Menu
2019-03-21T06:30:24+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

O peso da suavidade

Tom ameno do Federal Reserve na comunicação levanta dúvidas sobre economia dos EUA e proposta suave para os militares põe em risco aprovação da reforma da Previdência

21 de março de 2019
5:33 - atualizado às 6:30
reformamilitar
Já o Comitê de Política Monetária (Copom) poderia ter sido brando, mas foi neutro

O Federal Reserve foi muito ameno na comunicação, ao anular a previsão de alta da taxa de juros neste ano, o que deixou o mercado financeiro receoso em relação ao crescimento nos Estados Unidos. Da mesma forma, o governo Bolsonaro entregou uma proposta suave demais para a Previdência dos militares, colocando em dúvidas a aprovação da reforma inteira. Já o Comitê de Política Monetária (Copom) poderia ter sido brando, mas foi neutro.

Na primeira reunião sob o comando do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a autoridade monetária reconheceu que há maior simetria na avaliação dos riscos à inflação. Ainda assim, o Copom repetiu o mantra recente e disse que é preciso ter “cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária”, praticamente descartando qualquer novo corte na Selic - por ora.

Segundo o Copom, a continuidade do processo de ajustes à economia brasileira segue como essencial para a manutenção da inflação baixa e dos juros neutros. E os riscos à aprovação efetiva das novas regras para aposentadoria tendem a desempenhar um papel fundamental nos próximos passos de política monetária, já que a atividade está em um “ritmo aquém do esperado”.

A questão é que o Copom (e o mercado financeiro) sabe que juros baixos nem sempre é o suficiente para estimular a economia. A política monetária tem seus efeitos, mas também suas limitações, e sem a ajuda do lado fiscal, com um controle dos gastos públicos e a geração de superávit das contas nacionais, o Brasil seguirá sem forças para crescer. Mas isso também não significa que a reforma da Previdência irá, sozinha, içar o país.

Pá de cal

Mesmo assim, é essencial que o Congresso aprove uma reforma robusta, com o mínimo de alterações à versão ambiciosa apresentada há um mês pelo governo. O problema é que, de lá para cá, houve pouco avanço dessa pauta na Câmara e também na articulação política do governo com os deputados. A “pá de cal” veio da proposta de reforma da aposentadoria dos militares, que foi acompanhada de um plano de reestruturação de carreiras do setor.

Segundo cálculos do governo, a reforma da Previdência dos militares irá gerar uma economia de R$ 10,45 bilhões em dez anos, o que representa apenas 1% da economia prevista com a reforma dos civis e corresponde a somente 11% da estimativa original, de economizar R$ 92,3 bilhões com os não civis. Essa diferença se dá por causa do custo de R$ 86,85 bilhões em dez anos com a revisão de cargos e benefícios da categoria.

Apesar de a proposta prever um aumento no tempo de serviço na ativa dos militares e da alíquota de contribuição, ficou a sensação de que a categoria não está “dando o exemplo”, enquanto o governo pede “sacrifício” à população com regras mais dura para aposentadoria. O déficit da Previdência dos militares foi o que cresceu mais rápido no ano passado e não houve muito esforço para reduzir esse rombo - nem os privilégios.

O problema é a sinalização que essa proposta mais branda provoca em outras categorias, como a dos servidores públicos civis, além de servir de munição à oposição. Ao que tudo indica, os militares estão mesmo querendo entrar no “fim da festa”, conforme afirmou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, referindo-se a eventuais benefícios concedidos à categoria na proposta. Mas aí todos vão preferir ficar mesmo de fora...

Garoto enxaqueca

Apesar da “frase infeliz”, Maia não poupou críticas ao projeto de lei que muda as regras e aposentadoria dos militares. Ele se disse contrário à manutenção de benefícios aos novatos, como a remuneração integral durante a inatividade e a paridade de salários com os ativos. Esses itens foram extintos para os novos servidores.

Mas os militares não foram os únicos alvos. Maia também foi duro com o ministro Sergio Moro, desqualificando o projeto anticrime apresentado por ele, que seria uma versão de “copia e cola”, e chamando-o de “funcionário do presidente Jair Bolsonaro”, que “conhece pouco a política”, após críticas do ex-juiz sobre a suspensão da tramitação da pauta da Justiça na Câmara. Moro rebateu e disse que o “caso requer urgência” na análise.

O presidente da Casa tem sido o principal defensor da reforma da Previdência no Congresso, mas também tem demonstrado várias vezes o desconforto com a falta de apoio do governo na tramitação da matéria. Maia reclama que tem levando demanda dos deputados, mas o governo não arruma a articulação política.

Assim, os ataques aos militares e a Moro, em menos de 24 horas, são um risco à votação das novas regras para aposentadoria na Câmara. Resta saber quanto tempo irá levar para o governo perceber que é importante ter Maia como aliado e o quanto a queda relâmpago na popularidade de Bolsonaro pode travar as negociações com os parlamentares.

Segundo o Ibope, a proporção de quem considera o governo Bolsonaro bom ou ótimo caiu de 49% em janeiro para 39% em fevereiro, chegando a 34% em março. Trata-se de uma queda de 15 pontos em menos de 100 dias de mandato, no pior desempenho registrado para esse início de gestão no Palácio do Planalto desde a redemocratização.

Apesar de a proposta de reforma da Previdência ser “o centro de gravidade” do governo, o presidente viaja novamente hoje. Desta vez, para o Chile. Em seu aniversário de 64 anos, ele participa de um encontro de cúpula com outros chefes de Estado sul-americanos para discutir um novo fórum de desenvolvimento, o Prosul.

É a economia!

Enquanto os ruídos políticos se sobrepõem à questão econômica no Brasil, no exterior, os investidores estão mais preocupados é com as reduções nas previsões do Fed para o rumo da taxa de juros nos EUA. O corte drástico de dois para nenhum aperto monetário neste ano suscitou dúvidas quanto ao crescimento econômico norte-americano à frente.

Ao mesmo tempo, a redução à metade no resgate de títulos, para US$ 15 bilhões mensais a partir de maio, e o reinvestimento desses papéis a partir de setembro deixa a sensação de que a maior economia do mundo pode precisar de estímulos, com riscos de cair em recessão em 2020 e estourar uma bolha de crédito. Com isso, o Fed prevê ainda um aumento dos juros no ano que vem.

Diante desse mosaico, os índices futuros das bolsas de Nova York seguem no vermelho, após encerrar em baixa a sessão de ontem. Na Ásia, porém, a sessão foi esvaziada, devido a um feriado no Japão, com Hong Kong registrando queda (-0,8%) e Xangai leve alta (+0,4%). Já as praças europeias caminham para uma abertura negativa.

Nos demais mercados, o dólar ensaia uma recuperação em relação às moedas rivais - como o euro, o iene e a libra - mas perde terreno para o xará australiano, após a queda do desemprego na Austrália. Nos bônus, o título dos EUA de 10 anos (T-note) segue próximo a 2,50%. Já o petróleo avança, com o barril do tipo WTI retomando a faixa de US$ 60.

Além do sinal de alerta emitido pelo Fed em relação à economia dos EUA, os investidores também estão preocupados com as incertezas em torno da guerra comercial e da saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit. O presidente norte-americano Donald Trump disse que irá manter as tarifas até a China se comprometer com um acordo.

Já Pequim está com receio de selar um pacto com Washington, sem antes ter a contraparte de eliminar as barreiras tarifárias, sob o risco de Trump não cumprir o prometido. Ainda mais após o líder da Casa Branca afirmar que pretende deixar as sobretaxas por um período “substancial”, eliminando as chances de reversão.

Hoje é a vez do BC inglês

Após as decisões de juros dos bancos centrais do Brasil e dos EUA, ontem, hoje é a vez do BC da Inglaterra (BoE), às 9h. O evento ganha destaque pois acontece um dia após a primeira-ministra britânica, Theresa May, solicitar à UE um adiamento do prazo para o Brexit, sob o risco de sair do bloco comum sem nenhum acordo.

Originalmente, o Brexit está previsto para acontecer na sexta-feira da semana que vem, dia 29. Em carta, porém, May pediu uma extensão até 30 de junho, sinalizando que a prorrogação pode ser curta. O pedido de May precisa do aval do Parlamento britânico, ao passo que o Conselho Europeu reúne-se hoje para discutir a saída do Reino Unido.

Entre os indicadores econômicos, destaque para a leitura preliminar deste mês do índice de confiança do consumidor na zona do euro (12h). Pela manhã, às 9h30, saem o índice de atividade na região da Filadélfia (EUA) e os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos no país, além dos indicadores antecedentes (11h). No Brasil, a agenda está esvaziada.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

câmara e senado juntos

Alcolumbre diz que Congresso já tem votos para aprovar a Previdência

Senador falou que o processo todo deve ser concluído após o recesso parlamentar; expectativa é que a Câmara finalize a sua parte antes das férias de julho; senado retoma a discussão em agosto

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Exile on Wall Street

CRISTO 2.0 — Desta vez é diferente

Ainda que tivéssemos sofrido as mazelas da crise de 2008, a verdade é que a recuperação no Brasil veio em formato de V, muito em função do fato de termos as condições para adotar medidas contracíclicas

Leve correção

Ibovespa abre em leve queda, aguardando novidades no front político

Após quatro altas consecutivas, o Ibovespa cede a um ligeiro movimento de realização de lucros e opera em queda; o dólar à vista sobe e aprece na casa de R$ 3,83

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Chá inglês para a rainha e o primeiro-ministro

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

no patamar baixo

Confiança do consumidor sobe 1,9 ponto em junho em comparação a maio

Apesar da alta, o índice se mantém em patamar baixo em termos históricos, ponderou a FGV, que diz que a melhora foi determinada pela calibragem das expectativas

fala senador

‘Se for verdade, ultrapassou o limite ético’, diz Alcolumbre sobre Moro

O senador observou, contudo, que não é possível dizer que o conteúdo das mensagens reveladas pelo site seja verdadeiro

IPCA-15

Prévia da inflação tem alta de 0,06% em junho e atinge índice mais baixo para o mês desde 2006

Em 2019, o índice já acumula uma alta de 2,33%. Nos últimos 12 meses, encerrado em junho, a taxa chega a 3,84%. Passagens aéreas foram os itens individuais com maior impacto no índice do mês

O pior já passou

BC reitera importância das reformas e não da Selic para retomada da economia

Ata do Copom diz que juro atual estimula atividade e que redução de incerteza vai impulsionar investimento privado. Selic deve ficar em 6,5% por mais tempo

Guerra comercial

China diz esperar que reunião entre Trump e Xi solucione ‘questões pendentes’

Como parte dos preparativos para o encontro que deve ocorrer durante a reunião do G20, o Representante Comercial dos EUA, Robert Lightizer, falou ontem com o principal negociador de Pequim, o vice-primeiro-ministro Liu He

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements