Menu
Nova estratégia

Cielo vai focar em pequenos comerciantes e microempreendedores, diz Caffarelli

Segundo presidente da companhia, Paulo Caffarelli, Cielo ampliará atuação para voltar a ter lucro na casa dos R$ 4 bilhões

1 de fevereiro de 2019
8:20
Paulo Caffarelli, presidente da Cielo - Imagem: Sérgio Neves/Estadão Conteúdo

Pressionada pela maior concorrência no mercado de "maquininhas" de pagamento, a Cielo vê um ano de 2019 mais desafiador. Líder no setor, a companhia - controlada pelo Bradesco e Banco do Brasil - está revendo suas estratégias. Sob o comando de Paulo Caffarelli, ex-presidente do BB, desde novembro do ano passado, a Cielo vai mirar pequenos comerciantes e microempreendedores, público-alvo da rival PagSeguro, do Uol, para ganhar escala. A seguir, os principais trechos da entrevista.

A concorrência neste setor cresceu. Qual o grande desafio da Cielo neste momento?
Depois de um período atuando sozinha no mercado, todo mundo decidiu entrar neste jogo. Hoje são seis grandes (companhias). O desafio que a Cielo tem hoje é mudar a cultura - de uma empresa que trabalhava numa disputa centrada para uma arena mais acirrada. Temos de olhar para dentro de casa e nos reinventar.

A Cielo quer estar presente em todos os mercados. É possível atender de grandes empresas a microempreendedores?
Uma empresa do tamanho da Cielo consegue ser boa em tudo. Até hoje foi assim. E, agora, com a nossa reorganização de estratégia de preço, temos total condição de liderar todos os segmentos.

Ao reforçar sua força de vendas própria, a Cielo quer se distanciar dos bancos?
A Cielo quer, cada vez mais, ter uma relação com os bancos dentro da governança corporativa, mas ao mesmo tempo ter uma relação de parceria com os sócios e outras instituições. Para ir para o jogo e ter as mesmas armas que meus competidores, preciso ter independência - e ela já está acontecendo seja por conta do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), da relação com os sócios ou da necessidade que a companhia tem para fazer isso.

Para atrair parceiros, a Cielo não precisa ser dissociada dos bancos controladores?
Hoje temos grandes negócios com a Caixa Econômica Federal e ela não é nossa sócia. Outros bancos já estão batendo na nossa porta. Temos apoio irrestrito e conscientização dos nossos acionistas de que a Cielo precisa ser independente.

Como a Cielo vai fazer seu lucro voltar a crescer em 2020?
Existe uma expectativa que isso ocorra à medida que passaremos a atuar com microempreendedores, pequenas e médias empresas. Temos um mix (de atuação) muito focado em grandes contas, nas quais a margem é menor. Quando se muda esse mix, você tende a melhorar a rentabilidade. A gente acredita que, com maior volume de credenciamento, vamos mudar o mix e melhorar o desempenho da empresa.

A mudança no mix será suficiente para fazer o lucro da Cielo voltar a crescer?
Sim. E também o aumento de escala junto às pequenas e médias empresas.

A Cielo abriu o capital há dez anos. Neste período, a companhia foi de queridinha a ovelha negra do mercado. Como voltar ao que era antes?
Não vou falar do passado. Olhando para a frente, temos a obrigação de transformar e adaptar a Cielo à uma realidade nova. Isso implica em uma mudança de estratégia e também cultural. É muito importante hoje que tenhamos a conscientização de que aquela empresa que tinha exclusividade em 2009 não existe mais. Nosso grande desafio é transformar a Cielo, com todo o seu conhecimento, em uma empresa absolutamente competitiva.

A empresa analisa sair da Bolsa, como fez o Itaú Unibanco com a Rede?
Esse é um assunto dos acionistas. Neste momento, não é objeto de discussão.

Na Cielo, diferentemente do seu discurso à frente do BB, a ideia é ganhar fatia de mercado?
Sim. É isso ou você está fora. Se você não for para a briga, você está fora.

Qual o foco da sua gestão?
O foco principal é que a Cielo continue como líder do mercado e que isso faça com que a empresa volte a ter lucro de R$ 4 bilhões e rentabilidade dentro da expectativa dos seus acionistas (a empresa registrou lucro de R$ 3,3 bilhões em 2018).

Para este ano, a expectativa é de lucro de, no máximo, R$ 2,6 bilhões...
A Cielo dos R$ 4 bilhões, neste momento, deixou de existir. Teremos uma Cielo de R$ 2,6 bilhões, mas que renderá muito mais no futuro e com mais robustez para voltar ao jogo.

Voltar atrás é a saída para a sustentabilidade da Cielo?
É isso que vai garantir a sustentabilidade da Cielo. Mais do que isso, estamos debruçados em adaptar a Cielo à transformação digital.

Como faz isso?
Pode ser feito via desenvolvimento, aquisições, joint ventures. Temos várias opções.

Que tamanho a Cielo quer ter junto aos microempreendedores, mercado da PagSeguro?
A Stelo continua sendo nossa marca de combate, mais vendida em bancos e redes sociais. Vamos conciliar a expertise da Stelo com o que estamos desenvolvendo dentro da companhia para a venda de maquininhas com a marca Cielo. Nossa estratégia é combinada, mas a abordagem é diferente. As maquininhas da Cielo serão vendidas nos mesmos canais que os nossos concorrentes.

A Cielo está preparada para um mercado sem maquininhas?
Isso será natural no futuro. Trabalhamos em um cenário no qual a maquininha pouco importa. O que mais vai importar é a maneira como o consumidor decidirá fazer o pagamento. Débito na China não tem cartão. Para crédito, tem. O mais importante é ter um equipamento que possa receber qualquer tipo de pagamento.

O sr. acredita na retomada do consumo mesmo em um cenário de não aprovação da reforma da Previdência?
A economia já está respondendo. Mas, se a reforma da Previdência não passar, todos serão atingidos. Temos de torcer para que haja uma conscientização dos nossos dirigentes, principalmente, do poder Legislativo, da necessidade que temos de aprovar essa reforma.

Sua saída do BB foi motivada pela troca de governo?
Nunca pensei nisso. Estava há dois anos e seis meses no banco, fechando meu ciclo, quando surgiu o convite. Sempre tive uma relação próxima com a Cielo, fui presidente do conselho de administração da companhia. O convite me despertou o desafio de poder fazer parte da Cielo em um momento tão competitivo como esse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu