Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Estrangeiro voltou a comprar dólar no pregão de ontem

Movimentação foi pouco expressiva, mas elevou “aposta” do estrangeiro a US$ 38 bilhões

9 de outubro de 2018
10:13
Imagem: Creative Commons/Pixabay

Pela oscilação e comportamento de preço do dólar se esperava uma movimentação maior no mercado futuro de moeda americana no pregão de segunda-feira, que marcou o ajuste de posições após o primeiro turno das eleições. Mas os dados da B3 contam outra história.

Os investidores estrangeiros, que carregam a maior posição em dólar futuro e cupom cambial (DDI, juro em dólar), fizeram um modesta compra de US$ 124,5 milhões, elevando seu estoque de posição comprada a US$ 37,945 bilhões. Para dar um parâmetro, na abertura do mês chegamos a ver uma venda de US$ 8 bilhões em apenas dois pregões.

Os grandes vendedores de moeda foram os fundos de investimento, com US$ 854,7 milhões. Com isso, ampliaram a posição vendida para US$ 21,1 bilhões.

Os bancos também atuaram na ponta de compra. Foram US$ 637 milhões, que reduziram marginalmente a posição vendida para US$ 19 bilhões.

O dólar terminou o dia com queda de 2,4%, negociado a R$ 3,76, menor cotação em dois meses. Como o preço é determinado por essas negociações no mercado futuro, essa tímida movimentação sugere algum cautela dos investidores, que pode (ou não) se confirmar nos próximos pregões. O feriado no mercado americano pode ser uma das explicações.

A avaliação sobre possíveis perdas e ganhos com as posições é sempre feita em tese, pois não sabemos a que preço a compra ou venda foi feita. Além disso, esses agentes podem ter posições em moeda estrangeira no mercado à vista e em derivativos de balcão. Bancos, por regra, não podem ter exposição cambial direcional. É uma medida prudencial.

Ibovespa Futuro

Com a bolsa registrando o melhor pregão do ano e volume recorde na linha dos R$ 30 bilhões, a movimentação com contratos futuro do Ibovespa foi intensa.

O não residente vendeu quase 37,5 mil contratos, reduzindo sua posição comprada líquida a 50.688 contratos.

Na ponta de compra estavam os fundos de investimento, que tomaram mais de 40,6 mil contratos. Com isso, a posição líquida vendida caiu a 50.875 contratos.

Tanto os fundos quando os estrangeiros estão mais “leves” em Ibovespa futuro, com as menores posições líquidas desde o começo de junho. Vale lembrar que a posição era muito mais “pesada” no fim de setembro. Os fundos estavam vendidos em 180.809 contratos e os estrangeiros comprados em 174.785 contratos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Clima está tenso

“O governo é um deserto de ideias”, afirma Maia

Na avaliação do presidente da Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “uma ilha” dentro do Executivo

Um toma lá da cá

Em discurso, Bolsonaro diz que responsabilidade sobre a previdência está com o Parlamento

“Não é uma questão de governo, e sim de estado, para que nós do Brasil não experimentemos situações que outros países enfrentaram, como na Europa”, disse o presidente

Aliados

Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo

Em um gesto de apoio a Maia, o PPS recebeu o presidente da Câmara em sua convenção nacional realizada hoje em Brasília

Águas passadas?

Maia diz que atrito com governo em relação à Previdência é “página virada”

Ele falou com jornalistas antes de uma breve participação em congresso do PPS, em Brasília

Bon Vivant

Saiba quais são as maratonas preferidas de quem trabalha no mercado financeiro

Boston, Chicago, Nova York e Berlim estão entre as competições preferidas, mas a lista inclui também provas exóticas

Tempos ruins para a empresa

Dívida da Avianca dá “salto” e agora é de R$ 2,7 bilhões

A alteração no valor da dívida ocorreu em dois momentos. Em janeiro, a companhia atualizou a primeira lista para R$ 1,3 bilhão por conta própria. Protocolada ontem na Justiça, a segunda modificação, para R$ 2,7 bilhões, veio depois de pedido dos credores

Será que vem chumbo quente por aí?

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação

Os monitoramentos são feitos pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que tem por missão se antecipar aos fatos para evitar problemas para o governo

Clima pesado no governo

“Não dei motivo”, diz Bolsonaro sobre a saída de Maia da articulação

O presidente disse que a declaração de seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), com críticas a Maia por adiar a tramitação do projeto anticrime, não é motivo para ele ameaçar sair da articulação política

Polêmica

Bretas usou proposta rejeitada no Congresso para prender Temer, diz jurista

Thiago Bottino afirmou que tanto os procuradores do Ministério Público Federal quanto Bretas se fundamentaram no item número 9 do pacote das “Dez medidas contra a corrupção”, apresentado em 2016 por integrantes da Lava Jato, para prender Temer

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: do país das maravilhas à dura realidade

 A segunda-feira começou com o Ibovespa aos 100 mil pontos, um marco histórico na bolsa de valores brasileira. O clima azedou e o índice fechou na sexta abaixo de 94 mil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu