paulo Guedes, na terça-feira (26) às 14h, deve ajudar esclarecer dúvidas existentes entre os membros da CCJ.

"Tenho ouvido de todos os membros e líderes que eles querem decantar os últimos acontecimentos políticos, a vinda da reforma dos militares. Isso gerou expectativas a mais e, agora, eles querem analisar o texto", afirmou.

Dentro da CCJ ainda não há um líder do governo indicado para conduzir as negociações com a base, oposição e independentes. "Então, é uma série de fatores que os membros têm me pedido para que possamos analisar o projeto, debater mais um pouco, até mesmo porque eles, o governo, têm falado muito da questão da celeridade. Não parece que há hoje um indício de o governo querer essa celeridade tão grande, falta debater com os deputados e essa questão tem de ser feita até semana que vem. Há uma série de coisas que precisam ocorrer para termos estabilidade política dentro da CCJ. Eu acredito que essa semana tanto governo como a oposição possam se organizar e montar realmente suas estratégicas dentro da comissão."

Questionado se o cronograma poderia ser afetado, o presidente da CCJ afirmou que não. "Tudo é possível, agora depende muito do governo. Eles precisam chamar os deputados de sua base para montar uma estratégia na CCJ. Eu sou presidente e vou pautar tudo o que estiver ao meu alcance. Me cabe presidir, não sou líder do governo, não tenho essa função, e vou agir institucionalmente".

Na quarta-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou a interlocução do governo com o Congresso. Nas últimas semanas, os principais líderes da Casa têm demonstrado insatisfação pública com a atual articulação no legislativo. Entre os membros da CCJ, o clima é de paralisia. De acordo com parlamentares governistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast, não há como iniciar a tramitação da pauta econômica enquanto o governo não organizar a base.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

AIRBNB

“Não vamos aceitar alegações de concorrência desleal”, diz Leonardo Tristão

No ano passado, o impacto econômico do serviço – que inclui refeições, passeios e outros gastos que os turistas fazem além da hospedagem – foi de R$7,7 bilhões, alta de 92% em relação a 2017

SÃO OS NEGÓCIOS

Influenciadores dão “jeitinho” após fim da contagem de curtidas no Instagram

A rede começou a esconder o número de curtidas em fotos no Brasil. Agora, cada pessoa só acessa os próprios números – uma forma, diz o Instagram, de reduzir o impacto à saúde mental

A FONTE DO PROBLEMA

“Desigualdade tem de ser combatida no imposto de renda”, diz Orair

No primeiro trimestre deste ano, a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros atingiu seu maior nível em pelo menos sete anos

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements