Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros mais baixos

Cadastro positivo de crédito a um passo de virar realidade

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Sendo aprova relatório e matéria pode ir ao Plenário ainda nesta quarta-feira

13 de março de 2019
12:16
Dinheiro - Imagem: Shutterstock

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou o relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) sobre o projeto que modifica o chamado cadastro positivo de crédito. A medida, defendida pelo Banco Central, cria um banco de dados com informações sobre os “bons pagadores”, que poderão ter acesso a juros mais baixos nas suas operações.

A proposta teve origem no Senado, foi para a Câmara dos Deputados, onde foi alterada, e retornou à Casa de origem nesta semana. Com o relatório de Tasso aprovado, o texto precisa ir o Plenário no Senado, o que pode acontecer ainda nesta quarta-feira. A medida ainda precisará ser regulamentada, após sua sanção.

Todos conhecemos o cadastro negativo de crédito, que lista os devedores que estão com o “nome sujo” no Serasa/SPC. A ideia do projeto é criar um cadastro positivo, ou seja, pontuando o consumidor que paga suas faturas e demais contas (luz, água, telefone ) e financiamentos em dia.

O que esse projeto faz, na prática, é um retorno à proposta original de criação do cadastro positivo que existe desde junho de 2011, mas não “pegou”, por assim dizer, pois foi deformado durante a tramitação na Câmara dos Deputados.

O ponto central da proposta é a adoção do modelo “opt-out”. Todos os cidadãos com CPF estão automaticamente inscritos nos bancos de dados. Quem não quiser fazer parte comunica ao gestor do banco de dados sua vontade de ficar fora.

O modelo que está em vigor atualmente é de “opt-in”, ou seja, o consumidor tem de declarar expressamente a vontade de fazer parte do banco de dados. As estimativas são de que cerca de apenas seis milhões de CPFs estão no cadastro positivo para uma população adulta superior a 150 milhões de pessoas no país.

A expectativa é que com melhor informação sobre o histórico de crédito, bancos, financeiras e fintechs possam praticar taxa de juros mais condizentes com o perfil do tomador. A ideia é acabar com aquela história de que o bom pagador acaba pagando a conta dos caloteiros via taxas de juros mais elevadas.

O projeto prevê que o BC apresente dados de forma periódica medindo o impacto do cadastro positivo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A medida faz parte da “Agenda BC mais” e o BC espera que ela ajude a reduzir o spread bancário – diferença entre o custo do dinheiro para o banco e para o tomador final. Na decomposição do spread, a inadimplência está entre os principais fatores que fazem o juro no Brasil ser tão elevado em comparação com outros pares.

No relatório original na matéria, feito em 2017, pelo ex-senador Armando Monteiro, há um estudo da Associação Nacional dos Birôs de Crédito (ANBC) mostrando que o cadastro positivo poderia reduzir o spread em 4 pontos percentuais, com impacto de redução permanente na taxa de juros estrutural da economia em 1 ponto percentual.

Outro estudo da ANBC também mostrou que o cadastro positivo poderia incluir mais de 22 milhões de pessoas no mercado de consumo.

Comentários
Leia também

Quem é a Pi

Somos uma plataforma aberta de investimentos formada por um time com pessoas de diferentes perfis, unidos por um único propósito: ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente. #Simples, porque temos uma loja de investimentos 100% digital a sua disposição mesmo antes de você abrir a conta; #Seguro […]

Que Bolsa é Essa?

A crise da Boeing com o 737 MAX pode afetar a Embraer depois da fusão?

Ainda vejo valor escondido nas ações da Embraer, que deve aparecer mais claramente conforme a combinação das duas empresas for amadurecendo, e a posição é uma boa proteção contra uma forte escalada do dólar no curto prazo

A Bula do Mercado

Novela política perde audiência do mercado

Mercado financeiro quer se desviar dos ruídos políticos em Brasília e concentrar as atenções na questão econômica

IR 2019

Como declarar dependentes no imposto de renda 2019

Ganhos e despesas de dependentes também devem ser declarados. Confira como incluir todas as informações da forma correta na sua declaração do IR

É hoje, às 14 hrs

Guedes na Câmara será teste de insatisfação com o governo

Ministro da Economia encara deputados na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) em evento que pode dar boa medida se o novo lema “tudo pela paz” vai funcionar

ADVOGADA DO INVESTIDOR

Podcast: Meu primeiro investimento

Luciana Seabra e Julia Wiltgen contam como começaram a se aventurar como investidores e dão dicas para quem quer dar o primeiro passo

Após operação da PF

BC bloqueia R$ 23 milhões de Coronel Lima e R$ 8,2 milhões de Michel Temer

Valor bloqueado estava guardado em três contas do ex-presidente. Resultado do bloqueio foi encaminhado ao juiz Marcelo Bretas

Na mira

S&P coloca rating da Natura em observação para um potencial rebaixamento

Agência de classificação de risco aponta que as negociações para a compra da Avon poderiam impactar negativamente na nota da empresa

A crise vem de dentro

Líder do PSL na Câmara diz que nem o próprio partido de Bolsonaro está convencido sobre a reforma da Previdência

Delegado Waldir afirmou que o projeto de lei sobre a previdência dos militares causou muito descontentamento entre os parlamentares

Fora Temer

Temer deixa sede da Polícia Federal no Rio

Ex-presidente deve voltar para São Paulo, local onde mora e foi preso

Trégua?

Bolsonaro vai procurar a paz por meio da interlocução

General Rêgo Barros destacou que presidente está aberto ao diálogo com Rodrigo Maia e demais congressistas e que fará todos os esforços para aprovação da reforma da Previdência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu