Menu
André Franco
Crypto News
André Franco
É engenheiro e especialista em criptomoedas da Empiricus
2019-05-09T09:28:38+00:00
Crypto News

O melhor e o pior investimento

Apesar de todo o papo sobre ser uma “bolha”, o bitcoin é até agora o melhor investimento do ano, com alta de 53%

8 de maio de 2019
20:38 - atualizado às 9:28
Bitcoin
Bitcoin: alta de 53 por cento — mais que petróleo, ações de tech e real estate norte-americanoImagem: shutterstock

Eu não sou nem um pouco supersticioso, mas eu tenho algumas boas histórias na vida com o número 6, que acho um tanto curiosas.

Minha pontuação para entrar na faculdade foi 66,6, e terminei meu curso na mesma faculdade com nota média de 6,3.

Além disso, foi na casa dos 600 dólares que fiz o meu primeiro grande aporte em bitcoin e, na casa dos 6 mil dólares, o mais recente grande aporte, no fim do ano.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

E, como você deve imaginar, naquele momento, em setembro de 2018, eu acreditava que tínhamos chegado a um mercado flat e que uma volta da cripto estava bem próxima.

Fui pego no contrapé e vi essa grana chegar aos 3 mil dólares. Foi dolorido, mas o meu dinheiro estava exatamente onde minha boca estava.

O “skin in the game” é como a meritocracia, um belo conceito, mas vivê-lo tem suas dores.

E agora, com a volta parcial do bitcoin, alguns já começam a falar do tema como donos da verdade, sempre chamando esse mercado de bolha, fraude e até de veneno de rato.

Por isso peço para esses que falam do tema com propriedade que ponham o “skin in the game” em prática.

A CME está aberta em horário de mercado para os “bears” entrarem em uma ponta vendida e realmente provarem que acreditam que isso tudo é uma bolha.

Enquanto isso, até o momento, o bitcoin é o melhor investimento do ano, com alta de 53 por cento — mais rentável que petróleo, ações de tech e real estate norte-americano.

“Mas em janelas curtas qualquer um é campeão de rentabilidade.”

Verdade. Então me mostre uma janela de cinco ou dez anos em que o bitcoin não foi um dos melhores ou o melhor investimento do mercado.

De março de 2013 até março de 2018, tivemos mais de 6 mil por cento de rentabilidade.

Agora, coloque qualquer investimento ao lado disso e veja o poder que o bitcoin tem em um portfólio diversificado.

É exatamente essa narrativa que os fundos de investimento começam a comprar em relação ao mercado cripto. Além disso, os dados de baixíssima correlação com o mercado tradicional também atraem qualquer gestor de portfólio.

Aos poucos, o mercado vai descobrindo o bitcoin como investimento e também como instrumento de finanças descentralizadas.

A Abra (carteira de cripto) já permite que, através do bitcoin, os seus usuários consigam se expor ao risco de ações do mercado norte-americano.

Com o mínimo de 5 dólares já é possível se posicionar long (comprado) em ações da Google, Amazon, Alibaba e muitas outras.

Apesar de essa funcionalidade do app ser muito revolucionária, ainda é só uma das primeiras coisas que as criptos nos permitem. Trata-se de uma inovação tal qual o e-mail no começo da internet: muito útil naquele momento, mas, nos dias de hoje, algo banal.

Quanto à minha história com o número 6: acredito que o ponto alto dos próximos dias será esse flerte com os 6 mil dólares.

Ultrapassando essa marca, acho que uma data também importante é o 6 de junho (6/6), apenas pela numerologia envolvida. Nada mais.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Disputa com Centauro

Magazine Luiza contra-ataca e eleva oferta pela Netshoes para US$ 93 milhões

A varejista decidiu elevar a oferta pelo site de produtos esportivos para US$ 3,00 por ação depois que a Centauro entrou na disputa com uma oferta hostil lançada na quinta-feira

Nas ruas do país

“Pergunta para o povo”, diz Bolsonaro, sobre manifestações

Perguntado sobre a quantidade de pessoas nas ruas, Bolsonaro declarou que as “imagens valem mais do que mil palavras”

Nas ruas do país

Atos pró-Bolsonaro chegam a 93 municípios de 25 Estados e DF

Em São Paulo, a manifestação a favor do governo ocorre na Avenida Paulista e os participantes estão distribuídos por sete quarteirões

Entrevista

“Reforma tem boa chance de passar. Talvez não no prazo ideal”, diz Pedro Parente

Ex-ministro e atual presidente da BRF, Parente vê com naturalidade a atual desarticulação entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso

Dia de manifestações

Bolsonaro posta no Twitter vídeos de atos pró-governo

A conta do presidente na rede social trouxe três vídeos de manifestantes nas cidades do Rio de Janeiro, em São Luís, no Maranhão, e em Juiz de Fora, no interior de Minas

Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

Das redes ao asfalto

Manifestações nas ruas testam apoio a Bolsonaro

Receio da equipe de Bolsonaro é de que, se não houver uma adesão de peso às manifestações, isso seja interpretado como um sinal de perda de popularidade

Armas

Novo decreto de Bolsonaro mantém brecha para compra de fuzis

Governo mudou texto para evitar venda de fuzis a civis, que fez as ações da Taurus dispararem na semana passada. Mas Procuradoria diz que novo decreto mantém essa possibilidade

Cannabusiness

O dia não tão distante em que os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements