Menu
Aos bons pagadores

Novo cadastro positivo entra em vigor

Governo federal espera que o novo cadastro positivo, sancionado na tarde dessa segunda-feira, 8, abra espaço para a injeção de R$ 1 trilhão de recursos na economia nos próximos anos

9 de abril de 2019
7:54 - atualizado às 9:15
Cartões de crédito
Cartões de crédito - Imagem: Shutterstock

O governo federal espera que o novo cadastro positivo, sancionado na tarde dessa segunda-feira, 8, pelo presidente Jair Bolsonaro, abra espaço para a injeção de R$ 1 trilhão de recursos na economia nos próximos anos. Em cerimônia no Palácio do Planalto, o secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, estimou que o novo cadastro deve começar a funcionar de fato dentro de seis meses.

Uma das principais bandeiras defendidas pelo Banco Central nos últimos anos, o cadastro positivo é visto pelo governo como uma ferramenta para aumentar a oferta de crédito e reduzir os juros cobrados de famílias e empresas.

A expectativa é de que, com ele, bons pagadores tenham acesso a linhas mais baratas de financiamento. "O cadastro pode beneficiar 130 milhões de pessoas, incluindo 22 milhões que estão hoje fora do mercado de crédito", disse Costa, durante o evento de sanção.

Segundo ele, do total de R$ 1 trilhão de recursos previstos para entrar na economia, R$ 520 bilhões vão para pequenas e médias empresas. De acordo com estimativas do governo, o novo cadastro poderá ainda reduzir em 45% a inadimplência no País e gerar R$ 450 bilhões em arrecadação.

Inclusão automática

O otimismo está ligado à nova dinâmica adotada. Pela lei que estava em vigor, de 2011, o cadastro positivo era formado apenas por consumidores que solicitavam a inclusão nos bancos de dados de bons pagadores. Isso, na prática, acabou tornando o cadastro irrelevante para análise de crédito, por conta da baixa adesão.

No projeto sancionado nessa segunda-feira, 8, a inclusão no cadastro será automática, sendo que o consumidor que quiser sair terá de solicitar a exclusão.

Além disso, cada pessoa terá uma pontuação referente ao seu histórico de crédito. A pontuação levará em conta a adimplência em operações de crédito e no pagamento de contas de água, esgoto, luz, gás e telefone, entre outras.

Isso é uma novidade, já que antes não eram consideradas as informações sobre o pagamento de serviços continuados. Pessoas com renda mais baixa, por exemplo, que nem sempre possuem histórico de operações de crédito, entrarão no cadastro por pagarem contas de luz e telefone.

Tanto o governo quanto o Banco Central esperam que a oferta de crédito aos bons pagadores aumente e que haja redução dos juros. "Com mais crédito, o consumidor vai poder investir mais, a empresa vai poder investir mais, e isso vai gerar mais emprego, produção e renda para a população", disse o secretário do Ministério da Economia.

Os efeitos práticos do cadastro positivo, no entanto, devem começar a ser sentidos apenas daqui a seis meses. Este é o período para que, conforme o secretário, as empresas do setor se ajustem e o cadastro esteja formado.

As empresas que administram as informações de financiamentos - conhecidas como birôs de crédito - acreditam que o cadastro também será uma oportunidade para o consumidor "limpar" o seu nome, já que a avaliação é que só serão coletados os dados gerados a partir do momento em que o texto entrar em vigor. Esse ponto, porém, ainda não está totalmente definido.

O governo também espera que, com o novo cadastro, a exigência de fiadores no mercado de locação de imóveis diminua. Costa lembrou que, atualmente, mesmo uma pessoa com bom histórico de pagamento precisa de fiador ao alugar uma casa. "Os excelentes pagadores não vão mais precisar, provavelmente, de fiador ou de outras garantias. É seu próprio histórico de crédito que vai garanti-lo", disse o secretário.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Poder

Congresso impõe agenda própria a Bolsonaro

Já são seis as iniciativas traçadas pelo Congresso para garantir maior influência e poder político após o abandono do presidencialismo de coalizão

Aviação

Segundo NYT, outro jato da Boeing pode ter problemas de segurança: o 787 Dreamliner

Segundo reportagem do New York Times, na fábrica do 787 na Carolina do Sul são comuns os casos de resíduos metálicos e ferramentas esquecidos dentro de aeronaves, além de peças defeituosas instaladas; até chiclete segurando o acabamento de uma porta já foi encontrado

O LEMA DE SÃO TOMÉ

Por que os gringos estão com o pé atrás em relação ao Brasil e à bolsa?

Apesar de o Ibovespa acumular alta em 2019, o fluxo de recursos estrangeiros para a bolsa no mercado à vista está negativo. Com a reforma da Previdência avançando aos trancos e barrancos, os gringos estão como São Tomé: só acreditam vendo

Transparência

Guedes defende mesma transparência do Copom para política de preços da Petrobras

Em entrevista, ministro voltou a defender que a estatal é livre para definir os preços

Petróleo

ANP nega mais prazo à Petrobras; campos terrestres irão para oferta permanente

Agência reguladora negou mais prazo para a estatal apresentar um plano de desativação de campos terrestres que não estão em produção há mais de seis meses

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Siga o dinheiro

A vida dos milionários costuma fascinar as pessoas que ainda não chegaram e talvez nunca cheguem lá. Esse é o tipo de tema que costuma despertar as paixões humanas: admiração, inveja, raiva ou simplesmente a questão aspiracional. Quem não nasceu em uma família endinheirada certamente já pensou em como seria a sua vida se fosse […]

Atualização

Avianca cancela mais de 1.300 voos até dia 28

Guarulhos, Brasília e Galeão são os aeroportos mais prejudicados pelos cancelamentos. Já Congonhas e Santos Dumont parecem ter sido poupados

Piora nas contas

Déficit estrutural do setor público chega a 0,7% do PIB em 2018

Devido à deterioração das contas dos Estados e municípios, movimento de melhora das contas públicas pelo resultado oficial não aconteceu no estrutural, que apresentou piora no ano passado

Preço do diesel

Em áudio, Onyx diz que governo deu uma ‘trava na Petrobras’

Ministro da Casa Civil diz que os caminhoneiros podem ficar sossegados que o governo tem trabalhado para resolver o problema deles

Na mira de quem tem grana

Para que cidades os milionários estão se mudando?

Estudo mostra que Dubai, Los Angeles, Melbourne, Nova York, Sydney, Miami e São Francisco caíram nas graças dos endinheirados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

GUIA GRATUITO

Como declarar seus investimentos no IR 2019