Menu
2019-04-04T13:56:01+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Risk-On

Para gestores, reforma da Previdência é aprovada em 2019 e Brasil recupera grau de investimento

Pesquisa do Bank of America Merrill Lynch também mostra otimismo com alta do Ibovespa e avaliação de dólar abaixo de R$ 3,60 no fim de 2019. Pesquisa global, no entanto, fala em estagnação e menores lucros corporativos

16 de janeiro de 2019
11:30 - atualizado às 13:56
Bull-Bovespa touro
Imagem: Andrei Morais / Montagem/Shutterstock

O Bank of America Merrill Lynch apresentou uma nova rodada de sua pesquisa com gestores e o título diz: “Brasil: hora de brilhar”. Para 91% dos pesquisados, a reforma da Previdência será aprovada neste ano e 85% deles acreditam que o Brasil reconquistará a classificação de grau de investimento.

A pesquisa feita com gestores da América Latina também mostra que o momento é de “risk-on”. A exposição aos ativos de risco é a maior já registrada pela sondagem, com mais de um terço dos gestores com posições “acima do normal”.

Já o volume de dinheiro em caixa e o número de investidores fazendo hedge (proteção) contra uma queda acentuada no mercado de ações está no menor patamar desde o início da pesquisa. O banco nota que há uma retoma de otimismo inclusive com relação à Argentina, o que também é boa notícia para o Brasil.

Reformas

Com relação à reforma da Previdência, 91% dos participantes, percentual recorde, acreditam em aprovação ainda em 2019 (contra 83% da pesquisa anterior). E para 30%, essa aprovação ocorrerá ainda no primeiro semestre.

Ainda de acordo com a sondagem, as reformas são o elemento mais esperado para os investidores adotarem uma postura ainda mais positiva como relação ao Brasil, fator mais mencionado do que o “crescimento econômico”.

Ibovespa e câmbio

Para 90% dos investidores, o Ibovespa, principal índice do mercado de ações brasileiro, encerra o ano acima do patamar atual (ao redor dos 95 mil pontos). Na sondagem anterior, o percentual era de 65%. No câmbio, 30% dos pesquisados acreditam que a taxa de câmbio fecha o ano abaixo de R$ 3,60.

Retomando o grau de investimento

Os gestores também estão mais otimistas com o Brasil em comparação com o México. O banco questionou os participantes se o Brasil vai reconquistar a classificação de grau de investimento, perdida em 2015, e se e quando o México perderá o seu “investment grade”.

Para 85%, o Brasil tem chance de ganhar, novamente, o selo de bom pagador dado pelas agências de classificação de risco, mas sem prazo definido. Para 60%, essa retomada vai acontecer durante o governo de Jair Bolsonaro. Apenas 6% não acreditam nessa possibilidade em um futuro previsível.

Com relação ao México, as opiniões estão um pouco mais divididas, já que 41% dos gestores acreditam que o país vai perder seu grau de investimento, 32% afirmam que o país vai manter a nota de bom pagador e 27% “não sabem”.

Onde está o risco

O principal risco permanece no cenário externo. Os quesitos China/commodities ficou com 42% das indicações (31% na pesquisa anterior). Preocupações com um eventual fortalecimento do dólar e guerra comercial recuaram um pouco.

Segundo a pesquisa, essa preocupação com commodities aliada à expectativa de recuperação do Brasil resulta em uma rotação da exposição para o setor de consumo, com 44% dos gestores como posição acima da média “overweight” em consumo (33% no mês passado). Houve queda no “overweight” de finanças e materiais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Pesquisa global mostra pessimismo

Se o cenário é brilhante para o Brasil, a pesquisa global do BofA Merrill Lynch é pouco animadora, falando em um “crash macro” e um retorno à estagnação secular.

"Os investidores permanecem pessimistas, com expectativas de crescimento e lucros despencando neste mês”, diz o chefe de estratégia da instituição, Michael Hartnett, em comunicado.

Ainda assim, ponderou Hartnett, o diagnóstico deles é de estagnação e não de recessão, já que os gestores de fundos estão colocando no preço um Federal Reserve (Fed, banco central americano) mais moderado (dove) e um curva de juros mais inclinada.

As expectativas para o Produto Interno Bruto (PIB) global continuaram caindo, com 60% dos pesquisados acreditando em enfraquecimento do crescimento mundial nos próximos 12 meses, pior avaliação desde julho de 2008.

Mas apenas 14% dos gestores acreditam em uma recessão global em 2019. Os investidores estão falando em uma "estagnação secular" nos próximos dois a três trimestres.

Empresas

A preocupação dos investidores com o ciclo de crédito continua aumentando, com 48% deles avaliando os balanços corporativos como sobre alavancados (overleveraged).

Pela primeira vez desde 2009, a alavancagem corporativa é a maior preocupação entre os gestores, com metade deles preferindo que as empresas usem dinheiro para melhorar a composição dos balanços em detrimento a investimentos (39%) e retorno aos acionistas (13%).

Já a perspectiva para os lucros é o pior desde 2008, com 52% dos participantes falando em piora dos resultados no próximo ano. Tal resultado marca uma forte reversão de expectativas, pois há 12 meses, a perspectiva era de aumento dos lucros para 39% dos pesquisados.

Riscos

Pelo oitavo mês consecutivo, o maior risco citado pelos gestores globais foi a guerra comercial (27%). Na sequência, aparecem o “quantitative tightening”, redução do balanço dos bancos centrais, e uma desaceleração da China, ambos com 21%.

Entre os negócios mais “congestionados” (crowded trade), que concentram um grande volume de agentes de mercado com posições semelhantes, aparecem a posição comprada em dólar (21%) e em ações das FAANG+BAT, grupo formado por Facebook, Amazon, Apple, Netflix, Alphabet (Google), Baidu, and Tencent. Outro “crowded trade” é a posição vendida em mercados emergentes (17%).

A pesquisa foi realizada entre os dias 4 e 10 de janeiro e teve participação total de 234 respondentes que são responsáveis por US$ 645 bilhões em ativos sob gestão. Nas pesquisas regionais, como a do Brasil, foram 119 participantes, com US$ 282 bilhões sob gestão. Na pesquisa global foram 177 entrevistas com responsáveis por US$ 494 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Apoio declarado

Em podcast, Maia diz que decisão do governo de transferir Coaf para BC é boa

Presidente da Câmara afirmou também que a Casa irá discutir a proposta de autonomia do Banco Central

Seu Dinheiro na sua noite

Belo, recatado e dólar

Foi Edmar Bacha, um dos criadores do Plano Real, quem ensinou a jamais fazer previsões sobre o dólar. É dele a conhecida frase de que a taxa de câmbio foi criada por Deus apenas para humilhar os economistas. Hoje foi um típico dia de humilhação para quem acompanha o mercado financeiro. Mesmo com o noticiário […]

Google e Facebook na mira

Procuradores dos EUA preparam investigação antitruste de gigantes de tecnologia

Investigações devem se concentrar no uso de algumas plataformas de tecnologia dominantes para ofuscar a concorrência

Dança das cadeiras

Receita confirma substituição do subsecretário-geral João Paulo Ramos Fachada

Servidor de carreira, Fachada era o número dois da Receita e é, na prática, o responsável pela gestão do dia a dia do Fisco

Agilidade

Líder do governo defende votar reforma tributária em 45 dias no Senado

Se executado, o prazo coincidiria com a tramitação da reforma da Previdência na Casa

Grupo das aéreas

Avianca Brasil deixará Star Alliance em setembro

Com o movimento, a rede global de companhias aéreas não terá mais empresas brasileiras entre seus membros

Enquanto isso, no Congresso...

Projeto de Lei que reduz para 1% royalties de campos de petróleo marginais avança no Congresso

PL 4663/2016, de autoria de Beto Rosado (Progressista/RN) propõe cortar de 10% para 1% o royalty sobre a produção de campos marginais

BR Distribuidora na conta

Postos ‘bandeira branca’ ganham força e geração de caixa de gigantes de distribuição decepcionam no 2º tri

No centro do problema, as gigantes do setor BR Distribuidora, Raízen Combustíveis e Ipiranga apontaram um vilão em comum: a crise econômica

Expectativas

Vice-presidente da Toyota Brasil diz que venda direta deve chegar a 50% no país em 2019

Vendas diretas são como o setor chama os veículos vendidos pelas montadoras diretamente para os clientes

Comércio com o exterior

Balança comercial tem superávit de US$ 701 milhões na terceira semana de agosto

Em agosto, o superávit acumulado é de US$ 1,222 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 29,697 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements