🔴 NOVA META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM DUAS OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
VAI CAIR OU NÃO VAI?

Juros nos EUA: a mensagem do principal relatório de emprego sobre o futuro das taxas que mexem com as bolsas do mundo

O mercado torceu o nariz para os dados mais fortes do que o esperado do chamado payroll referente ao mês de maio; entenda a reação e o que esperar agora

Jerome Powell, presidente do Fed, com efeito
Montagem com Jerome Powell, presidente do Fed - Imagem: Federal Reserve / Montagem Brenda Silva

A economia norte-americana criou mais empregos do que o esperado em maio: foram 272 mil vagas contra uma previsão de 190 mil da Dow Jones e acima das 165 mil vagas abertas em abril. A taxa de desemprego, por sua vez, subiu a 4% — a primeira vez que atingiu essa barreira desde janeiro de 2022 — ante expectativa de manutenção em 3,9%. De olho nos juros, o mercado não gostou do que viu. 

Em Wall Street, assim que os dados foram revelados, os futuros de Nova York passaram a cair e o yield (rendimento) dos Treasurys atingiram a máxima do dia. Por aqui, o dólar disparou para máximas e o Ibovespa futuro caiu mais de 1%. Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados

A reação justifica a expectativa de uma semana inteira por dados que pudessem dar ao Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) a luz verde para cortar os juros logo — porém não tão fracos que indicassem uma recessão na maior economia do mundo. 

Por volta de 13h55, o Dow Jones subia 0,20% e o S&P 500, 0,29%, depois de bater máxima intradiária, enquanto o Nasdaq tinha alta de 0,25%. Já o Ibovespa, opera em queda de 0,92%, ao 121.772,28 pontos e o dólar sobe, a R$ 5,2790.

Payroll: o que os dados de emprego sinalizam sobre os juros

A força do mercado de trabalho norte-americano enviou um sinal de que os juros não devem cair por agora nos EUA. 

As apostas indicam que o início do ciclo de afrouxamento por lá não deve acontecer antes de setembro — e boa parte delas se concentra em dezembro deste ano. 

James Knightley, economista chefe internacional do ING, manteve a projeção de que os juros devem começar a cair em setembro nos EUA. 

“Nossa previsão se baseia no fato de que a política monetária é restritiva com os juros na faixa atual de 5,25% a 5,50% — em um ambiente em que vêem a taxa neutra em torno de 2,6%. O Fed também não quer causar uma recessão se não for necessário e se os dados permitirem começar a tornar a política monetária um pouco menos restritiva, pensamos que aproveitarão essa oportunidade”, disse Knightley. 

André Valério, economista sênior do Inter, também acredita no primeiro corte em setembro. 

“De modo geral, o resultado do payroll foi um tanto quanto contraditório, especialmente se analisarmos à luz dos outros dados de emprego e atividade que foram divulgados essa semana, todos piores que o esperado. Dada essa incerteza, o Fed deverá se pautar ainda mais pelo comportamento da inflação”, afirmou. 

ONDE INVESTIR EM JUNHO? ANALISTA DE AÇÕES FAZ RECOMENDAÇÃO INUSITADA PARA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

O próximo dado de inflação nos EUA, referente a maio, será divulgado na quarta-feira da semana que vem, mesmo dia do anúncio da decisão de política monetária de junho do Fed. 

Thomas Feltmate, diretor e economista-sênior da TD Economics, acredita que o primeiro corte virá em dezembro por conta do aumento dos salários, que deve ser observado de perto pelo Fed. 

“As pressões salariais ainda elevadas estão ajudando a sustentar fortes ganhos nas despesas com serviços e contrariando os esforços do Fed para desacelerar a inflação em todo o setor dos serviços. Por essa razão, pensamos que é improvável que o comitê esteja pronto para começar a cortar os juros antes de dezembro”, afirmou. 

As apostas dos investidores sobre o corte de juros nos EUA para setembro caíram logo após o payroll de maio: saíram de 67,4% antes do dado para 52,6%, de acordo com dados compilados pelo CME Group.

Na outra ponta, a possibilidade de apenas uma redução de 25 pontos-base cresceu, para 38,8%, superando as chances de uma diminuição de 50 pontos-base, que foi para 36,3%.

Compartilhe

OS BRITÂNICOS VÃO ÀS URNAS

Quem leva a melhor no Reino Unido? A carta na manga dos trabalhistas para derrubar os conservadores nas eleições de julho

13 de junho de 2024 - 20:01

Os trabalhistas lideram as pesquisas de intenção de voto com a ajudinha de fórmulas conhecidas pelo centro

presidente motoserra

Milei consegue conter preços e inflação Argentina baixa para 4,2% em maio

13 de junho de 2024 - 18:10

Apesar da queda em maio, índice de preços ainda acumula 276% de alta em 12 meses

EM MEIO AO CAOS

Todo poder a Milei? Com voto de Minerva e repressão a manifestantes, Senado da Argentina aprova pacote ultraliberal

13 de junho de 2024 - 11:16

O projeto concede amplos poderes ao Executivo, dando prerrogativas de interferência ao presidente, mas foi desidratado na Casa

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

COMEÇO, MEIO OU FIM

Mais juros baixos pela frente? Por que o primeiro corte do BCE em 5 anos pode ser uma boa notícia para quem investe na bolsa — e o motivo não é óbvio

6 de junho de 2024 - 13:12

Em uma decisão incomum, o banco central da zona euro cortou os juros antes do Fed — entenda se o movimento é sinal de que uma taxa menor nos EUA está mais perto da realidade agora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar