🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
CRISE FISCAL

O governo não vai cumprir a meta de déficit zero — e isso traz uma notícia boa e outra ruim, segundo economista-chefe do BTG Pactual

Para Mansueto Almeida, nem tudo ainda está perdido do lado fiscal. Ele também disse quando acredita que o Ibovespa pode voltar a subir

Camille Lima
Camille Lima
11 de junho de 2024
12:00 - atualizado às 12:22
Mansueto Almeida, economista-chefe do BTG Pactual, fala sobre cenário fiscal no Brasil
Mansueto Almeida, economista-chefe do BTG Pactual, fala sobre cenário fiscal no Brasil - Imagem: Estúdio Tramma

É quase consenso no mercado financeiro que o governo não será capaz de cumprir com a meta de déficit zero defendida pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Mas para Mansueto Almeida, economista-chefe do BTG Pactual, existe uma breve notícia boa e outra bastante ruim sobre a situação fiscal do Brasil.

“A boa notícia é que o mercado nunca acreditou nesses números e sempre trabalhou com a expectativa de que teríamos déficit todos os anos neste governo, até 2026”, disse Almeida, em painel durante o evento ABVCAP Experience

É por isso, segundo o economista, que a revisão das metas fiscais em abril — que abandonou o superávit primário por um “zero-a-zero” em 2025 — não assustou os investidores. “As novas metas são ainda melhores do que a expectativa do mercado desde o ano passado.”

Mas se o “copo meio cheio” já não parecia lá muito animador, o lado negativo começa a preocupar. Mais. Para Mansueto, um dos principais riscos macroeconômicos do país é o impacto do crescimento da despesa obrigatória do governo federal.

A maior parte do gasto público é puxada pelas regras automáticas de aumento dessas despesas — como os benefícios previdenciários e assistenciais, que são ligados ao salário mínimo, ou o gasto com saúde e educação, vinculado à arrecadação. 

“O problema não é o fato de a dívida no Brasil ser alta, mas sim quando ela vai parar de crescer, e ninguém no governo consegue responder essa pergunta.”

  • As melhores recomendações da Empiricus na palma da sua mão: casa de análise liberou mais de 100 relatórios gratuitos; acesse aqui

O problema fiscal do Brasil

Na avaliação de Mansueto Almeida, o atual arcabouço fiscal não é consistente. “O governo não consegue mostrar com convicção que vai cumprir a regra que ele mesmo estipulou”, disse, em evento.

“O próprio Tesouro questionou como o governo pretende controlar o crescimento da despesa, e ninguém deu essa resposta. Dizem que vão tentar mudar as despesas, mas ninguém escutou da ala política do governo uma única mensagem de que teremos que ser mais cautelosos com o crescimento do gasto público porque temos uma regra fiscal a cumprir.”

  • 850 mil brasileiros já estão recebendo, todos os dias, as atualizações mais relevantes do mercado financeiro. Você é um deles? Se a resposta for não, ainda dá tempo de “correr atrás do prejuízo”. Clique aqui para começar a receber gratuitamente. 

Os temores com a crise fiscal do Brasil impactaram diretamente o desempenho do mercado, com uma queda acumulada de 9,34% do Ibovespa em 2024 e uma desvalorização da ordem de 10% do real desde janeiro.

Parte dos receios do mercado é que o governo deve anunciar uma nova mudança na regra fiscal. “Quando o governo tiver que elaborar o orçamento, ele simplesmente vai falar que o limite para crescimento do gasto vai ter que subir. Isso está impactando a expectativa de inflação, a taxa de juros longa de NTN-B, e está batendo no dólar.”

Caso essas expectativas se confirmem, o Brasil vivenciará um cenário ainda pior para inflação e com juros longos elevados, além de um momento “ruim” para a bolsa e para fusões e aquisições (M&As) no mercado doméstico, afirmou o executivo. 

O desafio fiscal que Lula tem nas mãos

Entretanto, ainda é possível contornar esse cenário, de acordo com Almeida. Mas com uma condição: desde que venha um “sinal político de Brasília” com o compromisso de todos os poderes em controlar gastos — e que esse debate seja liderado pelo Executivo, representado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Isso não vai resolver os nossos problemas fiscais. Se o governo simplesmente cumprir com o que está na regra fiscal, a gente vai terminar esse governo com dívida na casa de 82% do PIB, e vai estar na próxima eleição presidencial debatendo o ajuste fiscal”, disse.

“Infelizmente, até o final desse governo, vai ser muito difícil recuperar o grau de investimento pelo simples motivo de que não consegue responder hoje a partir de qual ano a dívida pública do país começará a cair”, acrescentou.

Em vez de jogar a toalha, o economista do BTG Pactual afirma que é necessário que o governo mostre que está disposto a quebrar a vinculação dos gastos com o crescimento da receita — para que o mercado consiga começar a enxergar que, nos próximos anos, a dívida pública possa começar a cair. 

“É fazer o ajuste fiscal e sair do déficit para o superávit”, destaca Mansueto. “Esse é o desafio, não dá para fazer com carga tributária, porque ela já é muito alta. A gente vai ter que olhar o controle da despesa, porque o Brasil gasta muito.”

Isso não significa que o sistema tributário não precise de ajustes, segundo o economista, mas sim que seja usado para controlar outras disfunções da economia brasileira.

“Pode melhorar sistema tributário, mas se tiver sucesso em aumentar a categoria de imposto de renda com a correção de algumas anomalias, aquela economia deveria ser usada para reduzir imposto indireto, que hoje onera o preço dos produtos.”

E a bolsa brasileira?

O economista do BTG ainda citou brevemente as perspectivas para a bolsa brasileira — que não estão lá muito otimistas.

“Enquanto a gente não tiver uma mensagem muito clara do governo — não do ministro da Fazenda, mas da ala política —, vai ser difícil o mercado melhorar”, afirma Mansueto.

Nas projeções de Almeida, eventualmente o mercado vai melhorar quando começar a queda de juros nos Estados Unidos. 

“Mas estamos com um prêmio muito alto da NTN-B. Mesmo com juro tão alto, ninguém no mercado está tendo vida fácil no Brasil. A saída é o governo mostrar credibilidade de que vai cortar despesa, e essa mensagem não está sendo dada por Brasília.”

Compartilhe

Pressão do mercado

Haddad diz que “vai dar uma geral” no Orçamento 2025 e acelerar agenda de cortes de gastos

13 de junho de 2024 - 16:40

Segundo o ministro da Fazenda, será feita uma “revisão ampla, geral e irrestrita” das propostas para reduzir despesas

Questão fiscal brasileira

‘Modelo de arrecadação esgotou e governo tem que olhar para os custos’, afirma sócio da O2 capital

13 de junho de 2024 - 9:16

Oestes Costa comenta a necessidade de uma mudança na agenda econômica para “destravar o país” e recomenda investimentos para uma carteira diversificada; confira

LOTERIAS

Lotofácil sai para bolão em SP e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João; Mega-Sena acumulada corre hoje

13 de junho de 2024 - 5:54

Enquanto a Lotofácil faz jus à fama de loteria “menos difícil” do Brasil, prêmio da Mega-Sena está acumulado em R$ 40 milhões

PRÊMIO BANCO CENTRAL DO ANO

Recado para Lula e Haddad? A declaração de Campos Neto sobre a autonomia do BC e as decisões de juros para conter inflação

12 de junho de 2024 - 19:54

Presidente da autoridade monetária recebeu o prêmio “Banco Central do Ano”, conferido pelo portal de notícias Central Banking, em Londres e aproveitou para falar sobre sua gestão

AJUDA AO GOVERNO

Dividendos pingando na conta do Tesouro: BNDES eleva pagamento de proventos para 50% — e cifra deve chegar a R$ 16 bilhões

12 de junho de 2024 - 19:30

Aumento do percentual de pagamento de dividendos de 25% para 50% não deve reduzir os desembolsos do banco, segundo Aloizio Mercadante

De olho nos petrodólares

Ministro da Agricultura elege sauditas como “parceiros preferenciais”

12 de junho de 2024 - 18:42

Fávaro disse que tem fechado acordos para infraestrutura e formação de fundos com a Arábia Saudita

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O que o TCU viu de certo — e também de errado — nas contas do governo Lula em 2023?

12 de junho de 2024 - 18:21

A auditoria da prestação de contas de Lula no ano passado verificou cerca de R$ 109 bilhões em irregularidades e distorções de valor no balanço da União

MINISTROS DIVIDIDOS

A remuneração do FGTS vai mudar: confira a decisão do STF sobre o cálculo que pode afetar o setor imobiliário

12 de junho de 2024 - 16:15

Atualmente, os valores depositados no fundo remuneram a Taxa Referencial (TR) mais 3% ao ano, além do eventual lucro no período, mas o cálculo vai mudar.

MP da Compensação

Senado avalia usar Imposto de Renda, repatriação e dinheiro esquecido para compensar a desoneração da folha

12 de junho de 2024 - 12:03

Uma das fontes avaliadas pelo Senado para compensar desoneração é a taxação de compras internacionais

AI MINHAS COMPRINHAS

Câmara aprova lei que taxa compras internacionais de varejistas como Shein, AliExpress e Shopee. Lula vai vetar?

12 de junho de 2024 - 10:08

A alíquota de 20% sobre o e-commerce estrangeiro foi um “meio-termo” e substituiu a ideia inicial de aplicar uma cobrança de 60% sobre mercadorias que vêm do exterior

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar