Menu
2019-06-10T22:59:29+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Cenário incerto

Extensão política do caso Moro passa pela postura do centrão

Congresso deve apreciar crédito de R$ 249 bilhões pedido pelo governo e votação pode ser um indicativo da avaliação do Congresso

11 de junho de 2019
5:15 - atualizado às 22:59
Sergio Moro
Ministro Sérgio Moro entrega pacote anticrime para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Imagem: J.Batista/Câmara dos Deputados

Conversei com gente da política e do mercado ao longo da segunda-feira e não obtive uma resposta ou avaliação unânime sobre o eventual impacto que o caso envolvendo Sergio Moro pode ter sobre a agenda de reformas e nas cotações no mercado. O que mais ouvi é que ainda é cedo para avaliar o potencial de estrago.

No entanto, um termômetro pode vir ainda hoje com as articulações e placar de votação do PLN4 que trata de autorizar o governo a captar até R$ 248,9 bilhões para arcar com despesas correntes, como Previdência, Bolsa Família e Plano Safra.

A oposição já disse que vai obstruir toda e qualquer tentativa de votação e apesar de ser muito boa em fazer isso, não dispõe dos votos necessários para barrar esse projeto. Assim, a definição, virá de qual será a postura dos deputados e senadores do centro, ou centrão, e daqueles que se dizem independentes.

Quando o centro compõe com a oposição, o governo perde e vimos isso durante boa parte da tramitação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Quando o governo se acertou com o centro, o projeto foi votado com folga na comissão.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O projeto que trata da “regra de ouro” das finanças públicas será votado primeiro na Comissão Mista de Orçamento (CMO), em sessão prevista para 11 horas. À tarde tem de ser referendado por deputados e senadores em sessão do Congresso. O governo e suas lideranças dizem já ter um acordo, mas em política tudo pode mudar muito rápido.

Os parlamentares devem adotar o habitual pragmatismo e aprovar o crédito, já que a falta de recursos para aposentados e Bolsa Família facilmente cairia no colo do Congresso.

Mas extrapolando o cenário, para o lado que centro pender a questão envolvendo Moro e os procuradores da Lava Jato pode pender também. A abertura de CPI e convocações para prestar esclarecimentos só se confirmam com uma composição do centro com a oposição.

A postura do governo com relação o tema também será relevante. O Planalto pode tentar tratar do tema como um “problema” mais do ex-juiz Sergio Moro que do ministro Sergio Moro. Mas isso tem de ser feito com grande habilidade, para não passar a imagem de que o ministro mais popular do governo está sendo “rifado”.

A movimentação nas redes sociais também foi e deve continuar forte. Ontem mesmo, além de hashtags envolvendo Moro e a Lava Jato, a votação do crédito extraordinário também tinha expressivo número de tuítes, mais de 80 mil, com “#AprovaPLN4”.

No meio disso, fica a expectativa com relação ao relatório de Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a reforma da Previdência.

O dia reserva uma aguardada reunião de governadores para tentar fechar uma posição sobre a participação dos entes federados na reforma.

Depois de sugerir que Moro deveria se afastar do cargo, o presidente da Comissão Especial da reforma, deputado Marcelo Ramos (PR-AM) voltou a afirmar que vai se dedicar a blindar a reforma da Previdência.

Seria interessante que essa blindagem antibombas, ou "bombinhas" para usar expressão de Paulo Guedes, funcionasse.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Apoio declarado

Em podcast, Maia diz que decisão do governo de transferir Coaf para BC é boa

Presidente da Câmara afirmou também que a Casa irá discutir a proposta de autonomia do Banco Central

Seu Dinheiro na sua noite

Belo, recatado e dólar

Foi Edmar Bacha, um dos criadores do Plano Real, quem ensinou a jamais fazer previsões sobre o dólar. É dele a conhecida frase de que a taxa de câmbio foi criada por Deus apenas para humilhar os economistas. Hoje foi um típico dia de humilhação para quem acompanha o mercado financeiro. Mesmo com o noticiário […]

Google e Facebook na mira

Procuradores dos EUA preparam investigação antitruste de gigantes de tecnologia

Investigações devem se concentrar no uso de algumas plataformas de tecnologia dominantes para ofuscar a concorrência

Dança das cadeiras

Receita confirma substituição do subsecretário-geral João Paulo Ramos Fachada

Servidor de carreira, Fachada era o número dois da Receita e é, na prática, o responsável pela gestão do dia a dia do Fisco

Agilidade

Líder do governo defende votar reforma tributária em 45 dias no Senado

Se executado, o prazo coincidiria com a tramitação da reforma da Previdência na Casa

Grupo das aéreas

Avianca Brasil deixará Star Alliance em setembro

Com o movimento, a rede global de companhias aéreas não terá mais empresas brasileiras entre seus membros

Enquanto isso, no Congresso...

Projeto de Lei que reduz para 1% royalties de campos de petróleo marginais avança no Congresso

PL 4663/2016, de autoria de Beto Rosado (Progressista/RN) propõe cortar de 10% para 1% o royalty sobre a produção de campos marginais

BR Distribuidora na conta

Postos ‘bandeira branca’ ganham força e geração de caixa de gigantes de distribuição decepcionam no 2º tri

No centro do problema, as gigantes do setor BR Distribuidora, Raízen Combustíveis e Ipiranga apontaram um vilão em comum: a crise econômica

Expectativas

Vice-presidente da Toyota Brasil diz que venda direta deve chegar a 50% no país em 2019

Vendas diretas são como o setor chama os veículos vendidos pelas montadoras diretamente para os clientes

Comércio com o exterior

Balança comercial tem superávit de US$ 701 milhões na terceira semana de agosto

Em agosto, o superávit acumulado é de US$ 1,222 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 29,697 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements