Menu
2019-04-09T15:01:52+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Esperando pela nova Previdência

FMI reduz projeção do PIB do Brasil em 2019 e espera um crescimento maior em 2020, após Previdência

Fundo também avaliou impacto do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) e apresentou projeções para a economia mundial

9 de abril de 2019
12:19 - atualizado às 15:01
O ministro da economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu a projeção do PIB do Brasil, em 2019: de 2,5% para 2,1%. Mas elevou de 2,2% para 2,5% no próximo ano.

A projeção é feita com base na crença de que a reforma da Previdência deve colaborar para uma expansão do PIB em 2020.

Segundo reportagem do Broadcast, serviço em tempo real do jornal O Estado de S. Paulo, que ouviu a diretora do departamento econômico e economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, a redução nas expectativas para 2019 se deve, entre outras coisas, ao atraso das reformas — sendo a da Previdência a principal.

"As reformas fiscais, como a da Previdência Social, são importantes para evitar a expansão da dívida pública”, destacou Gita. Os comentários foram feitos na apresentação dos principais temas do relatório Perspectiva Econômica Mundial.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Economia mundial em desaceleração

Gopinath, afirmou que 70% da economia mundial devem desacelerar neste ano. Ela disse que espera alguma retomada do crescimento no segundo semestre, sem pressões inflacionárias.

A economista avalia que o crescimento mundial deve retomar a marca de 3,6% em 2020 e que, após isso, a expansão da economia global deve se estabilizar ao redor de 3,5%.

Quanto ao mercados emergentes, Gita projeta que esse conjunto de países deve ter um "crescimento estável ao redor de 5% a partir de 2020".

Efeitos de Brumadinho

O FMI também avaliou os efeitos do colapso da barragem da Vale em Brumadinho (MG)  na indústria de minério de ferro. Em relatório, o fundo diz que a tragédia terá ramificações para a indústria, que pode experimentar uma parada prolongada das operações em algumas minas de minério de ferro e uma desaceleração de novos projetos.

O FMI observa que o rompimento da barragem, que ocorreu dia 25 de janeiro, já afetou o mercado internacional de metais, provocando "aumento acentuado" nos preços do minério de ferro. Entre fevereiro deste ano e agosto do ano passado, as cotações subiram 28,8% por problemas na oferta nas maiores mineradoras do mundo.

Além da barragem da Vale em Minas Gerais, o FMI menciona ainda um descarrilamento de um trem da mineradora BHP em novembro de 2018 e um incêndio em um terminal de exportações da Rio Tinto em janeiro.

O FMI estima que seu índice de metais de base deve ter alta de 2,4% em 2019, mas em 2020 deve cair 2,2%. Sobre as previsões para seu índice de metais, o Fundo alerta que uma desaceleração mais rápida da economia mundial e uma diminuição do crescimento da China podem levar a revisões para baixo no número. Já um aumento da demanda pela China pode provocar elevação da estimativa.

Ao final de 2018, o índice de metais de base havia caído ao menor nível em 16 meses por conta da desaceleração da economia mundial, sobretudo na China, e tensões no comércio internacional.

 

*Com informações do Estado de S. Paulo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

CRISTO 2.0 — Desta vez é diferente

Ainda que tivéssemos sofrido as mazelas da crise de 2008, a verdade é que a recuperação no Brasil veio em formato de V, muito em função do fato de termos as condições para adotar medidas contracíclicas

Leve correção

Ibovespa abre em leve queda, aguardando novidades no front político

Após quatro altas consecutivas, o Ibovespa cede a um ligeiro movimento de realização de lucros e opera em queda; o dólar à vista sobe e aprece na casa de R$ 3,83

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Chá inglês para a rainha e o primeiro-ministro

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

no patamar baixo

Confiança do consumidor sobe 1,9 ponto em junho em comparação a maio

Apesar da alta, o índice se mantém em patamar baixo em termos históricos, ponderou a FGV, que diz que a melhora foi determinada pela calibragem das expectativas

fala senador

‘Se for verdade, ultrapassou o limite ético’, diz Alcolumbre sobre Moro

O senador observou, contudo, que não é possível dizer que o conteúdo das mensagens reveladas pelo site seja verdadeiro

IPCA-15

Prévia da inflação tem alta de 0,06% em junho e atinge índice mais baixo para o mês desde 2006

Em 2019, o índice já acumula uma alta de 2,33%. Nos últimos 12 meses, encerrado em junho, a taxa chega a 3,84%. Passagens aéreas foram os itens individuais com maior impacto no índice do mês

O pior já passou

BC reitera importância das reformas e não da Selic para retomada da economia

Ata do Copom diz que juro atual estimula atividade e que redução de incerteza vai impulsionar investimento privado. Selic deve ficar em 6,5% por mais tempo

Guerra comercial

China diz esperar que reunião entre Trump e Xi solucione ‘questões pendentes’

Como parte dos preparativos para o encontro que deve ocorrer durante a reunião do G20, o Representante Comercial dos EUA, Robert Lightizer, falou ontem com o principal negociador de Pequim, o vice-primeiro-ministro Liu He

olho nas eleições

Bolsonaro provoca Doria e fala em 2022

Ao comentar as negociações para a transferência das provas da Fórmula 1 para o Rio de Janeiro, Bolsonaro afirmou que o governador de São Paulo, João Doria, deveria “pensar no País”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements