Menu
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado dividido entre estímulo e crescimento

10 de janeiro de 2019
5:42
Fracasso nas negociações comerciais prejudica atividade global e ofusca tom suave do Federal Reserve

O mercado financeiro ainda não sabe qual caminho trilhar em 2019. De um lado, os investidores redobram a cautela em relação ao impacto da guerra comercial na atividade econômica global, após a declaração decepcionante sobre a questão comercial sino-americana e dos dados fracos sobre a inflação na China.

De outro, os ativos de riscos - emergentes, principalmente - tentam tirar proveito da retórica mais suave (“dovish”) do Federal Reserve em relação à condução da taxa de juros norte-americana neste ano, após a ata da reunião de dezembro, divulgada ontem, mostrar insegurança quanto à necessidade de novos apertos.

Nessa encruzilhada, os investidores ficam sem rumo. Afinal, a ausência de progresso em temas delicados nas negociações entre Washington e Pequim mostra que as expectativas por um desfecho comercial rápido estavam sendo construídas “no vazio” e as duas maiores economias do mundo seguem em embate.

Ainda se espera avanços em áreas problemáticas, como os subsídios chineses às empresas e a proteção à propriedade intelectual. Além disso, o presidente Donald Trump enfrenta dificuldades internas para encerrar a paralisação do governo (shutdown), que entra hoje no vigésimo dia e pode impactar a economia.

O republicano deixou ontem um encontro na Casa Branca com líderes da oposição, alegando que a discussão era uma total “perda de tempo”. Ele culpou os democratas de não estarem dispostos em negociar, enquanto insistia na verba para a construção de um muro. Para Nancy Pelosi, a abordagem de Trump foi “patética”.

Risco em baixa

Diante de tantos reveses, o mercado financeiro não consegue se escorar apenas na possibilidade de manutenção da política monetária do Fed neste ano, sob a égide de menor escassez de recursos. O receio com a desaceleração econômica pesa e inibe o apetite por risco entre os investidores, aguçando a volatilidade.

As principais bolsas asiáticas fecharam em queda, sendo que as perdas foram lideradas por Tóquio (-1,3%), após Xangai e Hong Kong diminuírem a desvalorização e encerrarem com leves baixas. Além da falta de detalhes sobre os próximos passos entre Estados Unidos e China, pesaram os dados chineses.

O índice de preços ao produtor chinês (PPI) desacelerou fortemente em dezembro, a +0,9%, ante alta de 2,7% em novembro, em base anual, sugerindo uma demanda mais fraca no atacado em meio à perda de tração da atividade. A previsão era de alta de 1,5%.

Da mesma forma, a inflação ao consumidor chinês (CPI) subiu 1,9% no mês passado, menos que o avanço de 2,2% no mês anterior, no ritmo mais lento de alta dos preços no varejo em seis meses. O resultado ficou abaixo da estimativa de +2,1%.

Esse números mostram o desafio da China para impulsionar a demanda, em meio à perda de tração da atividade, e também ecoam no Ocidente. Os índices futuros das bolsas de Nova York amanheceram no vermelho, o que penaliza o desempenho das principais praças europeias.

As commodities também perdem força, com o petróleo devolvendo a alta recente, mas o WTI segue acima da faixa de US$ 50 e o Brent, de US$ 60. Os metais básicos estão pressionados. Já o dólar mede forças em relação às moedas rivais, como euro e iene, mas ganha terreno entre as de países emergentes.

Powell fecha o dia

Resta saber, agora, o que o presidente do Fed, Jerome Powell, tem a dizer, após a ata do último encontro do ano passado mostrar a necessidade de mais paciência e cautela na condução do ciclo de alta dos juros. “Jay” participa hoje (15h45) de um evento em Washington e o mercado irá observar se a fala dele seguirá dovish.

Por ora, o Fed ainda prevê mais duas altas em 2019. Mas o mercado financeiro acredita que essa previsão será revista, para baixo, já nas próximas reuniões e ventila até a chance de um corte nos juros, sob argumento da desaceleração global.

Ao longo do dia, nos EUA, serão conhecidos os pedidos semanais de auxílio-desemprego feitos no país (11h30) e os estoques no atacado em novembro (13h). No Brasil, saem dados sobre a safra de grãos neste ano (9h) e números preliminares do IGP-M neste mês (8h).

Terra brasilis

Mas foram os sinais relacionados à proposta de uma reforma da Previdência mais dura que animaram os ativos locais ontem. A combinação de idade mínima mais “adequada”, um ciclo mais curto de transição e um sistema de capitalização aliviaria a pressão de curto prazo na questão fiscal, encerrando a discussão sobre o tema.

Os investidores ainda aguardam medidas mais concretas, como o detalhamento da reforma em si, uma vez que o otimismo com o discurso já está precificado. Ainda assim, o mercado financeiro brasileiro está comprando a ideia de reformas econômicas profundas e antecipa um bom andamento dessa pauta no Congresso.

Com isso, a Bolsa brasileira renovou o recorde de pontuação pela quinta vez neste ano, já na faixa dos 93 mil pontos, enquanto o dólar caiu abaixo de R$ 3,70, no menor nível em mais de dois meses. Porém, esse movimento local só foi possível por causa da melhora do sentimento global.

Votação secreta

Como o Legislativo ainda está em recesso, só será possível medir o apoio às reformas econômicas em fevereiro, quando os protagonistas dessa pauta entram em cena. E antes de apreciarem as medidas propostas pelo governo, deputados e senadores terão de escolher seus presidentes.

Nesse sentido, merece atenção a decisão do Supremo Tribunal Federal contra o recurso que autorizou voto aberto para a eleição no Senado. O presidente da Suprema Corte, Dias Toffoli, derrubou a decisão do ministro Marco Aurélio Mello e manteve a votação secreta na Casa.

Toffoli também negou o pedido feito pelo deputado federal eleito Kim Kataguiri para que a eleição para a presidência na Câmara seja aberta, sob o argumento de que o regimento interno do Congresso prevê votação secreta.

A importância dessa questão é que, caso as votações para as presidências na Câmara e no Senado fossem abertas, os parlamentares poderiam se sentir menos confortáveis em apoiar outros nomes. Send agora fechada, deputados e senadores, principalmente os da “velha política”, podem optar por opositores ao governo.

Afinal, gerou controvérsia a decisão do PSL de apoiar a reeleição de Rodrigo Maia na Câmara. O fato foi bem explorado pelo MBL de Kim Kataguiri, que irá se candidatar ao cargo, e trouxe desconforto a nomes estrelados do partido, como a deputada estadual eleita Janaina Paschoal. Aos olhos dos investidores, porém, o apoio a Maia reforça as chances de aprovação da agenda liberal.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Conteúdo patrocinado por Startse

Milionária sem sair da cama

O caso da inglesa que ficou milionária trabalhando de pijama no quarto – e o número de brasileiros que querem enriquecer da mesma forma.

Novidades à vista?

Em estratégia de “fatiamento” da Abril, Exame deve ficar com o BTG

Segundo uma fonte, o empresário deve buscar compradores não só para a “Exame”, mas também para outras unidades de negócio, como a Casa Cor e o Guia do Estudante

Novidades nos EUA

Não há evidências suficientes para provar o conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia, destaca carta

O procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr, informou agora à tarde (24) às autoridades americanas uma parte do conteúdo do relatório do conselheiro especial do DoJ, Robert Mueller

Investigações

Caixa 2 é o crime eleitoral mais investigado pela Polícia Federal

Entre 2006 e 2016, a maioria dos procedimentos eleitorais abertos pela PF estava relacionada à acusação de compra de voto

Articulação política

Major Vitor Hugo visita Bolsonaro e tenta aproximar Planalto e demais poderes

Ao sair da residência oficial da Presidência da República, Vitor Hugo disse que conversou com Bolsonaro sobre a aprovação da reforma da Previdência e a tramitação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ)

OBRIGADA, LEITOR!

Seis meses com o Seu Dinheiro

Projeto foi lançado em 24 de setembro e já tem mais de 800 mil leitores por mês no site e 65 mil cadastrados para as newsletters diárias. Conheça a linha editorial, saiba quem não somos e como ganhamos dinheiro.

Entrevista com o cientista político

“Presidente não demonstra capacidade de articulação”, afirma Sérgio Abranches

Autor do termo “presidencialismo de coalizão” nos anos 1980, Abranches afirma que “não faz sentido” o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser articulador político de qualquer agenda do governo

Todo mundo se estranhando...

Bolsonaro rebate Maia e cita “velha política”

O presidente também alegou não saber por que Maia anda tão “agressivo” com ele

Bon vivant

Mergulhe no maravilhoso mundo dos cafés especiais

Além de apreciar safras de pequenos produtores, amantes da bebida podem tomar um banho terapêutico ou sobrevoar plantações a bordo de um balão

Fintech

Fundo do BNDES investe em ‘bolsa’ de cotas de consórcio

Com sede na Bahia, o Bom Consórcio funciona como uma plataforma de compra e venda de cotas de pessoas que desistiram ou deixaram de pagar as prestações

IR 2019

Guia: como declarar os seus investimentos no imposto de renda 2019

Você também precisa prestar contas das suas aplicações financeiras ao Leão! Confira nosso guia completo sobre como declarar investimentos no IR 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu