Menu
2019-11-28T13:23:39-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Juros tabelados

Lucro dos bancos pode cair até R$ 6 bilhões com mudança no cheque especial; Santander cobra maior taxa

Número parece grande, mas impacto é menor do que parece, segundo os analistas do Credit Suisse, que fizeram os cálculos sobre as potenciais perdas para os bancos

28 de novembro de 2019
12:42 - atualizado às 13:23
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O lucro dos bancos pode cair até R$ 6 bilhões com a decisão do governo de estabelecer o limite de até 8% ao mês para os juros cobrados nas linhas do cheque especial. Os cálculos são do Credit Suisse.

Considerando apenas os quatro grandes bancos listados em bolsa – Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil – o impacto pode chegar a R$ 3,4 bilhões no pior cenário. Esse valor representaria uma queda de 3,6% no lucro de 2020.

As ações dos bancos, que já vêm com um desempenho ruim nas últimas semanas, reagem em queda à medida anunciada ontem à noite pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Por volta das 12h10, os papéis do Itaú (ITUB4) recuavam 0,95% e os do Bradesco (BBDC4) eram negociados em baixa de 1,31%. As ações do Banco do Brasil (BBAS3) caíam 0,36% e as do Santander, 0,91%.

O número de até R$ 6 bilhões pode assustar à primeira vista, mas para o Credit Suisse o impacto é bem menor do que parece. "A redução nas receitas pode ser parcialmente compensada pela possibilidade de os bancos agora cobrarem tarifas nos limites pré-aprovados", escreveram os analistas, em relatório a clientes.

Em um cenário em que os bancos venham a cobrar tarifas dos clientes com limite acima de R$ 500, a redução no lucro dos bancos seria de "apenas" R$ 2,1 bilhões, e a conta dos quatro grandes ficaria em R$ 1,2 bilhão.

Mesmo que não consigam cobrar pelo limite do cheque especial, os bancos ainda podem diminuir a alocação de capital para compensar a perda da receita com a limitação dos juros. Nesse caso, a queda no lucro ficaria em pouco mais de 1,4 bilhão para Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander, segundo o Credit Suisse.

"Acreditamos que a nova regulação é mais justa, porque reduz a carga para os clientes de baixa renda, ao mesmo tempo em que permite aos bancos cobrarem taxas de clientes com limites de crédito aprovados mais altos, o que também é mais alinhado às práticas internacionais", afirmaram os analistas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Santander cobra mais caro

Os cinco maiores bancos brasileiros cobram hoje taxas de juros nas linhas de cheque especial acima do limite de 8% ao mês estabelecido pelo CMN. Em alguns casos bem acima.

Considerando apenas os cinco grandes, o Santander é o líder desse ranking nem um pouco honroso, com uma taxa de 14,82% ao mês, equivalente a 425,03% ao ano, de acordo com dados do Banco Central.

O Bradesco aparece em segundo, com 12,63% ao mês (316,75% ao ano), seguido pelo Itaú, cuja taxa é de 12,47% ao mês e 309,88% ao ano.

As taxas das três instituições ficam acima da praticada pela média do sistema financeiro em outubro, de 12,4% ao mês (306,9% ao ano), também segundo o BC.

Os bancos públicos se saem um pouco melhor. O Banco do Brasil cobra juros de 12,11% ao mês (294,15% ao ano) no cheque especial.

Antes da decisão do governo de limitar as taxas, a Caixa decidiu cortar os juros no cheque especial a 4,99% ao mês. Mas os dados do BC – que se referem ao período de 7 a 13 de novembro – ainda não captaram esse movimento e apontam que a taxa cobrada pelo banco está em 9,39% ao mês (193,59% ao ano).

Vale lembrar que o efeito nos resultados vai depender não só da taxa de juros como do volume de recursos na linha nos balanços. Os bancos não abrem especificamente o saldo de financiamentos concedidos no cheque especial.

Eu procurei os bancos e a Febraban, mas nenhum deles se pronunciou até o momento.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) efetuou, nesta quarta-feira (11), um novo corte na taxa básica de juros, a Selic. Com a redução de 0,5 ponto percentual, os juros atingem nova mínima histórica, de 4,5% ao ano, dentro da expectativa do mercado. Nesta última super quarta do ano também teve decisão de […]

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Antes tarde do que nunca?

No dia do IPO da XP, CVM lança proposta para facilitar listagem de BDR

Se já estivesse em vigor, a regra permitiria a listagem de recibos de ações da XP na bolsa brasileira. CVM também pretende liberar investimento em BDR para o varejo

SEM BUROCRACIAS

Em evento na CNI, Bolsonaro faz acenos ao empresariado ao criticar “burocracias”

“Cada instrução normativa deve ser muito bem pensada. Deve atender ao interesse do Brasil. Não de grupos”, disse o presidente

MAIS MAGRINHA

Venda de 51% da Gaspetro com 20 distribuidoras deverá ser por IPO, diz Petrobras

“As conversas continuam com a Mitsui e a nossa expectativa é realizar a transação no mercado de capitais. Em 2015 a Petrobras vendeu 49% da empresa para a Mitsui e agora vamos vender nossa parte em bolsa”, disse Castello Branco

APROVADO

Cade aprova compra da Nextel pela Claro sem restrições

O negócio já havia sido aprovado pela Superintendência Geral do Cade em setembro, mas, após recurso apresentado pela concorrente TIM no mês seguinte, foi reavaliado pelos conselheiros do tribunal

Fim dos cortes?

Fed mantém juros dos EUA entre 1,50% e 1,75% e sinaliza estabilidade nas taxas em 2020

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa básica de juros do país inalterada, afirmando ver condições favoráveis no mercado de trabalho e expansão econômica moderada

situação complicada

Paralisação da OMC tira do Brasil via para questionar taxas americanas sobre o aço

Tribunal da OMC é o órgão máximo de apelação para questionamentos de condutas comerciais entre países e perdeu o quórum mínimo necessário para que continue funcionando

altas do dia

Ações de Kroton e Estácio sobem forte após MEC ampliar ensino a distância no País

Medida tende a reduzir os custos de ambas as empresas; segundo um analista, entra na conta dos investidores a perspectiva de melhora da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements