O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-31T15:34:09-03:00
Ricardo Gozzi
MY MY, HEY HEY

Após ação desabar mais de 20%, Spotify esboça reação a boicote de artistas e usuários

Plataforma anuncia revisão de política de informação sobre pandemia e podcaster promete andar na linha depois de saída de Neil Young e Joni Mitchell

31 de janeiro de 2022
14:13 - atualizado às 15:34
Montagem com Joni Mitchell, Neil Young e o logotipo do Spotify
Joni Mitchell e Neil Young deixaram o Spotify Imagem: Montagem Andrei Morais / Envato / Wikimedia / Shutterstock

Dizem que o bolso é o “órgão” mais sensível do corpo humano. E os acionistas do Spotify (S1PO34) não nos deixam mentir.

Depois de verem o preço de suas ações derreter 23,6% em poucas semanas, os diretores da plataforma romperam o silêncio e adotaram uma estratégia de contenção de danos cujos efeitos ainda precisam ser observados.

Os problemas da plataforma começaram nos primeiros dias de 2022, quando cientistas publicaram uma carta aberta em protesto contra a divulgação de desinformações sobre a pandemia no podcast ancorado por Joe Rogan.

A carta criticava o teor de um episódio do podcast Joe Rogan Experience publicado no Spotify no fim do ano passado.

Desencorajamento à vacinação de jovens e crianças e promoção de remédios ineficazes contra a covid-19 encabeçavam as queixas expostas na carta aberta da comunidade científica. Isso sem contar as teorias conspiratórias levadas ao ar por Rogan.

Empurrando com a barriga

Em princípio, pouca gente pareceu dar atenção para a carta e menos gente ainda a relacionou à queda no preço das ações. Aqui na B3, o Spotify tem BDRs negociados com o código S1PO34.

Para o Spotify, que vinha voando em céu de brigadeiro até o fim do ano passado, o protesto parecia sinalizar apenas uma turbulência.

Com mais de 200 milhões de downloads por mês, o podcast Joe Rogan Experience é um dos mais ouvidos do mundo.

Tempestade perfeita

O cenário começou a ganhar contornos de tempestade somente na semana passada, quando o cantor e compositor canadense Neil Young primeiro exigiu um posicionamento do Spotify. Ou eu ou ele?

A direção do Spotify nem corou. Em 2020, a plataforma teria desembolsado mais de US$ 100 milhões em troca da exclusividade do podcast de Rogan, assim como de sua milionária receita com publicidade.

Neil Young? Bem, Neil Young é só um dos mais influentes compositores do século 20. A opção da plataforma foi dispensar o ícone da contracultura e manter um podcast que violava suas próprias - ainda que desconhecidas do público externo - políticas de conteúdo.

Influência duradoura

O que talvez não se esperasse era o impacto da decisão de Neil Young. Atualmente com 76 anos, Young fez sucesso nas décadas de 1960 e 1970. Mas suas composições influenciam as gerações que o sucederam.

Em meio ao desenrolar do caso, Joni Mitchell desembarcou do Spotify em solidariedade. Canadense como Neil Young, ela é também uma das mais influentes compositoras de sua geração.

Além da repercussão negativa nas mídias sociais, a notícia levou a uma onda ainda não mensurada de cancelamentos entre os assinantes do serviço de streaming de áudio.

Perdas bilionárias do Spotify

O fato é que, ainda que as receitas com Rogan sejam milionárias, as perdas derivadas do episódio atingiram a casa dos bilhões.

Entre a carta aberta dos cientistas e o fechamento da última sexta-feira, a ação do Spotify perdeu 23,6% de seu valor. Somente na semana passada, a plataforma perdeu US$ 3 bilhões em valor de mercado.

Depois de alguns dias de silêncio, o cofundador e executivo-chefe do Spotify, Daniel Ek usou suas redes sociais no domingo para anunciar “mudanças” nas políticas do Spotify.

“Temos regras em vigor há muitos anos, mas é certo que não fomos transparentes em relação às políticas que orientam nosso conteúdo de forma mais ampla”, disse Ek, que não cita Young nem Rogan na mensagem.

“Com base no feedback das últimas semanas, ficou claro para mim que temos a obrigação de fazer mais para proporcionar equilíbrio e acesso a informações amplamente aceitas das comunidades médica e científica que nos orientam nesse período sem precedentes.”

Daniel Ek, cofundador e executivo-chefe do Spotify

O discurso parece bonito. Na prática, porém, o Spotify vai se limitar a colocar uma tarja de advertência nos podcasts sobre a pandemia e a manter uma área com informações sobre a covid-19 corroboradas pela comunidade científica.

Rogan pede desculpas

Enquanto os comentários de Ek eram digeridos, Joe Rogan usou sua conta no Instagram para pedir desculpas. Ao Spotify.

Ele negou que sua intenção fosse divulgar informações erradas, admitiu que “entendeu as coisas de maneira equivocada” e prometeu levar ao ar opiniões mais equilibradas.

E, mediante livre e espontânea pressão, arrematou: “Não estou bravo com o Neil Young. Sou um grande fã dele”.

As más línguas asseguram que os recuos do Spotify e de Rogan foram motivados por um meme assustador: a banda Nickelback (olha os canadenses aí de novo) ameaçava subir novas músicas na plataforma se o podcast não fosse cancelado.

O que se sabe é que o passo atrás fez bem para os negócios. As ações do Spotify subiam mais de 10% na sessão de hoje na bolsa de Nova York.

*Com informações da BBC e do MarketWatch

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies