🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
PERDENDO O PODERIO

Acabou para o dólar? FMI confirma perda gradual e constante da dominância da verdinha — e moedas que ganharam espaço surpreenderam

Ainda que as incertezas econômicas contribuem para a valorização do dólar, alguns países começaram a incluir outras moedas nas reservas cambiais

Liliane de Lima
11 de junho de 2024
15:03 - atualizado às 14:00
Imagem: Shutterstock

De janeiro até agora, o dólar já acumula alta de mais de 10% ante o real. Apesar disso, a força da moeda norte-americana pode começar a ter os dias contados, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). Mas não a curto prazo.

Nos últimos meses, a robustez da economia dos Estados Unidos, a política monetária mais restritiva adotada pelo Banco Central norte-americano (o Federal Reserve) e o crescente risco geopolítico — com as guerras entre a Ucrânia e a Rússia e entre Israel e o Hamas — contribuíram para a valorização do dólar. 

Ao mesmo tempo, porém, as incertezas econômicas, principalmente, nas principais economias do mundo — que contribuem para a abertura de uma janela para uma eventual reorganização financeira global — levaram a alguns países a deter outras moedas nas reservas cambiais. 

  • VOCÊ JÁ DOLARIZOU SEU PATRIMÔNIO? A Empiricus Research está liberando uma carteira gratuita com 10 ações americanas pra comprar agora. Clique aqui e acesse.

Segundo dados recentes da Composição Monetária das Reservas Cambiais Oficiais (Cofer, na sigla em inglês) do FMI, a participação do dólar nas reservas internacionais dos bancos centrais apresenta um declínio gradual e contínuo ao longo das últimas duas décadas. 

Apesar das baixas, a moeda norte-americana continua a ser a dominante. 

“Em uma perspectiva de longo prazo, o valor do dólar dos EUA permaneceu praticamente inalterado, enquanto a participação da moeda nas reservas globais diminuiu ao longo das últimas duas décadas. Isso indica que os bancos centrais têm, de fato, se afastado gradualmente do dólar”, escrevem Serkan Arslanalp, Barry Eichengreen e Chima Simpson-Bell em relatório do FMI. 

  • Empiricus Educação libera curso gratuito de investimentos em ouro e dólar; acesse as aulas aqui

No ringue contra o dólar…

O dólar começou a ceder terreno para moedas “não tradicionais” — o que surpreendeu o FMI. Ou seja, o espaço perdido pela moeda norte-americana não foi preenchido pelas divisas fortes como euro, iene e libra. 

A redução de dólares nas reservas internacionais, por sua vez, foi acompanhada por aumentos nas participações de moedas estrangeiras como o dólar australiano, o dólar canadense, o renmimbi chinês (yuan), o won sul-coreano, o dólar de Singapura e moedas nórdicas. 

Segundo o FMI, as moedas não tradicionais são atrativas para os gestores, porque proporcionam diversificação e rendimentos relativamente maiores. 

Além disso, as operações com essas divisas têm se tornado mais fáceis com o desenvolvimento de novas tecnologias financeiras digitais — como a criação automática de mercado e a gestão automatizada de liquidez.

No final de 2020, cerca de 5% das reservas cambiais dos países do G20 foram formadas pelas moedas “não tradicionais”.  Até 2023, pelo menos mais três países — Israel, Países Baixos, Seicheles — juntaram-se à lista.

Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI)

…a China ganha espaço? 

O renminbi é uma das moedas ‘não-tradicionais’ que estão fazendo frente ao dólar. Segundo o FMI, o aumento da participação da moeda chinesa corresponde a um quarto (25%) do declínio do dólar nas reservas internacionais. 

Um dos motivos para isso é que o governo chinês tem avançado em políticas em múltiplas frentes para promover a internacionalização do renminbi, incluindo o desenvolvimento de um sistema de pagamentos internacionais, a extensão de linhas de swap e a criação de uma moeda digital para o banco central. 

Mas a internacionalização do renminbi, pelo menos medida pela percentagem de reservas da moeda, mostra sinais de estagnação. Ou seja, os dados mais recentes não mostram um novo aumento na participação monetária da moeda chinesa.

“Alguns observadores podem suspeitar que a depreciação da taxa de câmbio do renminbi nos últimos trimestres tenha disfarçado aumentos nas reservas em renminbi. No entanto, mesmo o ajuste às alterações cambiais confirma que a participação do renminbi nas reservas diminuiu desde 2022”, diz o relatório do FMI. 

  • LEIA TAMBÉM: Casa de análise libera carteira gratuita de ações americanas para você buscar lucros dolarizados em 2024. Clique aqui e acesse.

Por que o dólar está perdendo força?

Na avaliação do FMI, a tendência recente de queda nas reservas cambiais é “ainda mais surpreendente dada a força do dólar” no mundo, o que indica mudanças nas preferências dos investidores privados. 

Entre os fatores, as flutuações da taxa de câmbio impactam na composição monetária das carteiras de reservas dos bancos centrais.

“As alterações nos valores relativos de diferentes títulos públicos — refletindo os movimentos nas taxas de juros — podem ter um impacto [nas reservas], embora o efeito tende a ser menor”, afirma o relatório.  

Há também questões geopolíticas. A Rússia, por exemplo, tem reduzido as posições em dólares

A Suíça, que acumulou reservas da moeda norte-americana ao longo da última década, tem aumentado as reservas de euros, já que a Zona Euro é o seu parceiro comercial mais importante. 

O aumento das reservas em ouro também entram na conta. No passado, as sanções financeiras resultaram em aumento das reservas em ouro, já que as reservas em moedas poderiam ser afetadas e/ou congeladas. 

Agora, as incertezas econômicas e o risco político global também levaram ao movimento de procura por ouro — que renovou máximas históricas nos primeiros seis meses de 2024. Essa tendência foi observada, principalmente, nos bancos centrais de mercados emergentes, 

No entanto, é importante lembrar que a percentagem de ouro nas reservas ainda permanece historicamente baixa, segundo dados do FMI. 

Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI)
  • Como proteger os seus investimentos: dólar e ouro são ativos “clássicos” para quem quer blindar o patrimônio da volatilidade do mercado. Mas, afinal, qual é a melhor forma de investir em cada um deles? Descubra aqui. 

Compartilhe

LIQUIDAÇÃO VEM AÍ?

Cotistas do HGPO11 aceitam proposta milionária para vender todo o portfólio; como ficará o fundo imobiliário agora?

17 de julho de 2024 - 12:43

Depois de recusarem outras ofertas, os investidores do FII toparam vender os dois imóveis da carteira para a RBR por pouco mais de R$ 618 milhões

FIIs HOJE

HCTR11 explica o salto de 65% nos dividendos deste mês, mas cotas do fundo imobiliário caem na B3 e lideram perdas do IFIX

17 de julho de 2024 - 11:04

De acordo com o relatório gerencial, os proventos foram impulsionados pelo recebimento maior de parcelas dos CRIs que compõem o portfólio

MAIS RESTRIÇÕES

Trump ou Biden? Não importa quem vença as eleições nos EUA, a guerra fria contra a China continua — e Nvidia e outras ações de gigantes dos chips sofrem hoje

17 de julho de 2024 - 10:28

O desempenho negativo acompanha temores de que, independente de quem vença as eleições presidenciais, os EUA devem anunciar restrições mais rígidas a exportações para o gigante asiático

A base da IA

Nvidia, TSM, AMD, Intel… primeiro ETF de empresas de semicondutores chega à bolsa brasileira; saiba como investir no CHIP11

17 de julho de 2024 - 8:00

Fundo de índice que replica o desempenho do ETF americano SMH, CHIP11 estreia hoje na B3

DESTAQUES DO SETOR IMOBILIÁRIO

Ações da Plano & Plano (PLPL3) e Helbor (HBOR3) sobem forte após prévias, mas apenas uma delas tem recomendação de compra; veja qual

16 de julho de 2024 - 11:22

O Itaú BBA já esperava a reação positiva do mercado. Em relatório publicado mais cedo, o banco de investimentos avaliou as duas prévias como positivas

EM PARCERIA COM A B3

Nu Asset lançará dois ETFs de ações, um com foco em baixa volatilidade e outro voltado para papéis sensíveis à variação do Ibovespa

15 de julho de 2024 - 19:03

Gestora do Nubank estreará na próxima terça-feira (16) o Low Volatility (LVOL11) e o High Beta (HIGH11); veja como os novos fundos de índice devem funcionar

A UNIÃO FAZ A FORÇA

‘Abandonada’ pela Shein, Coteminas (CTNM4) vê ações derreterem 74% na bolsa e propõe grupamento

15 de julho de 2024 - 18:16

A ideia dos conselheiros é que grupos de cinco papéis CTMN4 sejam unidos para formar uma nova ação — e o preço também será multiplicado pelo mesmo fator

DESTAQUES DA BOLSA

Ações da Americanas (AMER3) despencam 10% hoje, mas ainda disparam 24% nos últimos dias e a cotação deve subir mais em breve

15 de julho de 2024 - 17:01

Vale relembrar que a Americanas anunciou um grupamento de ações para aumentar a cotação dos papéis

MOMENTUM DE PREÇOS

Fim do calvário do Ibovespa? Bolsa brasileira sobe 7,5% em um mês — e essas são as 7 apostas do Itaú BBA em ações

15 de julho de 2024 - 13:24

Além dos sete nomes, a recente dinâmica de preços de curto prazo de um trio de ações também atraiu o olhar dos analistas; confira

DESTAQUES DA BOLSA

Ações da EZTec (EZTC3) estão entre as maiores altas do Ibovespa após crescimento nas vendas do segundo trimestre; é hora de comprar?

15 de julho de 2024 - 11:59

O BTG Pactual destaca que a companhia conseguiu reduzir os níveis de estoque no período e o valution dos papéis é atrativo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar