O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-23T14:51:41-03:00
Ricardo Gozzi
MAIS QUE UM TIME

O plano do Golden State Warriors para se tornar a franquia esportiva mais valiosa do mundo – e, claro, tem cripto e NFT no meio

Avaliado em US$ 4,7 bilhões, Golden State Warriors tem plano de crescimento que inclui fontes de receita inovadoras no mundo do esporte

23 de abril de 2022
12:10 - atualizado às 14:51
Stephen Curry, armador do Golden State Warriors, comemora ao lado de Draymond Green
Stephen Curry, armador do Golden State Warriors, comemora ao lado de Draymond Green - Imagem: Divulgação

De 2015 a 2019, não teve para ninguém na Conferência Oeste da NBA. O Golden State Warriors dominou a cena por cinco temporadas seguidas. E em três delas (2015, 2017 e 2018) faturou o título mais cobiçado do basquete norte-americano.

A pandemia distanciou o time de São Francisco dos títulos, mas não parou a máquina de fazer dinheiro em que o Warriors se transformou na última década.

O valor de mercado do Golden State Warriors passou de US$ 3,5 bilhões antes da pandemia para US$ 4,7 bilhões no ano passado. E, segundo pessoas familiarizadas com as finanças do time, deve adicionar US$ 700 milhões em receitas em 2022, informa a CNBC.

Se seguir nessa toada, é possível que o Golden State Warriors se transforme em breve na franquia esportiva mais valiosa do mundo.

Que futebol que nada

Temos o hábito, no Brasil, de olhar para os clubes europeus como referência de valor de mercado. Mas ainda que seja de longe o esporte mais popular do planeta, no futebol, a quantidade grandes - e valiosos - times ao redor do mundo pulveriza consideravelmente os valores.

Segundo o mais recente ranking elaborado pela Forbes, todos os integrantes do pódio das mais valiosas franquias esportivas do mundo em 2021 tinham sede nos Estados Unidos. E nenhuma delas pertence ao mundo do futebol.

Top 3 das franquias esportivas mais valiosas do mundo

  • 1º lugar: Dallas Cowboys (NFL, liga de futebol americano): US$ 5,7 bilhões;
  • 2º lugar: New York Yankees (MLB, liga de beisebol dos EUA): US$ 5 bilhões;
  • 3º lugar: New York Knicks (NBA): US$ 5,25 bilhões.

Dois gigantes do futebol internacional aparecem nas quarta e quinta colocações. Rivais nos gramados da Espanha, Barcelona e Real Madrid são separados por alguns “míseros” milhões de dólares. Enquanto o azul-grená catalão é estimado em US$ 4,76 bilhões, a esquadra merengue é avaliada pela Forbes em US$ 4,75 bilhões.

Só então o Golden State Warriors aparece na lista, em sexto lugar, com US$ 4,7 bilhões.

Portanto, é preciso ir por partes. Para se transformar na franquia mais valiosa do mundo, o time de São Francisco ainda precisa se tornar o maior da NBA em valor de mercado.

Golden State Warriors pode superar o New York Knicks ainda este ano

Se as fontes da CNBC estiverem certas, é possível que o Golden State Warriors ultrapasse o New York Knicks já em 2022.

Os Warriors têm a maior folha de pagamento da NBA, estimada em mais de US$ 180 milhões na temporada 2021-22. O time mantém em seu elenco o armador Stephen Curry, um dos jogadores mais valiosos da NBA.

“Com a trajetória em que estão e o esforço empenhado por eles na franquia, isso não me surpreenderia”, disse Bryce Erickson, vice-presidente sênior da consultoria Mercer Capital. Ele é especializado em avaliação de times esportivos. “Eu certamente acho que é possível”, assegurou Erickson à CNBC.

Avaliações têm fatores subjetivos

É preciso levar em consideração que as avaliações de times esportivos muitas vezes são infladas e levam em conta fatores amplamente subjetivos.

Além de transações formais cujas informações tornam-se públicas, os especialistas incluem em suas contas os múltiplos de receita e adicionam receita operacional, as receitas compartilhadas e quaisquer outros ativos vinculados ao clube, o que pode incluir imóveis e outros bens sem liquidez efetiva.

Em termos práticos, porém, os Warriors já estão superando a concorrência: em 2021, o time de São Francisco liderou a NBA em receita relacionada ao basquete, com US$ 474 milhões, segundo a Forbes. Enquanto isso, a receita dos Knicks caiu para US$ 421 milhões, de US$ 472 milhões em 2020, provavelmente resultado de perdas relacionadas à pandemia.

Adicionemos a receita de outros eventos no Chase Center - o ginásio onde o Warriors manda seus jogos - e os ganhos com novos projetos e os valores levantados pelo time crescem ainda mais.

O plano do Golden State Warriors

Com o cenário devidamente contextualizado, vamos agora ao plano do Golden State Warriors.

O projeto prevê novas - e volumosas - receitas com a recém-lançada divisão Golden State Entertainment (GSE).

O empreendimento conta com a implementação de uma espécie de bolsa interna para negociação de ingressos de camarote, uma parceria com uma empresa de criptomoedas e estímulos ao setor de blockchain para lucrar com NFTs, os tokens não fungíveis.

Tudo isso apenas dois anos depois de o Golden State Warriors ter-se mudado para o Chase Center, um complexo esportivo estimado em US$ 1,4 bilhão na cidade de São Francisco.

O espaço físico garante ao time receita com os imóveis ao redor e uma renda de aluguel proveniente da Uber, com a qual mantém relações comerciais.

Para além do basquete...

O presidente e diretor de operações do Golden State Warriors, Brandon Schneider, diz que os projetos são fundamentais para tornar o time uma força para além das quadras de basquete.

“A Disney começou como um parque temático”, disse Schneider à CNBC. “Os Warriors começaram como um time de basquete. Veja o que a Disney se tornou e o que os Warriors estão se tornando.”

Schneider conversou com a CNBC em 14 de abril, a um dia de completar seu primeiro aniversário como presidente dos Warriors. Ele sucedeu Rick Welts, que se aposentou no ano passado depois de pouco mais de uma década à frente do time.

Segundo o atual executivo, o objetivo do Golden State Warriors é se transformar em “líder global em experiências e entretenimento”. E acrescentou que a franquia “alavancaria a força da marca” e inovaria em tecnologia, “porque estamos na Área da Baía de São Francisco, o epicentro tecnológico do mundo”.

Golden State Warriors pretende criar e distribuir conteúdo próprio de mídia

A expectativa é de que a Golden State Entertainment gere conteúdo próprio em parceria com a Mandalay Entertainment.

A GSE produzirá documentários, lançará um novo single com a estrela de K-pop Bambam e explorará festivais de música.

Além disso, a GSE alinha os Warriors com o licenciamento de produtos de mídia para gigantes do streaming como a Apple, que este ano recebeu conteúdo esportivo em sua plataforma, e a Netflix, que anda precisando rebolar para reverter a queda no número de assinantes.

O rei do camarote

Em fevereiro, os Warriors lançaram a SuiteXchange, uma plataforma de troca de ingressos para camarotes de luxo dentro do Chase Center. Ela aproveita a tecnologia blockchain e permite a captura de dados e ganhos com as taxas de transação.

Ao mesmo tempo, o Golden State Warriors negocia com outros times da NBA a possibilidade de conceder acesso a esse rede. Segundo Schneider, isso poderia transformar a SuiteXchange numa espécie de “Ticketmaster dos camarotes”.

No campo das NFTs, o Golden State Warriors já faturou mais de US$ 2 milhões com a venda de tokens. Já a parceria com a plataforma de criptomoedas FTX rendeu um acordo de patrocínio de US$ 10 milhões.

Schneider acredita que, desde que os Warriors sejam criativos e invistam “nas experiências certas, o dinheiro vem”.

Mas o foco é o esporte

A eventual transformação do Golden State Warriors na mais valiosa franquia esportiva do mundo seria uma consequência, e não um fim em si. Por mais que busque receitas alternativas, o foco continua no basquete.

Nos 11 anos de Welts à frente da franquia, os Warriors superaram o Los Angeles Lakers como segundo time mais valioso da NBA.

Welts atribui pelo menos parte desse sucesso ao astro Stephen Curry. “Quando seu melhor jogador não é apenas o atleta e o talento que é, mas também a pessoa que ele é, você tem uma grande vantagem na tentativa de criar algo especial”, disse Welts à CNBC em 2019.

Schneider assegura que o foco é preservar e aprimorar a principal atração do Golden State Warriors: o time de basquete.

“Temos um plano e queremos ser consistentemente bons, queremos investir”, disse Schneider. 

Questionado sobre onde os Warriors querem estar em 2030, Schneider respondeu: “Ganhando títulos, fazendo grandes coisas pela comunidade e aumentando nossa base de fãs ao redor do mundo”.

*Com informações da CNBC e da Forbes.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

INTERNET DO MUSK

O que faz a Starlink, empresa que trouxe Elon Musk ao Brasil e deve operar na Amazônia

A empresa do bilionário promete internet ultrarrápida e deve começar as suas operações ainda neste ano; Anatel já deu aval

FECHAMENTO DO DIA

Escapou do urso: S&P 500 consegue fechar no azul em recuperação dramática; saiba o que aconteceu com as bolsas nos EUA

Dois fatores são centrais para entender o comportamento do S&P 500, do Nasdaq e do Dow Jones nas últimas semanas; entenda

FECHAMENTO DO CÂMBIO

Dólar recua 0,87% e vale R$ 4,87. Euro também cai e vale R$ 5,13; confira o que movimentou o câmbio nesta sexta-feira

Apesar do predomínio de um certo humor pessimista pelo mundo, o real conseguiu ter mais um dia de ganhos em relação ao dólar

VISÃO MACRO

Por que o mercado exagera ao temer uma recessão nos Estados Unidos e na China

Os sinais de uma possível recessão nas grandes economias, como EUA e China, e o aumento de um pessimismo generalizado parecem ter tomado conta dos mercados

CHAPÉU NA RECEITA

Criador da Terra (LUNA), criptomoeda que virou pó, deve cerca de US$ 78 milhões ao governo da Coreia do Sul e Terraform Labs deixa investidores com prejuízo de US$ 1,1 milhão

As acusações acontecem em meio a uma reformulação do protocolo, que pretende pagar os usuários que perderam dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies