🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Parem as máquinas

Governo manda Petrobras (PETR3; PETR4) suspender venda de ativos por 90 dias, e ações reagem em queda forte

Ações reagem negativamente à notícia em semana agitada para a petroleira, que também adiou sua próxima assembleia de acionistas

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
1 de março de 2023
12:05 - atualizado às 12:15
Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), da Petrobras
Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), da Petrobras. Imagem: Andre Motta de Souza/Agência Petrobras

O noticiário está quente para a Petrobras (PETR3; PETR4) nesta semana, e isso logo às vésperas de a estatal divulgar seu balanço do quarto trimestre de 2022.

Depois da volta da cobrança dos impostos federais sobre os combustíveis, sinais de mudanças na sua política de dividendos e a divulgação dos indicados pelo governo para compor o Conselho de Administração da companhia, o Ministério de Minas e Energia (MME) pediu a pausa das vendas de ativos da petroleira por cerca de três meses.

A Petrobras informou, nesta quarta-feira (1º) que o ministério solicitou a suspensão de todas as alienações de ativos pela companhia pelo prazo de 90 dias, em razão da reavaliação da Política Energética Nacional atualmente em curso e da instauração de nova composição do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

A estatal diz que o pedido respeita as regras de governança da companhia e compromissos assumidos com entes governamentais, "sem colocar em risco interesses intransponíveis da Petrobras".

As ações da petroleira reagem em queda à notícia, dado que a política de venda de ativos menos rentáveis para focar na exploração do pré-sal tem sido um dos pontos fortes da gestão da Petrobras nos últimos anos, uma vez que tende a maximizar o retorno ao investidor. Perto das 12h, as ações preferenciais (PETR4) recuavam 2,54%, a R$ 24,60, e as ordinárias (PETR3) caíam 2,85%, a R$ 27,93. Confira a nossa cobertura completa de mercados.

"O Conselho de Administração analisará os processos em curso, sob a ótica do direito civil e dentro das
regras de governança, bem como eventuais compromissos já assumidos, suas cláusulas punitivas e suas
consequências, para que as instâncias de governança avaliem potenciais riscos jurídicos e econômicos
decorrentes, observadas as regras de sigilos e as demais normas de regência aplicáveis."

- Comunicado da Petrobras a respeito da suspensão da venda de ativos.

Investidores veem seus temores se concretizarem aos poucos

A perspectiva da volta da tributação federal sobre os combustíveis a partir desta quarta-feira animou o mercado no início da semana por representar um alívio às contas do governo, mas acendeu temores em relação à política de preços da Petrobras.

Desde antes das eleições presidenciais, os investidores já temiam que um novo governo petista pudesse voltar a intervir nesta seara, como vinha indicando o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva ao criticar a política de paridade internacional da petroleira.

E, de fato, nesta semana a Petrobras já anunciou um corte de preços da gasolina e do diesel para as distribuidoras, de forma a aliviar o impacto do retorno dos impostos.

Outro ponto de preocupação do mercado é a política de distribuição de dividendos, também muito criticada pelo PT. E realmente a fonte dos proventos deve secar em breve: numa reunião realizada nesta semana entre Lula, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, da Fazenda, Fernando Haddad, e o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, foi decidido que a estatal não seguirá mais a política de dividendos do governo Bolsonaro.

O governo deseja que uma parte dos lucros da petroleira passe a ser destinado para investimentos, sobretudo em refino e energias renováveis, o que reduziria o retorno dos acionistas com proventos.

Aí entra também a questão da suspensão da venda de ativos, anunciada hoje. A medida sinaliza que a companhia pode fazer uma reversão desse movimento, passando de desinvestidora a investidora. Em vez de focar no pré-sal e pagar gordos dividendos, voltaria a investir em várias frentes, distribuindo proventos menores.

Assembleia Geral Ordinária (AGO) da Petrobras é adiada

A Petrobras divulga na noite desta quarta, após o fechamento do mercado, os seus resultados do quarto trimestre de 2022 e o balanço do ano. Mas, tendo em vista os últimos acontecimentos, certamente o evento mais aguardado é a teleconferência do comando da empresa com o mercado, marcada para a próxima quinta (02) às 10h30. Saiba o que esperar para o balanço da Petrobras.

A próxima Assembleia Geral Ordinária (AGO), porém, vai ter que esperar. Ontem, a Petrobras comunicou ao mercado que seu Conselho de Administração optou por adiar o próximo encontro de acionistas de 19 para 27 de abril.

MME indica nomes para o Conselho de Administração

A AGO em questão deverá votar para escolher os membros do próximo Conselho de Administração da Petrobras, e os nomes da chapa da União já foram indicados pelo MME, mas ainda precisam passar pela avaliação interna de governança da estatal. Confira os indicados:

  • Pietro Adamo Sampaio Mendes (concorre ao cargo de presidente do Conselho)
  • Jean Paul Terra Prates (atual presidente da Petrobras)
  • Carlos Eduardo Turchetto Santos
  • Vitor Eduardo de Almeida Saback
  • Eugênio Tiago Chagas Cordeiro e Teixeira
  • Bruno Moretti (em substituição a Wagner Granja Victer, que havia sido indicado inicialmente)
  • Sergio Machado Rezende
  • Suzana Kahn Ribeiro

Compartilhe

FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS

Crédito imobiliário: Caixa vê cenário complexo para captação em 2025 — mas mudança nas regras de emissões das LCIs pode ajudar

3 de março de 2024 - 13:07

O presidente da Caixa, Carlos Vieira, afirmou que o banco está com a captação assegurada para cumprir o orçamento de crédito em 2024

PROCESSO DE SUCESSÃO

A “mão” de Lula? Acionista da Vale (VALE3) quer que mineradora publique ata de reunião que expôs racha sobre quem deve comandar companhia

2 de março de 2024 - 20:01

A Previ pede que a ata “seja tornada pública para todos os acionistas, de forma não sumarizada, em benefício da transparência do processo”

SETOR FINANCEIRO

Cinco maiores bancões do Brasil lucram R$ 107,5 bilhões em 2023 — e presidentes das empresas revelam o que esperar neste ano

2 de março de 2024 - 18:07

O melhor desempenho desses três bancos no ano passado compensou a retração nos números de Bradesco e Santander Brasil

PARCEIRA DA NVIDIA

Como essa ação ligada a inteligência artificial disparou 800% em um ano e conquistou lugar no S&P 500

2 de março de 2024 - 17:01

O papel será adicionado ao S&P 500 antes do início das negociações de 18 de março, substituindo a Whirlpool na carteira do índice

MERCADO DE CAPITAIS

Vem IPO no conglomerado da Cosan (CSAN3)? Ometto planeja abrir capital de “joias esquecidas” do grupo, diz jornal

2 de março de 2024 - 15:40

Segundo O Globo, o presidente da companhia aguarda uma janela de mercado favorável para abrir o capital da Compass — e planeja IPO da Moove no exterior; entenda

IMPASSE ENTRE SÓCIOS

Troca de comando na Vale (VALE3)? Aqui está tudo o que você precisa saber sobre a sucessão de CEO da mineradora até agora

2 de março de 2024 - 12:30

O mandato do atual CEO, Eduardo Bartolomeo, está cada vez mais próximo do fim — e a definição da sucessão do presidente é uma das pendências da mineradora

DUELO DE TITÃS NA BOLSA

Depois das Sete Magníficas, vem aí as “Super Sete”: por que o Citi aposta que as ações da Europa têm mais potencial que as americanas

2 de março de 2024 - 9:03

O banco fez uma avaliação baseada em retorno, múltiplos e preço e concluiu que as ações do Velho Continente podem render bons frutos para quem apostar nelas agora

NO BOLSO DO ACIONISTA

Copel (CPLE6) pode pagar dividendos extraordinários aos acionistas em 2024, mas com uma condição, diz CEO

1 de março de 2024 - 16:25

Para Daniel Slaviero, o ano de 2025 servirá para “extrair bastante valor da operação integrada e ganhar escala nos negócios que tenham bom retorno de capital”

BRIGA DE GIGANTES

Por que Elon Musk está processando a OpenIA, a ‘joia da coroa’ do mercado de inteligência artificial que ele ajudou a fundar?

1 de março de 2024 - 11:17

Musk foi um dos co-fundadores da OpenIA, lá em 2015, porém deixou o conselho da companhia em 2018

REPERFILAMENTO

Casas Bahia (BHIA3) negocia com bancos e consegue mais prazo para pagar R$ 1,5 bilhão em dívidas

29 de fevereiro de 2024 - 19:34

O acordo ainda precisa do sinal verde dos credores, mas, se aprovado, estenderá o vencimento de 69% do endividamento da companhia

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies