🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
PERDENDO O PODERIO

Acabou para o dólar? FMI confirma perda gradual e constante da dominância da verdinha — e moedas que ganharam espaço surpreenderam

Ainda que as incertezas econômicas contribuem para a valorização do dólar, alguns países começaram a incluir outras moedas nas reservas cambiais

Liliane de Lima
11 de junho de 2024
15:03 - atualizado às 14:00
Imagem: Shutterstock

De janeiro até agora, o dólar já acumula alta de mais de 10% ante o real. Apesar disso, a força da moeda norte-americana pode começar a ter os dias contados, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). Mas não a curto prazo.

Nos últimos meses, a robustez da economia dos Estados Unidos, a política monetária mais restritiva adotada pelo Banco Central norte-americano (o Federal Reserve) e o crescente risco geopolítico — com as guerras entre a Ucrânia e a Rússia e entre Israel e o Hamas — contribuíram para a valorização do dólar. 

Ao mesmo tempo, porém, as incertezas econômicas, principalmente, nas principais economias do mundo — que contribuem para a abertura de uma janela para uma eventual reorganização financeira global — levaram a alguns países a deter outras moedas nas reservas cambiais. 

  • VOCÊ JÁ DOLARIZOU SEU PATRIMÔNIO? A Empiricus Research está liberando uma carteira gratuita com 10 ações americanas pra comprar agora. Clique aqui e acesse.

Segundo dados recentes da Composição Monetária das Reservas Cambiais Oficiais (Cofer, na sigla em inglês) do FMI, a participação do dólar nas reservas internacionais dos bancos centrais apresenta um declínio gradual e contínuo ao longo das últimas duas décadas. 

Apesar das baixas, a moeda norte-americana continua a ser a dominante. 

“Em uma perspectiva de longo prazo, o valor do dólar dos EUA permaneceu praticamente inalterado, enquanto a participação da moeda nas reservas globais diminuiu ao longo das últimas duas décadas. Isso indica que os bancos centrais têm, de fato, se afastado gradualmente do dólar”, escrevem Serkan Arslanalp, Barry Eichengreen e Chima Simpson-Bell em relatório do FMI. 

  • Empiricus Educação libera curso gratuito de investimentos em ouro e dólar; acesse as aulas aqui

No ringue contra o dólar…

O dólar começou a ceder terreno para moedas “não tradicionais” — o que surpreendeu o FMI. Ou seja, o espaço perdido pela moeda norte-americana não foi preenchido pelas divisas fortes como euro, iene e libra. 

A redução de dólares nas reservas internacionais, por sua vez, foi acompanhada por aumentos nas participações de moedas estrangeiras como o dólar australiano, o dólar canadense, o renmimbi chinês (yuan), o won sul-coreano, o dólar de Singapura e moedas nórdicas. 

Segundo o FMI, as moedas não tradicionais são atrativas para os gestores, porque proporcionam diversificação e rendimentos relativamente maiores. 

Além disso, as operações com essas divisas têm se tornado mais fáceis com o desenvolvimento de novas tecnologias financeiras digitais — como a criação automática de mercado e a gestão automatizada de liquidez.

No final de 2020, cerca de 5% das reservas cambiais dos países do G20 foram formadas pelas moedas “não tradicionais”.  Até 2023, pelo menos mais três países — Israel, Países Baixos, Seicheles — juntaram-se à lista.

Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI)

…a China ganha espaço? 

O renminbi é uma das moedas ‘não-tradicionais’ que estão fazendo frente ao dólar. Segundo o FMI, o aumento da participação da moeda chinesa corresponde a um quarto (25%) do declínio do dólar nas reservas internacionais. 

Um dos motivos para isso é que o governo chinês tem avançado em políticas em múltiplas frentes para promover a internacionalização do renminbi, incluindo o desenvolvimento de um sistema de pagamentos internacionais, a extensão de linhas de swap e a criação de uma moeda digital para o banco central. 

Mas a internacionalização do renminbi, pelo menos medida pela percentagem de reservas da moeda, mostra sinais de estagnação. Ou seja, os dados mais recentes não mostram um novo aumento na participação monetária da moeda chinesa.

“Alguns observadores podem suspeitar que a depreciação da taxa de câmbio do renminbi nos últimos trimestres tenha disfarçado aumentos nas reservas em renminbi. No entanto, mesmo o ajuste às alterações cambiais confirma que a participação do renminbi nas reservas diminuiu desde 2022”, diz o relatório do FMI. 

  • LEIA TAMBÉM: Casa de análise libera carteira gratuita de ações americanas para você buscar lucros dolarizados em 2024. Clique aqui e acesse.

Por que o dólar está perdendo força?

Na avaliação do FMI, a tendência recente de queda nas reservas cambiais é “ainda mais surpreendente dada a força do dólar” no mundo, o que indica mudanças nas preferências dos investidores privados. 

Entre os fatores, as flutuações da taxa de câmbio impactam na composição monetária das carteiras de reservas dos bancos centrais.

“As alterações nos valores relativos de diferentes títulos públicos — refletindo os movimentos nas taxas de juros — podem ter um impacto [nas reservas], embora o efeito tende a ser menor”, afirma o relatório.  

Há também questões geopolíticas. A Rússia, por exemplo, tem reduzido as posições em dólares

A Suíça, que acumulou reservas da moeda norte-americana ao longo da última década, tem aumentado as reservas de euros, já que a Zona Euro é o seu parceiro comercial mais importante. 

O aumento das reservas em ouro também entram na conta. No passado, as sanções financeiras resultaram em aumento das reservas em ouro, já que as reservas em moedas poderiam ser afetadas e/ou congeladas. 

Agora, as incertezas econômicas e o risco político global também levaram ao movimento de procura por ouro — que renovou máximas históricas nos primeiros seis meses de 2024. Essa tendência foi observada, principalmente, nos bancos centrais de mercados emergentes, 

No entanto, é importante lembrar que a percentagem de ouro nas reservas ainda permanece historicamente baixa, segundo dados do FMI. 

Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI)
  • Como proteger os seus investimentos: dólar e ouro são ativos “clássicos” para quem quer blindar o patrimônio da volatilidade do mercado. Mas, afinal, qual é a melhor forma de investir em cada um deles? Descubra aqui. 

Compartilhe

APOSTAS PARA O CÂMBIO

O dólar não vai mais cair? Alckmin diz que governo tem “absoluta confiança” sobre a trajetória da moeda norte-americana

13 de junho de 2024 - 17:52

O presidente em exercício falou sobre o tema um dia após a moeda americana ter ultrapassado a cotação de R$ 5,40 pela primeira vez desde janeiro de 2023

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Dólar fecha próximo da mínima intraday com rescaldo de Haddad sobre fiscal; Ibovespa sustenta os 119 mil pontos

13 de junho de 2024 - 17:17

RESUMO DO DIA: O cenário fiscal roubou a cena mais um vez no mercado acionário brasileiro. Se ontem foram as falas do presidente Lula que aumentaram a aversão ao risco, hoje o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ficou encarregado de ‘reduzir os danos’. Apesar dos esforços do ministro, o Ibovespa não deixou o tom negativo. […]

CAI, CAI

Fuga dos investidores? Como a B3 contribuiu para a forte queda do Ibovespa em maio; ações B3SA3 recuam 

13 de junho de 2024 - 15:59

A dona da bolsa registrou volume médio diário de negociações 8,8% menor em maio na comparação anual; Goldman Sachs mantém a recomendação

PROTEÇÃO NA CARTEIRA

O dólar já subiu 10% em 2024: essas são as 5 ações para lucrar com o real fraco, segundo o BTG Pactual

13 de junho de 2024 - 14:28

Os analistas também escolheram cinco papéis para ficar longe em meio à disparada da moeda norte-americana neste ano — duas aéreas integram essa lista

STF DECIDIU

Fim do impasse sobre remuneração do FGTS deve beneficiar as ações de construtoras de baixa renda — e o BTG Pactual diz qual é a sua favorita no segmento

13 de junho de 2024 - 13:01

Vale relembrar que o fundo é uma de suas principais fontes de recursos para o setor imobiliário

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Fed mantém juros inalterados pela sétima vez consecutiva e dólar sobe a R$ 5,40; Ibovespa cai 1% de olho no fiscal

12 de junho de 2024 - 17:21

RESUMO DO DIA: Se enganou quem achou que a decisão dos juros nos Estados Unidos seria o único destaque do dia. O cenário fiscal doméstico roubou a cena e o Ibovespa voltou ao território negativo. O principal índice da bolsa brasileira fechou em baixa de 1,40%, aos 119.936 pontos, renovando a mínima do ano e […]

FECHAMENTO DOS EUA

Inflação e juros: o combo que fez o S&P 500 e o Nasdaq saltarem para um outro recorde intradiário

12 de junho de 2024 - 17:06

De um lado, o CPI de maio veio melhor do que as projeções. De outro, o Fed manteve a taxa de juros inalterada e reduziu para um o número de cortes neste ano

REPORTAGEM ESPECIAL

Exclusivo: Controladores da Méliuz (CASH3) montam posição em opções com ações da empresa, que quer apertar “pílula de veneno”

12 de junho de 2024 - 15:22

Ações da Méliuz (CASH3) dispararam mais de 15% após empresa divulgar que pessoas ligadas ao controle “venderam opções de venda” de ações da companhia

OPERAÇÃO GREENWASHING

Como uma operação da polícia federal deve afetar os dividendos de dois fiagros com mais de 40 mil cotistas

12 de junho de 2024 - 13:26

Os proventos do AZ Quest Sole (AAZQ11) e do AZ Quest negociado na Cetip, devem ser afetados pelos desdobramentos de uma operação deflagrada na semana passada

TERREMOTO NO MERCADO

Dólar dispara a R$ 5,42 e Ibovespa atinge menor nível em um ano: o que Lula tem a ver com isso?

12 de junho de 2024 - 12:35

Declarações do presidente da República suscitaram mais preocupações sobre o cenário fiscal; mercado vê enfraquecimento de Haddad

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar