Menu
2019-05-01T10:33:25+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Chicago Boy

Guedes: Somos liberais, liberais não aumentam impostos

Ministro também disse que secretário da Receita teve azar ao falar que as igrejas seriam atingidas por novo modelo de tributação. “Quem vai pagar é bandido, traficantes, todo mundo que faça pagamentos. Então essa que era a ideia dele”.

30 de abril de 2019
15:24 - atualizado às 10:33
Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Alan Santos/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou que não se pensa em aumento de impostos dentro da equipe econômica.

A declaração ocorre após um desentendimento entre o secretário da Receita, Marcos Cintra, e o presidente Jair Bolsonaro, envolvendo uma modalidade de imposto que também recairia sobre igrejas.

“Vamos deixar absolutamente claro que somos liberais. Liberais não aumentam impostos, eles simplificam, reduzem ou fazem substituição tributária”, afirmou Guedes ao deixar almoço com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Então, disse Guedes, o que o Marcos Cintra estava falando é que no futuro próximo gostaríamos de desonerar totalmente a folha de pagamentos. “Achamos que é um imposto cruel, perverso.”

De acordo com o ministro, são 50 milhões de brasileiros que não contribuem para a previdência. E, segundo Guedes, uma das razões para a previdência estar quebrada hoje é que 50 milhões de brasileiros não têm acesso à Previdência porque não têm acesso ao emprego formal.

“O trabalhador, hoje, ganha pouco e custa muito, porque tem essa oneração toda da folha de pagamentos. Então é uma obsessão nossa em desonerar. Então, nesse esforço de desoneração, uma das considerações alternativas consideradas é o imposto sobre pagamentos, que o Marcos Cintra namora faz muitos anos”, explicou.

Bandidos e traficantes

Perguntado se esse eventual imposto sobre pagamentos incidiria sobre todos os contribuintes, incluindo igrejas e filantrópicas, Guedes disse:

“Aí é que está. Eu preferia que ele tivesse falado que os bandidos vão pagar, os traficantes vão pagar. Ele falou logo igreja? Deu azar. Quem vai pagar é bandido, traficantes. Todo mundo que faça pagamentos. Então essa que era a ideia dele”, afirmou.

Ainda de acordo com Guedes, é evidente que as igrejas vão manter as suas imunidades. Igreja não paga imposto de renda, imposto sobre propriedade. “Todas as imunidades que elas têm ninguém vai mexer com isso”, disse.

Segundo Guedes, o que se pensa é em “tributar um espaço novo, de pagamentos” para ter uma boa base de arrecadação para poder desonerar a folha de pagamentos.

“Você vai ter um choque de empregos. De repente você vai gerar, dois, três, quatro, cinco milhões de emprego em um espaço de um ano, um ano e meio. Empregos novos porque você desonerou a folha de pagamentos. O trabalhador vai ganhar mais e vai custar menos”, afirmou.

Perguntado em que lugar da fila está a reforma tributária, Guedes disse que ela “está na fila, andando rápido”, porque o governo quer retomar o crescimento econômico. No entanto, a ajuda para Estados e municípios também é muito importante.

Ainda de acordo Guedes, os dois assuntos estão correndo, mas quem vai decidir a ordem das coisas são Onyx, o presidente Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que são os responsáveis pelo timing político das medidas.

Previdência

Questionado sobre a ideia da oposição de alongar as discussões sobre a reforma da previdência na Comissão Especial, Guedes disse que é de interesse da classe política finalizar a previdência no primeiro semestre porque depois tem mais um ano e dois ou três meses até a próxima eleição e, justamente vai ter uma pauta positiva, uma agenda positiva, assuntos importantes, como recursos para Estados e municípios, os impostos.

“Todos esses temas são extraordinariamente atraentes, inclusive o próprio sistema de poupança garantida da nova Previdência. Tudo isso é positivo também e isso é uma pauta do segundo semestre até as eleições”, finalizou.

Onyx: Somos amigos

Segundo Onyx, o almoço com Guedes aconteceu, primeiramente, pelo fato de os dois serem amigos. “Primeiro nós somos amigos, segundo nós somos liberais clássicos. Quando ninguém falava em liberalismo, o professor me dava aula e eu pratica no processo político no Rio Grande do Sul”, disse o ministro da Casa Civil.

Na sequência, Onyx disse que o almoço/reunião foi para avaliar o quadro da tramitação da nova Previdência, “que é superimportante para o nosso país”.

Onyx reconheceu o esforço e o trabalho do deputado Felipe Francischini, presidente, e de Marcelo Freitas, relator, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e disse olhar para a comissão especial da mesma maneira.

“Estamos muito entusiasmados com a perspectiva de que ainda do primeiro semestre a gente consiga ver o Brasil reequilibrado fiscalmente, com a nova previdência aprovada. Esse projeto que é fundamental para que o Brasil possa voltar a crescer”, afirmou.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

Só assim resolve!

Se não aprovar a Previdência, só chamando um ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

Segundo presidente, mídia tenta criar atrito, mas casamento com Paulo Guedes segue mais forte que nunca. Ministério da Economia solta nota oficial

Seu Dinheiro na sua noite

Paisagem na janela

O mercado financeiro tem todo um linguajar próprio, com uma penca de termos em inglês. Alguns deles já foram “tropicalizados”, por assim dizer, e fazem parte do dia a dia de quem acompanha as negociações. É o caso do IPO, que é a sigla para oferta pública inicial (ou initial public offering), como é chamada […]

Tudo pelo teto de gastos

FMI diz que ajuste fiscal depende de idade mínima e redução de benefícios de servidores

Fundo afirma que uma reforma robusta e medidas adicionais na área fiscal são necessárias para colocar a dívida pública em trajetória sustentável

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast: Natura e Avon no mesmo pote e o dia depois do ‘tsunami’

Semana foi marcada por negócio bilionário no segmento de beleza, briga pela Netshoes e novidades no front político.

Conquistando aliados

Entidades assinam manifesto pró-reforma da Previdência

Empresários alegam ter confiança na aprovação do texto e dizem que as mudanças são um primeiro passo para a retomada da confiança

Cenário de emprego misto

Caged aponta criação de 129 mil empregos formais em abril; serviços lideram vagas

Resultado divulgado pelo governo, em linha com as expectativas de mercado, foi o melhor para o mês desde 2013

Se quiser ir, vai

Ninguém é obrigado a ficar como ministro, diz Bolsonaro sobre fala de Guedes

Na linha defendida por seu ministro da Economia, presidente voltou a dizer que sem a reforma previdenciária “será o caos na economia”

Privatizações

“Brasil é locomotiva atolada no brejo, precisamos colocá-la sobre os trilhos”, diz Salim Mattar

O secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro afirmou mais uma vez que não conhece nenhuma estatal eficiente. “Se alguém encontrar me manda um WhatsApp.”

Mais casos de corrupção

Líder do governo Bolsonaro no Senado está entre os alvos da Lava Jato com bens bloqueados

Senador Fernando Bezerra Coelho é acusar de cometer desvios em negócios relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements