🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
DESDE 1950…

Argentina está em crise, mas… desde quando? Banco Mundial aponta país como recordista de anos em recessão 

Em 1948, PIB per capita da Argentina era de cerca de 84% daquele das dez maiores economias do mundo; hoje, é de 34%

Renan Sousa
Renan Sousa
14 de junho de 2024
19:15 - atualizado às 15:56
Imagem do Banco Central da República da Argentina (BCRA) instituição elevou os juros para 69,5%
Imagem: Divulgação

A Argentina tem sido manchete nos últimos anos pela crise econômica profunda. Mas um relatório do Banco Mundial mostrou desde quando o país tem problemas dessa natureza — e isso faz mais de 70 anos. 

O Banco Mundial mostrou que um de cada três anos foi de recessão para a Argentina. Isso é um histórico pior do que países como Chade, na África Central, Venezuela e Congo. 

Acontece que esse cenário foi recorrente nos últimos 74 anos — ou desde 1950 —, fazendo com que o crescimento da Argentina fosse da ordem de 1,8% até os anos 2000 — bastante abaixo da média mundial, que cresceu 3,2%. 

Além disso, em 1948, Produto Interno Bruto (PIB) per capita da Argentina era de cerca de 84% daquele das dez maiores economias do mundo. 

Vale ressaltar que PIB per capita é uma medida utilizada para avaliar a riqueza econômica de um país, apesar de não mostrar necessariamente índices de desigualdade ou distribuição desses valores.

Em outras palavras, na primeira metade do século XX, nossos hermanos teriam uma renda mais próxima de países desenvolvidos do que aqueles em desenvolvimento, como o próprio Brasil na mesma época. 

Hoje, o PIB per capita da Argentina equivale a 34% da média das dez maiores economias do mundo, colocando o país atrás de nações em desenvolvimento. 

Crise da Argentina: causas e consequências

Essa volatilidade gera não apenas uma altíssima volatilidade do PIB como também interfere nos ciclos da própria economia, como explica Daniel Reyes, economista sênior do Banco Mundial, que elaborou o relatório. 

Outra conclusão também apareceu para o economista: se, nos últimos 50 anos, o país tivesse igualado o ritmo de crescimento médio da América Latina, hoje o PIB per capita seria 60% superior.

Por fim, a visão do Banco Mundial é clara na possível solução para a crise no país: uma maior disciplina fiscal. E as propostas do presidente, Javier Milei, soam como música para os ouvidos dos agentes internacionais.

Tratamento de choque de Milei

O ultraliberal presidente do país já vinha colhendo algumas vitórias do que ele chamou de “tratamento de choque” na economia Argentina. 

Isso porque o país conseguiu registrar quatro meses seguidos de superávit primário, além do esfriamento de uma inflação desenfreada, que acumula 276% de alta em 12 meses, mas arrefeceu a 4,2% em maio. 

Na última quinta-feira (13), Milei obteve mais uma vitória, agora junto ao Senado da Argentina. A Casa Legislativa aprovou a proposta chamada Ley de Bases, também conhecida como Ley Ómnibus, que instaura uma “emergência pública em matéria administrativa, econômica, financeira e de energia” por um ano.

Apesar do pacote incluir uma série de ajustes que podem garantir algum suspiro para as contas públicas e privatizações, para analistas como Matheus Spiess, da Empiricus, os frutos do trabalho de Milie podem começar a rarear. Entenda o porquê aqui. 

Compartilhe

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

ELEIÇÕES NOS EUA

Lula sobre Trump: “Vai tentar tirar proveito”. A declaração do petista sobre a campanha nos EUA após o tiro em comício

16 de julho de 2024 - 19:57

Nas primeiras entrevistas após o atentado, o agora candidato republicano à presidência disse que foi salvo “por sorte ou por Deus”

Grandes demais para quebrar

Bancões americanos ganham mais com área de investimento e gestão de ativos do que com juros

16 de julho de 2024 - 15:04

BofA teve queda na receita com juros de 3%, enquanto o Morgan Stanley amargou redução de 17% nesse item

TÁ CHEGANDO A HORA

Toda unanimidade é burra? Mercado passa a ver 100% de chance de corte de juros nos EUA em setembro

16 de julho de 2024 - 14:38

Há um mês, as probabilidades de que os juros fossem reduzidos em setembro eram de cerca de 70%; entenda o que mudou de lá para cá e entenda se a redução ds juros está mesmo garantida

ELEIÇÕES NOS EUA

Depois do tiro: Trump leva os votos do Partido Republicano e é o candidato oficial — ele também escolhe o vice. Saiba quem é J.D. Vance

15 de julho de 2024 - 18:42

A escolha de Trump representa um salto na carreira de Vance, de 39 anos, que ingressou no Senado como um político recém-chegado há menos de dois anos; saiba o que ele pensa e defende

Eleições nos EUA

Trump (quase) eleito nos EUA após atentado? Como fica o mercado caso o republicano volte ao poder

15 de julho de 2024 - 18:07

Trump leva a Presidência e os republicanos levarão o Congresso e o Senado. Será a Red Wave. Nunca é favorável quando um dos partidos vence as 3 casas pela falta de negociação de acordos

LUZ NA CAMINHADA

A rua sem saída do Fed: o sinal mais claro de Powell até agora sobre o corte dos juros nos EUA

15 de julho de 2024 - 16:27

O presidente do banco central norte-americano participou de uma sessão de perguntas e respostas e deu mais pistas do que pode acontecer daqui para frente

ELEIÇÕES NOS EUA

Ações da Truth Social, a rede social de Donald Trump, disparam em Nova York após atentado

15 de julho de 2024 - 12:41

Papéi da companhia do candidato à presidência dos Estados Unidos saltaram antes da abertura dos mercados e operam em alta nesta segunda-feira

AVERSÃO AO RISCO NO RADAR

Dólar mais forte e juros longos mais altos? Como o mercado vai reagir ao atentado contra Trump

14 de julho de 2024 - 13:55

Mercado deve reagir a atentado contra Trump com aversão ao risco e temores fiscais com perspectiva de vitória do republicano

SEM ANTECEDENTES

O que se sabe até agora sobre o homem identificado como suspeito de atirar em Donald Trump

14 de julho de 2024 - 11:04

De acordo com FBI, o atentado contra Trump foi promovido por um jovem de 20 anos de idade que morava a cerca de uma hora de estrada do local do ataque

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar