Menu
2019-07-30T09:34:58+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Entrevista

Os planos do banco digital N26, o “Nubank alemão”, para o mercado brasileiro

Início da operação no país ainda não está definido, mas Eduardo Prota, o responsável pelo escritório local do N26, diz que a disputa entre os bancos digitais ainda está em aberto

30 de julho de 2019
5:51 - atualizado às 9:34
Eduardo Prota, responsável pelo banco digital N26 no Brasil
Eduardo Prota, responsável pelo banco digital N26 no Brasil - Imagem: Valeria Goncalvez/Seu Dinheiro

Você tem conta no banco laranja ou no vermelho? Para quem é cliente do banco digital N26, pouco importa: quem define a cor do ícone do aplicativo que aparece na tela do celular é o próprio usuário.

Pode parecer uma funcionalidade irrelevante para um banco, mas diz muito sobre o N26, que vem sendo chamado de o “Nubank alemão” desde que anunciou os planos de trazer sua conta digital para o Brasil.

A comparação faz sentido. Afinal, o N26 surgiu mais ou menos na mesma época que o brasileiro Nubank, e com uma proposta parecida: oferecer serviços bancários a uma parcela da população que já não se identifica com as instituições tradicionais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O crescimento do N26 na Europa também lembra o da fintech brasileira. Criado em 2015, o banco digital possui hoje 3,5 milhões de clientes em 24 países. Há três semanas, cruzou o Atlântico e anunciou o início das operações nos Estados Unidos.

É o tipo de cliente que se importa em personalizar a cor do ícone do aplicativo. Desde que permitiu a troca, 70% dos usuários do banco usaram a função. Quem me conta a história é Eduardo Prota, o executivo responsável pelo N26 no Brasil, que será o próximo destino do banco.

O nome do banco de certa forma também tem relação com as cores. Afinal, a inspiração partiu do cubo mágico, aquele famoso quebra-cabeça tridimensional com 27 peças. Ou melhor, 26 se não contarmos a peça do meio, que não se move.

O conceito por trás do cubo mágico é de algo complexo, mas que pode ser resolvido com facilidade por quem conhece a técnica. A proposta do N26 é fazer o mesmo com os serviços bancários. “A gente entende que está transformando o banco em algo que seja fácil para o usuário”, diz Prota.

"Show me the money"

Toda essa história de fintech descolada pode ser legal, mas não será mais novidade para os clientes brasileiros quando o N26 começar a operar por aqui.

Durante a nossa conversa, Prota inclusive se lembrou da piada recorrente de que o banco digital é a nova paleteria mexicana - uma referência aos vários estabelecimentos que vendiam o tal picolé e rapidamente fecharam as portas.

Para enfrentar a concorrência o banco sabe que vai precisar mais do que um discurso bonito e um aplicativo colorido. Tanto que anunciou recentemente uma nova rodada de investimentos, com o reforço do caixa em mais US$ 170 milhões (R$ 640 milhões).

Os investidores que colocaram o dinheiro novo avaliaram o N26 em US$ 3,5 bilhões (pouco mais de R$ 13 bilhões). O valor é menos da metade do obtido pelo Nubank em sua última rodada de captação fechada na semana passada, quando foi avaliado em US$ 10 bilhões.

Quando chega?

Mas quando, afinal, o N26 espera dar início às operações no Brasil? Prota não quis se comprometer com uma data e deu a entender que o lançamento, inicialmente previsto para este ano, pode escorregar para o começo de 2020. Ele sabe, porém, o quanto a questão do tempo é importante.

“Está bem claro que o mercado brasileiro está se tornando bastante consolidado, então a gente entende que tem que chegar o quanto antes.”

Na tarde em que visitei o escritório, o N26 contava com uma equipe de apenas seis pessoas no Brasil. O número deve começar a aumentar nas próximas semanas, mas a ideia é aproveitar ao máximo a estrutura que o banco já tem lá fora.

“Nossa grande oportunidade é criar uma força central escalável, com custos e preços muito menores, e dar uma experiência muito parecida ao redor do mundo.”

De todo modo, há bastante trabalho a ser feito antes de colocar a conta digital para rodar no Brasil. O desenvolvimento inclui a conexão com parceiros como processadoras e bandeiras de cartão. Sem falar que o sistema financeiro brasileiro tem as suas jabuticabas como o pagamento via boletos e o chamado parcelado lojista no cartão de crédito.

A agilidade também será levada em conta na hora de escolher qual o modelo de atuação no país. O banco pode optar, por exemplo, por uma licença de fintech como sociedade de crédito direto (SCD) ou buscar autorização para atuar como instituição financeira plena.

O segundo caminho deve ser o mais provável, até porque no exterior o N26 atua em toda a gama de serviços, incluindo concessão de crédito, limite de cheque especial, investimentos e transferências internacionais.

Três pilares

Com tantas opções disponíveis hoje – e outras que devem chegar nos próximos meses – o que vai levar o cliente brasileiro a abrir uma conta no N26?

Prota diz que os campeões na disputa entre os bancos digitais ainda não estão definidos, mas não vê funcionalidades específicas do aplicativo como diferencial, até porque elas são facilmente copiáveis.

No processo de consolidação desse mercado, o que ele acredita que vai fazer diferença são três fatores. O primeiro é o que ele chama de usabilidade, ou seja, fazer com que o cliente se vincule à plataforma, o que ajuda a proteger o banco das investidas dos concorrentes.

A marca é outro fator que ele defende como fundamental e que ainda não está consolidado no mercado brasileiro. O terceiro é o dinheiro para investir. Nesse último ponto, o executivo do N26 confia nos sócios investidores do banco. Alguns inclusive são os mesmos do Nubank, como a chinesa Tencent.

Quanto vai custar?

Quando se fala em banco, é impossível escapar do tema tarifas. As contas digitais vêm conquistando clientes com o modelo de gratuidade, e o N26 não será diferente.

"Ter um pacote gratuito é básico e a gente acredita que o serviço básico financeiro tem que ser grátis."

Já o cliente que desejar mais serviços, como seguros e benefícios das bandeiras de cartão, terá de aderir aos pacotes pagos.

Mais uma vez, o fator tempo deve ser fundamental para determinar o sucesso do N26 em terras brasileiras, segundo Prota. "Minha dúvida é até quando o cliente está disposto a testar coisa nova, porque tenho certeza de que, se ele testar, fica com a gente." Quem estiver interessado, aliás, já pode se inscrever no site do N26 para entrar na fila de espera para a abertura de uma conta.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements