🔴 QUER SAIR DO ALUGUEL? NÃO USE O FGTS PARA FINANCIAR O IMÓVEL – CONHEÇA ESTA ESTRATÉGIA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
PROTEÇÃO NA CARTEIRA

O dólar já subiu 10% em 2024: essas são as 5 ações para lucrar com o real fraco, segundo o BTG Pactual

Os analistas também escolheram cinco papéis para ficar longe em meio à disparada da moeda norte-americana neste ano — duas aéreas integram essa lista

Camille Lima
Camille Lima
13 de junho de 2024
14:28 - atualizado às 17:30
Dólar e ações na bolsa brasileira
Dólar e ações na bolsa brasileira - Imagem: Canva Pro / Montagem Seu Dinheiro

A tarde da última quarta-feira (12) foi intensa para quem investe na bolsa brasileira. Em meio à decisão de juros nos EUA e a falas do presidente Lula por aqui, o Ibovespa atingiu o menor patamar em um ano, enquanto o dólar chegou a ser negociado a R$ 5,42. 

Ainda que o cenário eleve a aversão ao risco dos investidores, a situação abriu uma oportunidade para quem quer lucrar com ações, na avaliação do BTG Pactual.

Nesta quinta-feira (13), a moeda norte-americana operou em leve queda, devolvendo parte dos ganhos da última sessão, mas ainda acumula valorização da ordem de 10% frente ao real em 2024. 

Em meio ao enfraquecimento do real, que é pressionado ainda pelas preocupações com a questão fiscal do Brasil e pelos rendimentos elevados dos Treasurys nos EUA, o banco elegeu cinco ações negociadas na B3 para quem quer surfar esse ambiente. 

As seleções dos analistas vão desde ações do setor de papel e celulose até petroleiras, empresas do agronegócio, varejistas e outras companhias ligadas ao consumo. 

O BTG ainda lista cinco papéis para ficar longe em meio à disparada do dólar neste ano — e aqui vai um spoiler: duas aéreas integram essa lista.

Ações de exportadoras e a alta do dólar

A começar pelas exportadoras brasileiras. Parte das vendas dessas companhias é realizada em dólar, enquanto a maior parcela de seus custos é em moeda local. Por isso, um real fraco normalmente é “super positivo” para as empresas de exportação, segundo os analistas.

As principais escolhas do BTG Pactual no segmento são as ações da Suzano (SUZB3) e da Vale (VALE3) — que possuem 100% das receitas em dólar, contra aproximadamente 35% e 60% dos custos em real, respectivamente.

Nesse sentido, outra boa pedida em exportação é a Klabin (KLBN11), de acordo com os economistas.

Do lado das petroleiras, empresas como a Petrobras (PETR4) — com receitas dolarizadas em 80% e custos em reais em 50% — e a Prio (PRIO3) — que chega a 100% das vendas em dólar e metade dos gastos em real — são as principais beneficiadas pela moeda local fraca.

A alta do dólar ainda deve impulsionar a Embraer (EMBR3), fabricante brasileira de aeronaves que hoje tem 93% das vendas negociadas em dólar, com 83% de custos em reais. Vale lembrar que os papéis lideram o ranking de maiores valorizações do Ibovespa em 2024.

De olho no agro

As ações do agronegócio e as empresas ligadas ao segmento de alimentos também são potenciais vencedoras com o enfraquecimento do real, segundo o BTG.

Para os analistas, ainda que a maior parte dos produtos comercializados por essas companhias seja cotada em dólar, a produção desses itens é local.

Porém, é importante lembrar que grande parte dos custos também é dolarizada, já que as companhias possuem operações espalhadas pelo mundo. 

“Ainda assim, a linha de resultados financeiros lastreados em real recebe um impulso, pois os ganhos em dólar são convertidos para a moeda local”, afirma o banco.

De olho neste cenário, o BTG escolheu as ações da SLC Agrícola (SLCE3), São Martinho (SMTO3) e Jalles Machado (JALL3) como as favoritas. 

Um frigorífico também conquistou lugar nesta lista por possuir grande parte da receita em dólar: JBS (JBSS3).

As favoritas do BTG Pactual

Apesar de todas as ações citadas acima serem potencialmente beneficiadas pela alta do dólar, existem cinco papéis preferidos pelos analistas:

  • Embraer (EMBR3)
  • Klabin (KLBN11)
  • Prio (PRIO3)
  • JBS (JBSS3)
  • SLC Agrícola (SLCE3)

Porém, o BTG avalia que a Vale (VALE3), Gerdau (GGBR4) e Petrobras (PETR4) são outras opções interessantes em meio à desvalorização do real. 

E quais ações ficam na berlinda em meio à disparada do dólar?

Para o BTG Pactual, as ações das companhias aéreas Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) devem ser as mais penalizadas por um enfraquecimento do real.

Afinal, cerca de 80% das receitas dessas empresas são em moeda local, enquanto pelo menos metade dos custos são dolarizados, especialmente combustíveis.

Porém, uma empresa de alimentos também deve sofrer com o dólar alto: a M. Dias Branco (MDIA3).

Isso porque, segundo os analistas, a companhia vende quase todos os produtos localmente, mas tem 60% dos custos — principalmente ligados ao trigo — em dólar. 

Além disso, algumas varejistas de vestuário, como Lojas Renner (LREN3), C&A (CEAB3) e Hering — esta sob o guarda-chuva do Grupo Soma (SOMA3) —, têm parte dos custos dolarizados e as margens podem sofrer com a valorização da moeda norte-americana. 

Compartilhe

DESTAQUES DA BOLSA

Falta de apetite chinês derruba as ações de Vale (VALE3), Gerdau (GGBR4) e CSN (CSNA3); mineradoras e siderúrgicas lideram quedas do Ibovespa hoje

23 de julho de 2024 - 14:18

A performance dos papéis reflete a queda da matéria-prima do aço no mercado internacional pelo segundo dia consecutivo

Novo indicador no mercado

Novo índice da B3 combina ações e BDRs mais negociados; confira os detalhes

22 de julho de 2024 - 18:17

Bolsa prepara para agosto o lançamento do novo indicador, que reunirá as ações do Ibovespa com recibos de ações de empresas internacionais

RECOMENDAÇÕES DE VENDA

HCTR11, DEVA11 e IRDM11: por que você deveria evitar esses três fundos imobiliários, na visão do Itaú BBA

22 de julho de 2024 - 14:50

O banco de investimentos analisou as perspectivas para diversos nomes do segmento de acordo com o contexto do mercado, a qualidade do portfólio, histórico e experiência da gestão

RECOMENDAÇÕES DA CLASSE

Dividendos altos e portfólios robustos: KNSC11, KNIP11 e outros seis fundos imobiliários de ‘papel’ para comprar agora, segundo o Itaú BBA

22 de julho de 2024 - 13:49

Os fundos que investem em títulos de crédito do setor imobiliário são tema de um relatório publicado pelo banco de investimentos hoje

EMISSÃO DE COTAS

HGRU11 quer captar até R$ 1,5 bilhão na bolsa e oferece um ‘desconto’ nas cotas, mas nem todo mundo poderá participar da oferta; entenda

22 de julho de 2024 - 12:35

A oferta é destinada exclusivamente a investidores profissionais, mas há uma exceção

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: semana das big techs divide espaço com inflação e PIB dos EUA e congelamento de despesas; fique por dentro

22 de julho de 2024 - 7:01

Ganha destaque a próxima divulgação do Boletim Focus, com expectativas em relação a mudanças após o anúncio de R$ 15 bi em contingenciamento de despesas do governo

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Bradesco Asset revela cinco apostas em ações para lucrar na bolsa brasileira — e um setor para manter distância

22 de julho de 2024 - 6:04

Ao Seu Dinheiro, Rodrigo Santoro Geraldes conta que a gestora também possui quatro apostas na carteira de ações fora do Ibovespa

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar