O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-02-04T11:25:49-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Subindo sem parar

Copom segue o plano e eleva a Selic a 10,75%, mas indica que vai tirar o pé do acelerador a partir de agora

Foi a oitava alta consecutiva na Selic; veja o histórico da taxa básica de juros e os detalhes da decisão do Copom

2 de fevereiro de 2022
18:42 - atualizado às 11:25
Foto da fachada do Banco Central; servidores entram em greve
Fachada da sede do Banco Central do Brasil, em Brasília - Imagem: Shutterstock

Numa decisão que era amplamente esperada pelo mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) elevou a Selic em 1,5 ponto percentual, ao patamar de 10,75% ao ano — com isso, a taxa básica de juros da economia brasileira superou a barreira dos 10% pela primeira vez desde 2017.

O colegiado, no entanto, deu a entender que, a partir de agora, a trajetória de alta será mais suave. No comunicado divulgado em conjunto com a decisão em si, o Copom afirma que a redução do ritmo de ajuste da taxa básica de juros é a postura 'mais adequada' no momento, considerando o atual estágio do ciclo de aperto na Selic.

Essa foi a oitava elevação consecutiva por parte do Copom — em janeiro do ano passado, a Selic estava em 2% ao ano, nas mínimas históricas. O movimento ocorre num contexto de disparada nos índices de inflação; o IPCA fechou 2021 em 10,06%, muito acima do teto da meta do BC, de 5,25%.

Em meio à alta nos preços, o BC tem adotado uma postura bastante agressiva na condução da política monetária e promovido elevações bruscas na Selic — somente de setembro para cá, a taxa básica de juros deu um salto de 4,5 pontos percentuais. Veja o gráfico abaixo:

Fonte: Banco Central (BC)

Mas, ao menos por enquanto, o mercado financeiro continua receoso a respeito da trajetória dos preços, mesmo com a forte alta nos juros: o último relatório Focus, divulgado na segunda-feira (30), projeta um IPCA de 5,33% para 2022, também acima do teto para o ano, de 5%.

Esse salto na Selic para conter a inflação, no entanto, não é uma medida livre de efeitos colaterais. Com os juros nas alturas, a atividade econômica do país tende a desacelerar de maneira expressiva — o mesmo relatório Focus, por exemplo, prevê que o PIB brasileiro crescerá apenas 0,3% neste ano.

Selic: avanços menos intensos

O Copom promoveu uma mudança importante no tom de sua comunicação: se, nas últimas reuniões, ele deixava claro que era necessário subir os juros de maneira intensa, hoje ele deixou claro que o ciclo de altas na Selic está se aproximando do fim, com uma desaceleração no ritmo dos ajustes.

E não é que os dados de inflação e de atividade econômica já estejam mostrando uma dinâmica mais saudável: o próprio BC admite que os preços ao consumidor continuam "surpreendendo negativamente", tanto nos itens mais voláteis quanto nos componentes ligados à inflação subjacente.

O que acontece é que, passado um ano do início do ciclo de alta de juros, o BC entende que os efeitos cumulativos desse processo começarão a ser sentidos num horizonte curto de tempo — e, sendo assim, o ideal é 'dosar melhor' as novas elevações da Selic.

Em linhas gerais, a economia real não é imediatamente afetada pela alta ou pela queda da taxa básica de juros — leva um certo tempo para que a nova realidade seja completamente difundida por toda a cadeia. Sendo assim, boa parte do efeito das elevações da Selic promovidos durante o ano passado só serão sentidos de fato em 2022 e 2023.

O Comitê antevê como mais adequada, neste momento, a redução do ritmo de ajuste da taxa básica de juros. Essa sinalização reflete o estágio do ciclo de aperto, cujos efeitos cumulativos se manifestarão ao longo do horizonte relevante

Trecho do comunicado da decisão de juros do Copom, de 2 de fevereiro

Copom e os riscos no horizonte

Em termos de riscos, a autoridade monetária continua batendo na tecla das preocupações com a trajetória fiscal do país. Por mais que as contas públicas estejam apresentando um bom desempenho, o BC se diz preocupado com eventuais medidas que impactem o arcabouço de preços — um recado claro ao governo, especialmente num ano de eleições.

"O Comitê avalia que a incerteza em relação ao arcabouço fiscal segue mantendo elevado o risco de desancoragem das expectativas de inflação e, portanto, a assimetria altista no balanço de riscos", diz o comunicado, ao tratar especificamente dos riscos domésticos à dinâmica de preços.

Quanto ao exterior, a autoridade monetária diz que o ambiente é até menos favorável do que no ano passado: a iminência do início do ciclo de altas de juros nos EUA, somado às incertezas geradas pela variante ômicron da Covid-19, criam um ambiente considerado "desafiador" para as economias emergentes.

Até onde vai a Selic?

Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, afirma que a decisão e as sinalizações emitidas pelo Copom ficaram em linha com o que era esperado pelo mercado financeiro. Para ela, o ciclo de altas na Selic deve ser encerrado em 11,50%, o que implicaria numa última elevação de 0,75 ponto na próxima reunião, em março.

"Mas, assim como eles colocaram no comunicado, a gente também fica à mercê dos desdobramentos em relação à política fiscal, porque isso pode pesar novamente — de repente, exigir uma extensão do ciclo de elevação da Selic", diz ela, ponderando que a questão ainda está em aberto.

Para Gustavo Bertotti, head de Renda Variável da Messem Investimentos, a postura do BC foi acertada: manter o ritmo de alta de 1,5 ponto percentual da Selic seria um exagero, considerando a perspectiva de desaceleração nas métricas de inflação ao longo do ano. "O BC destacou uma melhora no quadro fiscal, embora ainda exista um cenário de incerteza".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies