Menu
2019-06-07T18:49:44+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Chicago Boy

Guedes: Somos liberais, liberais não aumentam impostos

Ministro também disse que secretário da Receita teve azar ao falar que as igrejas seriam atingidas por novo modelo de tributação. “Quem vai pagar é bandido, traficantes, todo mundo que faça pagamentos. Então essa que era a ideia dele”.

30 de abril de 2019
15:24 - atualizado às 18:49
Paulo Guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes - Imagem: Alan Santos/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou que não se pensa em aumento de impostos dentro da equipe econômica.

A declaração ocorre após um desentendimento entre o secretário da Receita, Marcos Cintra, e o presidente Jair Bolsonaro, envolvendo uma modalidade de imposto que também recairia sobre igrejas.

“Vamos deixar absolutamente claro que somos liberais. Liberais não aumentam impostos, eles simplificam, reduzem ou fazem substituição tributária”, afirmou Guedes ao deixar almoço com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Então, disse Guedes, o que o Marcos Cintra estava falando é que no futuro próximo gostaríamos de desonerar totalmente a folha de pagamentos. “Achamos que é um imposto cruel, perverso.”

De acordo com o ministro, são 50 milhões de brasileiros que não contribuem para a previdência. E, segundo Guedes, uma das razões para a previdência estar quebrada hoje é que 50 milhões de brasileiros não têm acesso à Previdência porque não têm acesso ao emprego formal.

“O trabalhador, hoje, ganha pouco e custa muito, porque tem essa oneração toda da folha de pagamentos. Então é uma obsessão nossa em desonerar. Então, nesse esforço de desoneração, uma das considerações alternativas consideradas é o imposto sobre pagamentos, que o Marcos Cintra namora faz muitos anos”, explicou.

Bandidos e traficantes

Perguntado se esse eventual imposto sobre pagamentos incidiria sobre todos os contribuintes, incluindo igrejas e filantrópicas, Guedes disse:

“Aí é que está. Eu preferia que ele tivesse falado que os bandidos vão pagar, os traficantes vão pagar. Ele falou logo igreja? Deu azar. Quem vai pagar é bandido, traficantes. Todo mundo que faça pagamentos. Então essa que era a ideia dele”, afirmou.

Ainda de acordo com Guedes, é evidente que as igrejas vão manter as suas imunidades. Igreja não paga imposto de renda, imposto sobre propriedade. “Todas as imunidades que elas têm ninguém vai mexer com isso”, disse.

Segundo Guedes, o que se pensa é em “tributar um espaço novo, de pagamentos” para ter uma boa base de arrecadação para poder desonerar a folha de pagamentos.

“Você vai ter um choque de empregos. De repente você vai gerar, dois, três, quatro, cinco milhões de emprego em um espaço de um ano, um ano e meio. Empregos novos porque você desonerou a folha de pagamentos. O trabalhador vai ganhar mais e vai custar menos”, afirmou.

Perguntado em que lugar da fila está a reforma tributária, Guedes disse que ela “está na fila, andando rápido”, porque o governo quer retomar o crescimento econômico. No entanto, a ajuda para Estados e municípios também é muito importante.

Ainda de acordo Guedes, os dois assuntos estão correndo, mas quem vai decidir a ordem das coisas são Onyx, o presidente Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que são os responsáveis pelo timing político das medidas.

Previdência

Questionado sobre a ideia da oposição de alongar as discussões sobre a reforma da previdência na Comissão Especial, Guedes disse que é de interesse da classe política finalizar a previdência no primeiro semestre porque depois tem mais um ano e dois ou três meses até a próxima eleição e, justamente vai ter uma pauta positiva, uma agenda positiva, assuntos importantes, como recursos para Estados e municípios, os impostos.

“Todos esses temas são extraordinariamente atraentes, inclusive o próprio sistema de poupança garantida da nova Previdência. Tudo isso é positivo também e isso é uma pauta do segundo semestre até as eleições”, finalizou.

Onyx: Somos amigos

Segundo Onyx, o almoço com Guedes aconteceu, primeiramente, pelo fato de os dois serem amigos. “Primeiro nós somos amigos, segundo nós somos liberais clássicos. Quando ninguém falava em liberalismo, o professor me dava aula e eu pratica no processo político no Rio Grande do Sul”, disse o ministro da Casa Civil.

Na sequência, Onyx disse que o almoço/reunião foi para avaliar o quadro da tramitação da nova Previdência, “que é superimportante para o nosso país”.

Onyx reconheceu o esforço e o trabalho do deputado Felipe Francischini, presidente, e de Marcelo Freitas, relator, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e disse olhar para a comissão especial da mesma maneira.

“Estamos muito entusiasmados com a perspectiva de que ainda do primeiro semestre a gente consiga ver o Brasil reequilibrado fiscalmente, com a nova previdência aprovada. Esse projeto que é fundamental para que o Brasil possa voltar a crescer”, afirmou.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

sem passagem de volta

Petrobrás e Uruguai firmam acordo sobre distribuidoras de gás

Estado uruguaio assumirá as operações da Conecta S.A. e a Distribuidora de Gas de Montevideo

a bula do mercado

Expectativa com Livro Bege deve manter ativos locais à deriva

Fed divulgará o documento às 15h

a volta por cima?

Oi quer ser uma empresa de fibra

Em recuperação judicial e com dívidas bilionárias, operadora dá uma guinada na sua estratégia e indica que pode vender seu negócio de telefonia móvel 

Será que volta?

Maia pede apoio de governadores a PEC para reinclusão de Estados na Previdência

“A gente vai precisar que o PT, PSB, PDT, PCdoB possam ajudar a aprovar a PEC paralela, senão vai acabar tendo obstrução de alguns pelos mesmos motivos que nós tivemos que tirar Estados e municípios da PEC da Previdência encaminhada pelo governo”, afirmou Maia

Seu Dinheiro na sua noite

Como será o amanhã?

Responda quem puder. Aliás, todas as suas decisões de investimento deveriam ter essa pergunta em mente. É com base no que será o amanhã, ou na ideia de cada um sobre o amanhã, que funciona o tal mercado financeiro. Bola de cristal, jogo de búzios, cartomante… Na canção que ficou famosa na voz da Simone, […]

De olhos bem abertos

CVM alerta que Robô Investe, página que possui mais de 22 mil seguidores no Facebook, possui atuação irregular

A comissão disse que recebeu uma série de denúncias em seu serviço de atendimento ao cidadão e verificou indícios de que os envolvidos vêm oferecendo serviço de análise de valores mobiliários

Colocando de volta?

Alcolumbre defende inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência

“Nesse caso, se o relator da matéria, o senador Tasso, tem o desejo de incluir, se é o sentimento do Senado como Casa da Federação, eu espero que o Senado possa debater e incluir Estados e municípios na nova Previdência”, disse o presidente do Senado

DE OLHO NO GRÁFICO

Sinal amarelo no S&P, o futuro do Ibovespa e 14 ações

No vídeo de hoje, Fausto Botelho analisa o futuro dos papéis de B3, Banco do Brasil, Iguatemi, Itaúsa, Itaú Unibanco, Klabin, Kroton, Minerva, Odontoprev, Petrobras, Santander, Ultrapar e mais

Uma das cartas mais esperadas do mercado

Gestora SPX projeta corte no próximo Copom e acredita que Selic pode chegar a 5% ao ano

Apesar de estar mais positiva com Brasil, a carta fez ressalvas sobre o enfraquecimento das economias mundiais e disse para tomarmos cuidado com os “leões e o dragão” que estão à solta no mercado

Banco de serviços

Presidente do BNDES pede dois meses para explicar caixa-preta

Gustavo Montezano também esclareceu que BNDES vai acelerar venda de participações em empresas neste ano, mas que não tem um número para dar. Carteira soma R$ 110 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements