O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-10T17:05:14-03:00
Carolina Gama
BDR À VISTA

É hora de comprar XP (XPBR31)? Potencial de alta do papel é de 45%, segundo JP Morgan; confira análise do banco

Os papéis da corretora esbarram em uma atividade ainda fraca do mercado de capitais, de acordo com o banco americano

10 de maio de 2022
16:25 - atualizado às 17:05
XP Investimentos Dólar
Imagem: Montagem / Andrei Morais

A onda negativa que toma conta do Ibovespa — e da bolsa brasileira como um todo — não tem sido muito encorajadora para os investidores. Mas, segundo o JP Morgan, os atuais níveis de preço dos recibos de ações (BDRs) da XP (XPBR31) representam uma boa oportunidade.

O banco iniciou a cobertura desses ativos  com recomendação de compra e preço-alvo de US$ 141, um potencial de valorização de 45% em relação ao fechamento de segunda-feira (09). 

Já para as ações da XP negociadas no Nasdaq sob o ticker XP, o preço-alvo foi fixado em US$ 27 — um potencial de valorização de 43%, com recomendação também de compra. 

Vale lembrar que, para os brasileiros que querem investir no exterior sem ter que abrir uma conta em um banco lá fora, os BDRs são uma opção. Na prática, o investidor brasileiro não está adquirindo as ações lá fora, mas sim a posse de um certificado que representa os papéis.

SIGA A GENTE NO INSTAGRAM: análises de mercado, insights de investimentos e notícias exclusivas sobre finanças

O que está no caminho da XP (XPBR31)

A atividade ainda fraca do mercado de capitais é um obstáculo para a XP (XPBR31). Segundo  JP Morgan, o desempenho ruim do Ibovespa no trimestre até o momento — de queda de 13% — pesa sobre os negócios da corretora. 

“Além disso, a combinação de desempenho ruim das ações e inclinação da curva de juros deve continuar a ser um desafio para o net new money [captações]”, diz o JP Morgan. 

Segundo as projeções, as captações devem ficar mais próximas do limite inferior projetado pela companhia, de R$ 10 bilhões a R$ 14 bilhões, embora o nível ainda seja considerado saudável pelo banco. 

Além disso, o saldo de Itaú e Itaúsa — agora representando uma participação combinada de 23%, e que pode trazer uma pressão vendedora relevante — também é uma barreira para o desempenho das ações da XP no curto prazo. 

“Embora saudemos a mudança de discurso da administração da XP agora argumentando em favor da participação em eventuais negociações em bloco, ainda vemos como o melhor cenário para o desempenho das ações se a participação total for vendida de uma só vez”, diz o JP Morgan, em relatório. 

Ainda assim, após a recente fraqueza das ações, o banco vê a XP sendo negociada a 15 vezes P/E (índice de preço lucro) em 2022. Segundo o JP Morgan, o múltiplo é considerado baixo e não se justifica, dadas as perspectivas de crescimento da corretora. 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies