Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Risk-On

Para gestores, reforma da Previdência é aprovada em 2019 e Brasil recupera grau de investimento

Pesquisa do Bank of America Merrill Lynch também mostra otimismo com alta do Ibovespa e avaliação de dólar abaixo de R$ 3,60 no fim de 2019. Pesquisa global, no entanto, fala em estagnação e menores lucros corporativos

16 de janeiro de 2019
11:30 - atualizado às 13:56
Bull-Bovespa touro
Imagem: Andrei Morais / Montagem/Shutterstock

O Bank of America Merrill Lynch apresentou uma nova rodada de sua pesquisa com gestores e o título diz: “Brasil: hora de brilhar”. Para 91% dos pesquisados, a reforma da Previdência será aprovada neste ano e 85% deles acreditam que o Brasil reconquistará a classificação de grau de investimento.

A pesquisa feita com gestores da América Latina também mostra que o momento é de “risk-on”. A exposição aos ativos de risco é a maior já registrada pela sondagem, com mais de um terço dos gestores com posições “acima do normal”.

Já o volume de dinheiro em caixa e o número de investidores fazendo hedge (proteção) contra uma queda acentuada no mercado de ações está no menor patamar desde o início da pesquisa. O banco nota que há uma retoma de otimismo inclusive com relação à Argentina, o que também é boa notícia para o Brasil.

Reformas

Com relação à reforma da Previdência, 91% dos participantes, percentual recorde, acreditam em aprovação ainda em 2019 (contra 83% da pesquisa anterior). E para 30%, essa aprovação ocorrerá ainda no primeiro semestre.

Ainda de acordo com a sondagem, as reformas são o elemento mais esperado para os investidores adotarem uma postura ainda mais positiva como relação ao Brasil, fator mais mencionado do que o “crescimento econômico”.

Ibovespa e câmbio

Para 90% dos investidores, o Ibovespa, principal índice do mercado de ações brasileiro, encerra o ano acima do patamar atual (ao redor dos 95 mil pontos). Na sondagem anterior, o percentual era de 65%. No câmbio, 30% dos pesquisados acreditam que a taxa de câmbio fecha o ano abaixo de R$ 3,60.

Retomando o grau de investimento

Os gestores também estão mais otimistas com o Brasil em comparação com o México. O banco questionou os participantes se o Brasil vai reconquistar a classificação de grau de investimento, perdida em 2015, e se e quando o México perderá o seu “investment grade”.

Para 85%, o Brasil tem chance de ganhar, novamente, o selo de bom pagador dado pelas agências de classificação de risco, mas sem prazo definido. Para 60%, essa retomada vai acontecer durante o governo de Jair Bolsonaro. Apenas 6% não acreditam nessa possibilidade em um futuro previsível.

Com relação ao México, as opiniões estão um pouco mais divididas, já que 41% dos gestores acreditam que o país vai perder seu grau de investimento, 32% afirmam que o país vai manter a nota de bom pagador e 27% “não sabem”.

Onde está o risco

O principal risco permanece no cenário externo. Os quesitos China/commodities ficou com 42% das indicações (31% na pesquisa anterior). Preocupações com um eventual fortalecimento do dólar e guerra comercial recuaram um pouco.

Segundo a pesquisa, essa preocupação com commodities aliada à expectativa de recuperação do Brasil resulta em uma rotação da exposição para o setor de consumo, com 44% dos gestores como posição acima da média “overweight” em consumo (33% no mês passado). Houve queda no “overweight” de finanças e materiais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Pesquisa global mostra pessimismo

Se o cenário é brilhante para o Brasil, a pesquisa global do BofA Merrill Lynch é pouco animadora, falando em um “crash macro” e um retorno à estagnação secular.

"Os investidores permanecem pessimistas, com expectativas de crescimento e lucros despencando neste mês”, diz o chefe de estratégia da instituição, Michael Hartnett, em comunicado.

Ainda assim, ponderou Hartnett, o diagnóstico deles é de estagnação e não de recessão, já que os gestores de fundos estão colocando no preço um Federal Reserve (Fed, banco central americano) mais moderado (dove) e um curva de juros mais inclinada.

As expectativas para o Produto Interno Bruto (PIB) global continuaram caindo, com 60% dos pesquisados acreditando em enfraquecimento do crescimento mundial nos próximos 12 meses, pior avaliação desde julho de 2008.

Mas apenas 14% dos gestores acreditam em uma recessão global em 2019. Os investidores estão falando em uma "estagnação secular" nos próximos dois a três trimestres.

Empresas

A preocupação dos investidores com o ciclo de crédito continua aumentando, com 48% deles avaliando os balanços corporativos como sobre alavancados (overleveraged).

Pela primeira vez desde 2009, a alavancagem corporativa é a maior preocupação entre os gestores, com metade deles preferindo que as empresas usem dinheiro para melhorar a composição dos balanços em detrimento a investimentos (39%) e retorno aos acionistas (13%).

Já a perspectiva para os lucros é o pior desde 2008, com 52% dos participantes falando em piora dos resultados no próximo ano. Tal resultado marca uma forte reversão de expectativas, pois há 12 meses, a perspectiva era de aumento dos lucros para 39% dos pesquisados.

Riscos

Pelo oitavo mês consecutivo, o maior risco citado pelos gestores globais foi a guerra comercial (27%). Na sequência, aparecem o “quantitative tightening”, redução do balanço dos bancos centrais, e uma desaceleração da China, ambos com 21%.

Entre os negócios mais “congestionados” (crowded trade), que concentram um grande volume de agentes de mercado com posições semelhantes, aparecem a posição comprada em dólar (21%) e em ações das FAANG+BAT, grupo formado por Facebook, Amazon, Apple, Netflix, Alphabet (Google), Baidu, and Tencent. Outro “crowded trade” é a posição vendida em mercados emergentes (17%).

A pesquisa foi realizada entre os dias 4 e 10 de janeiro e teve participação total de 234 respondentes que são responsáveis por US$ 645 bilhões em ativos sob gestão. Nas pesquisas regionais, como a do Brasil, foram 119 participantes, com US$ 282 bilhões sob gestão. Na pesquisa global foram 177 entrevistas com responsáveis por US$ 494 bilhões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Seu Dinheiro na sua noite

Revelações de um apaixonado

Como parte do meu trabalho como jornalista, preciso acompanhar com frequência eventos na área de economia e finanças, principalmente aqueles que contam com a presença de autoridades do governo. Depois de um certo tempo, esse tipo de pauta se torna um tanto repetitiva. Não faltam nessas ocasiões previsões para o crescimento do PIB, perspectivas para […]

Balanço

Sob pressão da concorrência, lucro da Cielo cai 40,4% no 1º trimestre

Resultado da empresa de maquininhas de cartão controlada por Banco do Brasil e Bradesco nos três primeiros meses do ano somou R$ 548,5 milhões e ficou abaixo das projeções do mercado

Lula livre?

5ª turma do STJ reduz pena de Lula e abre espaço para que ex-presidente vá para o semiaberto

Com decisão unânime do tribunal, o petista agora cumpre pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias

IR 2019

Plantão do IR: como declarar venda de ações no imposto de renda?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

Nada muda

Maia diz que acordo com “centrão” retirou trecho que não tem impacto fiscal na reforma da Previdência

Presidente da Câmara diz que vai aguardar a aprovação do texto na CCJ para se pronunciar sobre a criação da comissão especial

IR 2019

Plantão do IR: como declarar bonificação de ações no imposto de renda?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: comprei ações e as vendi no mesmo ano, como declarar?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: como declarar pagamento atrasado de IR sobre ganhos com renda variável?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

IR 2019

Plantão do IR: como declarar venda de ações que ainda não saíram do meu nome?

A repórter Julia Wiltgen conversou com o advogado tributarista Samir Choaib, da Choaib, Paiva e Justo Advogados, e respondeu às principais dúvidas dos leitores do Seu Dinheiro

Ficou para depois

Comissão do Congresso adia votação da MP que abre setor aéreo para capital estrangeiro

Líderes partidários que compõem o colegiado pediram um tempo para analisar o relatório e discutir a matéria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

GUIA GRATUITO

Como declarar seus investimentos no IR 2019