🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
32 PARÁGRAFOS

Resposta a Lula? Banco Central publica ata mais longa para justificar Selic alta; veja o que o Copom escreveu

Os diretores do Banco Central decidiram caprichar: escreveram nove parágrafos a mais na ata da reunião do Copom publicada hoje

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
7 de fevereiro de 2023
10:07 - atualizado às 10:52
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/ BCB

A publicação da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) costuma ser assunto apenas para os economistas e gestores no mercado financeiro. No documento, os diretores do BC dão detalhes sobre como chegaram à decisão sobre a taxa básica de juros (Selic). Além disso, fornecem mais pistas sobre o que esperar daqui para frente.

Mas desde que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou a disparar contra o chefe do BC, Roberto Campos Neto, todos os passos da autoridade monetária passaram a ser acompanhados ainda mais de perto.

Ainda mais após as críticas do governo à decisão do Copom da última quarta-feira de sinalizar a manutenção da Selic em 13,75% por mais tempo. Pois então os diretores do Banco Central decidiram caprichar: escreveram nove parágrafos a mais na ata da reunião divulgada na manhã desta terça-feira (7).

Foram 32 parágrafos, contra os 23 da última ata do Copom. O documento se estendeu mais tanto na parte de cenários e análise de riscos como da discussão sobre a condução da política monetária.

O que o Copom disse na ata

De modo geral, os diretores do Banco Central reafirmaram na ata do Copom o compromisso com as metas de inflação. De fato, vale lembrar que o BC possui autonomia formal desde 2021, mas segue as metas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Alguns dos recados da ata já estavam no comunicado divulgado na semana passada, depois que o BC decidiu manter a Selic pelo quarto mês seguido.

O comitê escreveu, por exemplo, que a incerteza fiscal e o afastamento das expectativas de inflação da meta em prazos mais longos aumentam o custo para controlar a inflação.

Por outro lado, o Copom também estendeu a mão ao novo governo. Em outro trecho da ata, os diretores apontaram que o pacote fiscal anunciado em janeiro pode atenuar os estímulos fiscais sobre a demanda e, portanto, reduzir o risco de alta sobre a inflação.

Economia vai esfriar

Na visão de Lula e de integrantes do governo, a política de manutenção dos juros altos terá reflexos no desempenho da economia. E o Banco Central parece concordar.

Na ata do Copom, os diretores consideram que os dados de atividade no Brasil seguem indicando um ritmo de crescimento mais moderado recentemente e que os números do mercado de trabalho sugerem "perda de dinamismo".

"O conjunto de dados divulgados, incluindo a queda dos indicadores de confiança e a desaceleração observada nas concessões de crédito, junto com os efeitos defasados da política monetária, reforçam a expectativa do Comitê de desaceleração do ritmo da atividade econômica, que deve se acentuar nos próximos trimestres", escreveu o BC, na ata.

Alguns membros do comitê observaram que há um movimento de recomposição parcial de perdas recentes nos salários reais, de acordo com o documento. Mas houve a ponderação de que esse movimento é esperado e vem acompanhado de desaceleração nos ganhos nominais que deve se acentuar à frente.

"O Comitê seguirá acompanhando as divulgações do mercado de trabalho, avaliando continuamente qual o papel da inflação defasada e das pressões no mercado de trabalho sobre os reajustes salariais", afirmou.

De certo modo, esse é o efeito que o BC esperava para arrefecer as pressões sobre a inflação, ainda de acordo com a ata.

"Alguns membros ressaltaram que a desaceleração deve prosseguir e é necessária para que os canais de política monetária atuem e ocorra a convergência da inflação para suas metas", ressaltou o BC.

Em outras palavras, o BC reconhece o caráter restritivo da Selic para o crescimento econômico, mas entende que esse é o remédio necessário para conter a inflação elevada e fora da meta.

Você pode ler aqui a íntegra da ata da última reunião do Copom.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Compartilhe

NAS ALTURAS

Dólar em R$ 5,28: os dois eventos que fizeram a moeda norte-americana atingir o maior patamar em mais de um ano

16 de abril de 2024 - 11:44

Entenda por que os investidores buscam abrigo em ativos considerados porto seguro como o ouro e os títulos do Tesouro dos EUA

LOTERIAS

Lotofácil: Apostador “virtual” fatura prêmio milionário sozinho; Mega Sena sorteia hoje bolada de R$ 66 milhões

16 de abril de 2024 - 9:39

Enquanto a Quina e a Lotomania acumularam, a Lotofácil registrou um vencedor ontem. Confira os números sorteados nas principais loterias da Caixa Econômica Federal

SHINE BRIGHT

Ouro a US$ 3 mil: por que o Citi enxerga disparada de 26% do metal precioso — e nem tudo tem a ver com as guerras

16 de abril de 2024 - 9:02

Para os especialistas do Citigroup, a commodity deve ser impulsionada pelo aumento da demanda dos investidores institucionais e dos bancos centrais

Prévia do orçamento

Governo propõe reajuste de mais de 6% no salário mínimo em 2025; veja qual será o valor

15 de abril de 2024 - 17:45

O cálculo segue a projeção para o INPC, índice oficial de inflação no Brasil, mais o crescimento do PIB em 2023

SPOILERS DA PLDO

Sem superávit: Haddad confirma meta fiscal de déficit zero em 2025 e planos para aumentar a arrecadação

15 de abril de 2024 - 17:09

Vale relembrar que, há um ano, a equipe econômica havia estabelecido que buscaria fazer um superávit de 0,5% do PIB em 2025

MADE IN BRAZIL

O milho que vale ouro: quebra de safra da África dá tração ao agronegócio brasileiro e pode mexer com gigantes como a BRF (BRFS3)

15 de abril de 2024 - 14:15

A seca provocada pelo El Niño reduziu o cultivo de milho da África do Sul em pelo menos 20% e a do Zimbábue em cerca de 60%

VENDE COMO ÁGUA

Brasil retoma autossuficiência de alumínio e produção avança 24% em 2023; ainda existe espaço no mercado?

14 de abril de 2024 - 15:31

A recuperação na oferta acontece, principalmente, devido ao religamento do complexo industrial da Alumar, no Maranhão

LOTERIAS FEDERAIS

Com arrecadação de R$ 23,4 bilhões, funcionários da Caixa tentam manter lotéricas com banco

14 de abril de 2024 - 13:42

Além da arrecadação, as loterias são parte fundamental da rede de atendimento do banco, porque prestam serviços bancários da Caixa

BOMBOU NA SEMANA

A porta giratória de Milei na Argentina e o “novo” fracasso de Lemann: veja quais foram as notícias mais lidas do Seu Dinheiro nesta semana

13 de abril de 2024 - 14:05

Nesta semana, as leitoras e os leitores do Seu Dinheiro acompanharam de perto a agenda de Javier Milei. O presidente da Argentina virou figura popular ao assumir um país que passa por uma das piores crises econômicas de sua história.  O país viveu uma semana de “porta giratória”. De um lado, o HSBC vendeu as […]

A FORTUNA ENCOLHEU

Os 10 maiores bilionários do planeta perderam R$ 107,2 bilhões hoje — e aqui estão os motivos

12 de abril de 2024 - 19:45

Conhecidos por liderarem as empresas mais valiosas do mundo, esse grupo seleto de ricaços soma um patrimônio líquido de US$ 1,58 trilhão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies